Tamanho da Letra: [A-] [A+]

João Paulo II e as universidades católicas

Publicado por Antonio Carlos Santini em Religião
data: 01/10/2012

Mais passa o tempo, mais cresce aos nossos olhos o vulto admirável de Karol Wojtyla, o Papa polonês, agora beatificado e a caminho da canonização. Ninguém dúvida disto: o Século XX nos ofereceu notável espetáculo de santidade, passando por Madre Teresa de Calcutá, Ir. Roger Schütz e João Paulo II.

Cada santo oferece uma ou mais facetas das virtudes de Cristo. O amor pelos pobres fulgura em Teresa. O apelo à unidade ecoa no Ir. Roger. Em João Paulo II, o diamante é multifacetado. Deus caprichou na lapidação. Impulso missionário, brilho do intelecto, fidelidade doutrinária, dedicação pedagógica, visão universal – numerosos traços de Cristo, Mestre e Pastor. É no sofrimento, porém, que o Beato João Paulo mais adere a Cristo. Entre suas dores, a cruz da universidade católica…

Wojtyla manifestou gratidão por sua passagem pela universidade: “Durante longos anos eu mesmo fiz uma experiência benéfica, que me enriqueceu interiormente, do que é próprio da vida universitária: a ardente procura da verdade e a sua transmissão abnegada aos jovens e a todos aqueles que aprendem a raciocinar com rigor, para agir com retidão e para servir melhor a sociedade humana”, Ex Corde Ecclesiae, 2.

Igualmente, ele apreciou o trabalho dos docentes católicos: “A sua missão de acadêmicos e de cientistas, vivida à luz da fé cristã, deve considerar-se preciosa para o bem das Universidades onde ensinam. Com efeito, a sua presença é um contínuo estímulo à procura abnegada da verdade e da sabedoria que vem do Alto”, Idem.

Ao ver, aqui e ali, o racionalismo e o laicismo invadirem espaços que deveriam ser tipicamente eclesiais, João Paulo II acentuava a centralidade de Cristo na universidade católica: “Guiados pelas contribuições específicas da filosofia e da teologia, os estudiosos universitários deverão empenhar-se num esforço constante no sentido de determinar a relativa colocação e o significado de cada uma das diversas disciplinas no quadro duma visão da pessoa humana e do mundo iluminada pelo Evangelho e, portanto, pela fé em Cristo, Logos, como centro da criação e da história humana” Idem, 16. Eis a lição do Papa: sem Cristo no centro, a universidade católica torna-se excêntrica. Fora de seu lugar.

Na realidade, o desejo e a aparente necessidade de obter aprovação e reconhecimento das autoridades governamentais acabaram por induzir os institutos católicos a admitir docentes inteiramente estranhos, quando não hostis, à Igreja, sua doutrina e sua visão de mundo. Passaram a contar os diplomas, os títulos, os doutorados e os textos publicados, e não o alinhamento com a fé e a doutrina.

No item 27 da Constituição apostólica Ex Corde Ecclesiae, data de agosto de 1990, João Paulo II escrevia: “Afirmando-se como Universidade, cada Universidade Católica mantém com a Igreja uma relação que é essencial à sua identidade institucional. Como tal, ela participa mais diretamente na vida da Igreja particular na qual tem sede, mas, ao mesmo tempo e sendo inserida como instituição acadêmica, pertence à comunidade internacional do saber e da investigação, participa e contribui para a vida da Igreja universal, assumindo, portanto, uma ligação particular com a Santa Sé em virtude do serviço de unidade, que é chamada a realizar em favor de toda a Igreja”.

Não se trata, claro, de mera simpatia ou de educado clima de boas relações, mas é uma questão de pertencimento e filiação. Ele prossegue: “Desta sua relação essencial com a Igreja derivam consequentemente a fidelidade da Universidade, como Instituição, à mensagem cristã, o reconhecimento e a adesão à autoridade magisterial da Igreja em matéria de fé e moral. Os membros católicos da Comunidade universitária, por sua vez, são também chamados a uma fidelidade pessoal à Igreja, com tudo quanto isto comporta. Dos membros não católicos, enfim, espera-se o respeito do caráter católico da instituição na qual prestam serviço, enquanto a Universidade, por seu lado, respeitará a sua liberdade religiosa”, Idem.

Karol Wojtyla se foi. Por certo estará rezando junto ao trono do Cordeiro. Mas duvido que tenha deixado de sofrer…

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Religião

Antonio Carlos Santini - Licenciado em letras – Português e Francês. Professor de Artes e Ciências Humanas. Evangelizador, compositor, autor de vários livros de catequese e poesia/ Licenciado en letras - Portugués y Francés. Profesor de artes e ciencias humanas. Es evangelizador católico, compositor de músicas religiosas, autor de varios libros de catequesis y poesía. Residente em Belo Horizonte MG
2 Comentários
  1. Iuri

    Senhor Antonio Carlos, tive a oportunidade de ser aluno da PUCMG, e aproveito para dizer que os dirigentes não têm nenhum interesse em doutrinar os alunos para o catolicismo, mas simplesmente pegar o nosso dinheiro, que para eles não tem cor. O senhor sabia que o orçamento anual da Arquidiocese de Belo Horizonte supera 1 bilhão de reais, e que a PUC representa mais da metade disso?

    • Antônio Carlos Santini

      Sei disso, prezado Iuri. Moravam comigo dois jovens vocacionados que faziam filosofia na PUCMG. Muitas vezes, chegavam para o almoço e iam chorar no barracão dos fundos onde moravam, feridos pelo bombardeio ateísta que haviam sofrido, naquela manhã, por mestres daquela Instituição. João Paulo II sabia disso melhor que nós dois. E sofreu mais que nós dois… Um abraço.

Deixe um comentário