Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Esse sujeito chamado leigo – parte I

Publicado por Antonio Carlos Santini em Religião
data: 06/03/2018

este sujeito chamado leigo

(Foto: WordPress.com)

Ao receber o convite para escrever uma série de artigos sobre os fiéis leigos, senti-me muito honrado. Sentimento logo ultrapassado por outro: o risco que eu iria correr de gastar este espaço para falar de coisinhas agradáveis – ou mesmo irrelevantes – e deixar de lado a realidade de uma multidão de fiéis batizados que olham para a Igreja como quem vê apenas um supermercado com mercadorias a distribuir…

Não é à toa que o título do Cap. I do Doc. 105 da CNBB – “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade” – coloca lado a lado duas palavras: esperanças e angústias. E, não fosse essa esperança, a angústia acabava por me sufocar…
Logo na sua Introdução, o Documento traz uma afirmação essencial: “Cada cristão leigo e leiga é chamado a ser SUJEITO ECLESIAL para atuar na Igreja e no mundo”.

E dá o exemplo de Francisco de Assis – este santo mais atual do que nunca – que dedicou sua vida à reconstrução da Igreja.
Desde já, cabe uma análise gramatical em torno da palavra SUJEITO. É que não basta ser “sujeito”. É preciso avaliar que tipo de sujeito nós queremos, seremos… Sujeito oculto? Ninguém o verá. Sujeito indeterminado? Já existem milhares em cima do muro.

Se permitem uma divagação a um ex-professor de Gramática, vamos examinar esta frase:

- João foi atropelado pelo caminhão.

O sujeito é João. Mas é um sujeito passivo. Aparece na oração apenas para ser esmagado pela máquina. Muito diferente de Francisco de Assis, que foi – ele sim – uma W-12, essa enorme máquina de terraplenagem que passou pela estrada de seu tempo arrasando velhas estruturas de uma sociedade carcomida pela avareza, pela ambição, pelo sonho da acumulação e todos os demais pecados do então capitalismo nascente…

O tal SUJEITO citado no Doc. 105 deve ser um sujeito ATIVO, ainda que ele precise correr riscos, como na frase:

- João atropelou o caminhão.

E, neste caso, o caminhão que nós temos de atropelar é a sociedade que nos cerca, é o mundo que nos envolve, são os contravalores de um mundo neopagão que chegam a invadir as próprias estruturas da Igreja.

Por isso mesmo, o Doc. 105 cita o Papa Paulo VI:

“A primeira e imediata tarefa [do leigo] NÃO é a instituição e o desenvolvimento da comunidade eclesial – esse é o papel específico dos pastores – mas sim [...] o vasto e complicado mundo da política, da realidade social e da economia, como também o da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos mass media e, ainda, outras realidades abertas à evangelização, como sejam o amor, a família, a educação das crianças e dos adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento.” (Nº 6)

Depois deste amplo horizonte aberto aos nossos olhos pelo Papa Montini, seria o caso de nos perguntarmos se as chamadas “equipes de pastoral” estão mergulhadas nesse caldo de cultura, ou estão refugiadas na morna segurança das sacristias…

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Religião

Antonio Carlos Santini - Licenciado em letras – Português e Francês. Professor de Artes e Ciências Humanas. Evangelizador, compositor, autor de vários livros de catequese e poesia/ Licenciado en letras - Portugués y Francés. Profesor de artes e ciencias humanas. Es evangelizador católico, compositor de músicas religiosas, autor de varios libros de catequesis y poesía. Residente em Belo Horizonte MG
Deixe um comentário