Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Ai que saudades dos blocos caricatos!

Publicado por Sebastião Verly em Crônicas, Lazer, Memórias
data: 10/02/2010

Ai que saudades dos blocos caricatos!

Todos os anos, quando vem chegando o Carnaval eu me recordo de quando mudei para a Capital em janeiro de 1960. Minha maior expectativa era ver de bem pertinho o carnaval dessa Belo Horizonte. Os festejos de Momo eram muito diferentes do que são hoje. Eram outra coisa. O carnaval se caracterizava por festas, divertimentos públicos, bailes de máscaras e até manifestações de folclore e bom humor.

Relembro um pouco mais a nossa tradição momesca. O carnaval em Belo Horizonte inicia-se em 1897 quando os primeiros operários que construíam a nossa cidade enfeitaram carroças, se vestiram de mulheres, pintaram as caras e fizeram um desfile pelas imediações da Praça da Liberdade. Entre os operários havia muitos músicos. Ainda em 1897, os músicos-operários animaram o primeiro baile popular. Historicamente ali foram edificados os principais pilares da nossa folia momesca.

O desfile de carroças fantasiadas gerou o “corso”. As carroças viraram carros, o corso ganhou destaque, e eram muitos os carros de empresas ou de famílias tradicionais, que desfilavam pelas ruas de Belo Horizonte.

Os bailes populares transformaram-se em uma das maiores tradições de nossa cidade. Nas ruas, praças, clubes e até nas escolas o nosso povo pulava carnaval cantando sambas e marchinhas. Pintavam-se rostos, usavam-se máscaras. Quantas noites amanhecemos no Clube do Sindicato dos Bancários, ali na rua Tamoios esquina com Paraná!?

Os operários que pintaram os rostos e desfilaram batendo latas e tambores em cima das carroças, criaram o que ganhou muitos anos depois um nome marcante no nosso carnaval: os blocos caricatos.

Retorno ao começo dessa escrita quando cheguei à Capital. Já no ano de 1960, minhas paixões eram duas: mulheres, louras, morenas, mulatas ou ruivas, e o carnaval. Em minha casa, eu que já vira no cinema os grandes carnavalescos exibindo-se, ensaiava escondidinho e, na minha cabeça, fazia naturalmente todos aqueles passos e trejeitos com a mesma perfeição. Ninguém me contestava porque jamais revelara esse segredo a ninguém.

Belo Horizonte tinha um carnaval muito melhor do que é hoje. Blocos caricatos com filhinhos de papais fantasiados de mulheres como o “Domésticas de Lourdes”, “Bocas Brancas da Floresta”, “Imigrantes da Abissínia” estes usavam tinta preta no rosto e no ante braço e mantinham luvas branquíssimas contrastantes; “Carrascos da Pedro Segundo”; “Satã e seus Asseclas”; “Leões da Lagoinha”. Alguns blocos se tornaram famosos e desfilavam em cima de caminhões alugados já que aquela gente e seus familiares costumavam ter excelentes condições econômico-financeiras. Na época, as más línguas diziam que muitos daqueles que se travestiam-se em mulheres na realidade apenas estavam “soltando a franga”.

Não era verdade, pude constatar nos anos seguintes. Os rapazes continuavam machos de verdade sob as vestimentas. As fantasias discretas, muito coloridas, com pudor e respeito, eram muito bem feitas. Registro o “Aflitos do Anchieta” que vim a conhecer mais tarde.

Destacavam ainda os Grêmios Carnavalescos e as Escolas de Samba, como a Grêmio Recreativo e Escola de Samba Unidos da Brasilina. Os integrantes dessa Escola de Samba desciam em ônibus regulares da Viação Vitória que saiam do Bairro Sagrada Família e chegavam ao Centro da Cidade superlotados. Esse Grêmio ainda hoje está “vivo” nos anais do carnaval de Belo Horizonte. Tudo era pago pelos participantes, seus amigos e admiradores, os próprios vizinhos ou viabilizados através de contribuições populares… Não era “pasteurizado” como passou a ser nos últimos anos, tudo patrocinado pelo Poder Público só para distrair os pobres da periferia que não tem dinheiro para fugir do tédio. Mas parece que bons ventos estão soprando. O prefeito Márcio Lacerda está participando das atividades de organização do Carnaval 2010, e prometendo melhorar muito o carnaval para 2011, e, entre outras coisas, tirar o carnaval de rua do exílio, trazendo-o de volta para o centro.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas Lazer Memórias

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
48 Comentários
  1. Jorge Eduardo Reginaldo da Purificação

    Belo relato,com se fosse ontem, não tinha pra ninguem, os Bocas Brancas da Floresta era e sempre será uns dos melhores blocos, bloco que nunca deveria ter acabado como o ultimo ano dos Bocas que desfilou com seu caminhão(Scania) com um foquete sobre seus integrantes, com sua saida à Rua Araripe 172 casa de (Dnª Vera e Srº. Arthur). Hoje niguem lembra de seus idealizadores (João Pega Boneca, falecido ) e seus integrantes, como niguem lembra de compositores como os que adoravam o carnaval de BH, Gilberto Santana, Celso Garcia, Gusmão e outros assim era os belos carnavais nos Clubes Belo Horizonte, Sindicato dos Bancarios, Cruzeiro F.C , Iate , Barroca, Oasis, Minas Tenis……..

  2. ricardo

    AMIGOS SÃO LEMBRANÇAS BOAS DO CARNAVAL DE BHTE,LEMBRO COMO SE FOSSE HOJE MINHA MÃE DE MEUS IRMÃOS SENTADOS NA BEIRA DO MEIO FIO NA AVENIDA AFONSO PENA VENDO OS BLOCOS CARICATOS…QUE SAUDADE,TINHA MUITOS BLOCOS, QUEM DERA SE O MESMOS VIVESEM NOVAMENTE: ESTIVADORES DO HAWAI,COLORETIS,IMIGRANTES,PRESIDIARIOS DO IPIRANGA,BOCAS BRANCAS,CACARECOS,SATÃ E SEUS ASSECLAS,GALÃS MIRINS….FICA AQUI MEU APELO..

    ABRAÇOS.

  3. Oi meu amigo Ricardo!

    vou entrar na luta para tentar resgatar o nosso carnaval de BH, meu pai (Jorge Mangabeira) foi fundador da liga independente dos blocos caricatos de BH e presidente dos Estivadores do Havai, bons tempos…vou entrar nessa luta!

    Abraços

  4. Túlio Pereira

    Quem fez esta matéria só esqueceu do famosíssimo CACARECOS DE SANTA EFIGÊNIA. Era o meu bloco preferido. Nas cores vermelho e braco e com uma cadência bacana que era a dos blocos (hoje copiam a batida de escolas de samba, o Cacarecos de Santa Efigênia sempre disputava o título de campeão dos blocos. Em 1973 com um enredo “o circo chegou” simplesmente foi um dos desfiles de blocos mais sensacionais que vi. Assim como minha escola de samba no Rio, o Salgueiro, com aquele enredo de 1989 (vejam no youtube…) este bloco era sempre temido. Conseguiram acabar com a maior tradição dos desfiles de BH quando retirados da Afonso Pena e inventaram que passariam a ser blocos carnavalescos. Os responsáveis pelo carnaval de BH, jamais poderiam deixar esta tradição mudar o seu verdadeiro rumo. Tanto que os Cacarecos não quizeram mais desfilar devido a não aceitarem as verbas, que eram horríveis e essa tal mudança de endereço e classificação de bloco carnavalesco. Os blocos de hoje, com a ajuda de alguns antigos, poderiam voltar a ensaiar aquela tradicional cadência e deveriam exigir o retorno para a Afonso Pena. Só que, quem mexe com carnaval aqui em BH,a tal Belotur, não entende nada de carnaval. Uma pena. Alguém dos CACARECOS DE SANTA EFIGÊNIA AINDA ESTÁ POR AÍ? ENTREM EM CONTATO PELO EMAIL: marcoamaral2011@bol.com.br

  5. CRISTIANO LAZZAROTTI

    TIVE A OPORTUNIDADE DE ACOMPANHAR A ÚLTIMA SAÍDA DO BLOCO DOS BOCAS BRANCAS DA FLORESTA, CUJO MEU QUERIDO PAI – ROMERO LAZZAROTTI – FAZIA PARTE. ESTE ERA UM APAIXONADO PELO CARNAVAL E BANDA MOLE. INFELIZMENTE, NOS DEIXOU A 6 MESES E AMANHÃ FARIA 65 ANOS. TENHO CERTEZA QUE DE ONDE QUER QUE ESTEJA ESTÁ ACOMPANHANDO TUDO DE PERTINHO……….. VAMOS RESGATAR A MEMÓRIA DOS BLOCOS!!!!!!!!!!

  6. nely nunes pereira

    eu desfilei no imigrantes da abissinia tenho muitas saudades pois foi uma epoca maravilhosa gostaria muito de ver fotos para mostrar minhas filhas e meus netos ,nunca mais tive noticias deste bloco ou escola de samba não me lembro muito bem mas acho que era um dos dois,desde ja agradeço pela oportunidade pois a saudade é muito grande.

  7. Verly

    Lembro-me bem inclusive das luvas branquissimas que os imigrantes usavam.
    Se descobrir alguem que tenha foto colocarei por aqui.
    Abraços

  8. VITÓRIA

    Nossa lembro até hoje das “Domésticas de Lourdes”, pois era o bairro que eu morava e tinha vários vizinhos que desfilavam.
    Eu era bem pequena, mas era nossa diversão ir à Avenida Afonso Pena ver os desfiles. Eu antigamente pulava na Sociedade Italiana (na rua Curitiba, mesma rua que morava).
    Muita saudade ao ler seu texto.
    Hoje me deu saudades e resolvi procurar e achei .
    Parabéns, amei

  9. verly

    Fico feliz pelo sua consideração. Quero escrever mais ainda.Muito obrigado
    Verly

  10. duca

    queria fotos antigas do bloco caricato aflitos do anchieta

  11. TÚLIO PEREIRA

    E aí…alguem dos Cacarecos de Santa Efigênia vivo neste mundão de Minas? Pois é…Bloco caricato em BH deveria ter tido o total apoio dos governadores, prefeitos, políticos, empresários fortes de BH e assim sendo, teríamos um desfile de bloco aos moldes dos desfiles das escolas do Rio…sabem porque? SE TIVESSEM INVESTIDO NO PESSOAL DAQUI AJUDANDO NO QUE PRECISASSE, o desfile de blocos seria destaque em todo o Brasil e se bobear, no mundo porque, carnaval no Brasil todos lá fora acompanham. Poderiamos ser famosos como os bonecos de Olinda, o Bacalhau do Batata…mas como mineiro é só solidário no câncer…

  12. verly

    Muito obrigado meus leitores. Tenho pesquisado bastante e ainda em Janeiro enviei ao Editor um longo ensaio mas que não dá para publicar no Porta Metro devido ao tamanho. É bom todo mundo afinar os instrumentos porque no ano que vem BH vai ser o melhor lugar para se passar o carnaval. Teremos blocos em todos os bairros, concentrações em todas as regionais e Santa Tereza será o núcleo de toda a folia. Estou me organizando bem para que a paz e a alegria sejam contagiantes.
    Vamos lá todo mundo.

  13. Cristiano

    Desfilei durante anos no Bloco Colored’s da Floresta (cuja sede na verdade ficava em Sta. Teresa). No dia do desfile dos blocos caricatos a média de público batia acima de 100 mil. O grande mal foi quando resolveram alterar o formato dos blocos criando limites de integrantes, exigindo até porta-bandeira e samba de enredo. Os blocos não tinham estrutura para tal, pois eram agremiações familiares. Pimenta da Veiga, então prefeito, praticamente acabou com o carnaval de rua em 1989 não dando às entidades o subsídio, já que o regulamento na época proibia qualquer tipo de publicidade, mesmo subliminar.

    • Cristiano

      Nos anos 1960 os blocos que me lembro:
      Satã e seus Asseclas.Academicos de Sta Teresa.Paladinos do Samba.Colored’s da Floresta. Modernistas do Ritmo. Bocas Brancas.Bocas Negras.Corsários do Samba. Cavaleiros Negros. Maloqueiros
      Galãs do Ritmo. Invasoresdo Santo Antônio.Mulatos do Carlos Prates. Demônios do Calafate. Domésticas de Lourdes.Leões da Lagoinha.Cacarecos de Sta Efigênia. Imigrantes da Abssinia.
      Os Inocentes chegaram nos anos 1970.Ainda está faltando um monte.

  14. roberrto martins( betô

    SOU AMANTE DOS BLOCOS CARICATOS, FICAVA FASCINADO VENDO OS DESFILES NA AFONSO PENA, DESFILEI NO MULATOS DO CARLOS PRATES E NUNCA MAIS PAREI, HOJE SOU PRESIDENTE DO BLOCO MULATOS DO SAMBA, ANTIGO MULATOS DO CARLOS PRATES, TIREI CARLOS PRATES PORQUE AGORA SOMOS DO BAIRRO SANTO ANDRÉ, GOSTEI DA MATERIA, SEMPRE PROCURO MATERIAS SOBRE BLOCOS CARICATOS, ABRAÇO.

  15. marco antonio

    Por acaso entrei neste site, falando dos blocos caricatos de BH. Durante dez anos desfilei no melhor bloco de BH ” Os Bocas Brancas da Floresta, me desculpem os demais. Fui seu último presidente e seu último desfile foi em 1968. Anos depois no centenário de BH 1997, fomos convidados para ir a festa Pré-carnavalesca- Feijoada do Lopes, organizada pelo Jornalista José Lopes o sucesso foi tanto que voltamos nos dois anos seguintes.
    A turma já a maioria de cabeças brancas ou carecas, não tinham perdido o ritmo.
    Quantas saudades, quantos amigos já não estão mais nesta dimensão.
    Hoje,morando em Cabo Frio, ainda guardo com muito carinho a famosa Palheta, a camisa tricolor, as luvas brancas e as meias pretas que cobríamos os braços.
    Se alguém daquela época ainda estiver por aqui, entre em contato-

    • Edgard Pedroso

      Prezadissimo Marco Antonio

      Você residiu na Rua Varginha – na subidinha – ali após a Pouso Alegre – trabalhamos numa época na Fosfértil.
      João Marques de Vasconcelos como presidente.
      Ainda lembra ?

      Ainda tenho LUVAS – MEIAS PRETAS que enfiávamos nos braços e o que julgo ser PRINCIPAL – A CAMISA.
      Onde o encontro ?????????????

      Sou de sua época – aquela de ouro que brindou o BLOCO BOCAS BRANCAS DA FLORESTA – quando ganhávamos quase todos os desfiles da Afonso Pena – êta época de ouro e de lembranças inesquecíveis -.
      Ensaios, muitos deles alí na Itajubá com Salinas e pelas redondezas da Floresta.
      E o POPOCA – o saudoso do SURDÃO –
      Desfile memorável aquele em que saimos da área da Rodoviária – com aquela SCANIA –
      E as participações – antes dos desfiles – com o samba bem tocado e cantado na Rua da Bahia – mais precisamente na Gruta Metrópole -
      As roupas, trocávamos na casa do CHARLES (outro membro) morador daquele prédio da Sapataria Americana (Afonso pena com Tupinambás), etc……etc……..

      • Edgard Pedroso

        ESQUECI – AS LUVAS BRANCAS TAMBÉM

        Edgard

    • Edgard

      Fala MARCO ANTONIO

      Tudo bem contigo por aí no Cabo Frio?
      Tamos na luta aqui no BH.
      Cada vez que passo pela Floresta, não esqueço nunca do saudoso Bocas Brancas.
      Sou originário do IAPI – onde tinhamos diversos componentes -
      Vou muito por lá.
      Mande uma forma de contato.
      Abraços.
      Edgard

  16. José de Paula M Alves

    Dentre outros “saí” no Cacarecos da Barroca e Diplomatas de Brasília. 1964, 65, 66. Saudades de um carnaval verdadeiro e honesto. Se alguém tiver fotos destes dois blocos que publiquem.

  17. verly

    Fico feliz de tanta gente valorizar meus escritos.
    Muito obrigado, mesmo.

  18. Elizabeth Campos

    Túlio Pereira, também sou amante dos Cacarecos de Santa Efigênia! Desfilei apenas um ano, o suficiente para aumentar ainda mais minha adoração pelo Bloco. Sonho com o retorno desse bloco, que fez parte da minha infância e adolescência.

    • Túlio Pereira

      Você conheceu a Ariana? estudava no Tiradentes.Ela saia no Cacarecos. Pois é…eu comecei a gostar de samba por causa desse Bloco. Não perdia um desfile deles. Infelizmente acabou e não voltou mais. Para mim, O MELHOR. Tinha uma cadência espetacular.

  19. Medina

    Para os registros de blocos daquela época, tivemos o “Restos de Incêndio” da Barroca; “Foragidos da Lua” do Prado/Barroca os “Demônios do Calafate”. Bons tempos!

  20. CLAUDIO

    Ninguém se lembrou do “Gentleman da Savassi” e do “Malandros do Funcionários” do qual fui um dos fundadores.

  21. verly

    Fico feliz de iniciado este processo de levantamento que hoje me parece praticamente completo Se faltar vai ser um muito raro lá de Venda Nova DEMONIOS DA VILARINHO? OU COISA QUE O VALHA.

    parabéns A TODOS QUE PERMITIRAM FORMAR ESSE BELO ACERVO PARA A HISTÓRIA ,MOMESCA DE BH. VAMOS LEMBRAR DE ESCOLAS DE SAMBA COMO A Unidos da Brasilina”.

  22. Carlos Jorge

    Ah, como eram bons os carnavais antigos de Belo Horizonte. Eu morava no Santo Antônio, de onde saia o bloco caricato “Malandros do Santo Antônio”, que desfilava em cima de caminhão alugado. Desde setembro já tinha ensaio, do qual toda a comunidade participava. Era muita batucada e o interessante que ninguém reclamava do barulho, Todos se fantasiavam desde então até o carnaval. e não era so isso, na páscoa tinha malhação de judas e desfile com ele , um boneco de pano, jornal e muita bomba, até horas antes da malhação, quando era lido o testamento do judas. Depois tinha também no carnaval a Avenida Afonso Pena e os bailes de rua, no Minas e no Makenzie. era ótimo, pena que acabou. Depois vieram os invasores do Santo Antônio, outro ótimo bloco caricato.

  23. GILBERTO SANTOS

    Putsgrila, esqueceram de citar os AFLITOS DO ANCHIETA, BOCAS NEGRAS DA SAGRADA FAMÍLIA, SENSÍVEIS DA BARROCA, PIRATAS DA PEDRO II, DEMÔNIOS DO CALAFATE, GALÃS DO RITMO DO HORTO. O meu favorito era o MULATOS DO CARLOS PRATES que o BETÔ citou e agora é MULATOS DO SAMBA e se der eu desfilo lá em 2016.

  24. verly

    Que bom acrescentar lembranças. Muito obrigado

    • Marcio

      Ninguém falou do Bar do Bodão(São Paulo esquina de Av. Bias Fortes, era ali que as Domésticas de Lourdes se reuniam antes de sair.

  25. Paulo Resende

    Eu ensaiei em um Bloco do Bairro Esplanada, que desfilava de calça branca e camisas listradas de cores alaranjada,vermelha, amarelo e branca. Não consigo lembrar o nome e no dia do desfile, choveu muito e o presidente, não autorizou que menores subissem ao caminhão por que seria perigoso. Tocava tamborim e os ensaios eram próximo da parada do trem Esplanada.

  26. Paulo Resende

    O bloco se chamava Os Maloqueiros e tinha rivalidade com OS INOCENTES de Santa TEREZA.

  27. Túlio Pereira

    Brasileiro não tem o devido respeito, cuidado com o que presta…com o que é belo. Aqui em BH, deveriam ter tido o cuidado de guardarem seja como fosse, momentos dos Blocos Caricatos desde o início dos anos 70 para que todos pudessem ver como era espetacular o carnaval de rua em BH. POREM, IGNORANTES NÃO SOUBERAM PRESERVAR E GUARDAR tal movimento e deixaram ir para o bueiro nossa tradição. No Nordeste, vemos que até hoje eles desfilam seus bonecos que vem de anos e anos atrás. Porque é cultura é belo. Aqui em BH, OS RESPONSÁVEIS PELOS DESFILES ( prefeitura ou seja lá quem for)tomam cuidados é com a corrupção, guardam piratas como arquivos do bem e vai por aí…

  28. Marcelo Caio

    Fiquei emocionado ao ler ai em cima a respeito dos antigos carnavais em Belo Horizonte e relato sobre o bloco Caricato Malandros do Santo Antônio, que desde setembro já começava seus ensaios na Rua Congonhas com Rua Carangola, logo acima da antiga Fafich. Tudo isso envolvia a comunidade e realmente ninguém reclamava do barulho, até pelo contrário, o incentivavam. Eram comuns os meninos e adolescentes se fantasiarem; eram muitas as brincadeiras nas ruas Congonhas com Carangola e Leopoldina e até próximo da Rua Viçosa, isto é, no Mackenzie. Na páscoa acontecia a malhação de judas, com o mesmo entusiasmo, essa malhação acontecia nas adjacencias do Grupo Escolar João Pessoa. Quanta saudade, pena que tudo ficou no passado. As ruas eram movimentadas por pessoas, não por carros, ali todos os meninos e adolescentes se encontravam para brincar, jogar botão, fazer serenatas, músicas, teatro de rua, etc. Hoje não se vê mais isso, ninguém fica na Rua. Muito mudou o Santo Antônio, mas muitos de seus antigos prédios, todos pequenos, e casas antigas, AINDA PERMANECEM POR LÁ, A ESPERA DE DEMOLIÇÃO, QUE PENA….

  29. JOSE LUCIO P.GERALDI

    Também tenho saudades dos antigoS carnavais de BH, minha terra natal e de onde vim para o Rio, já formado em engenharia. Nos anos 60, morando no Bairro de Lourdes, frequentava o Bar do Almir no Autotex, a Padaria de Lourdes, o Bar do Bodão e….naturalmente, saí no Domésticas de Lourdes.
    Acho que o famoso Bloco já existia desde os anos 50, mas foram os jovens do Bairro que o tornaram um dos mais famosos de BH. Uma delícia de farra.
    Alguém se lembra do ano de fundação do Domésticas???
    Aos 70 anos, com muitas saudades, uma abraço do Zé.

    • Nilton Gonzaga de Carvalho

      Gostei imensamente de todos os comentários e gostaria de acrescentar que além dos blocos citados também tivemos outros que não tiveram vida muito longa mas brilharam nos desfiles. Moicanos da Floresta(onde desfilei durante uns quatro anos) Corsários do Samba, Estivadores do Havaí, Lampião Rei do Cangaço(que só saiu um ano)e outros que me foge da memória. Enfim foi bom ler e relembrar momentos marcantes do carnaval de BH.

  30. Jose Magela Tavares

    Sou de Poços de Caldas sempre o bloco domesticas de lourdes desfilavam aqui na minha cidade bons tempos e bons carvanavais gostaria se alguem ai tem a foto deste bloco em cores e pudesse enviar neste email desde ja agradeço e parabèns a todos pelas materias abraços

  31. Gladstone

    Querida velharada. kkkkk Saudades. Este é o sentimento que tive ao dar uma busca pelo nome dos Bocas Brancas e ler aqui tantos depoimentos de integrantes de outros blocos e alguns do nosso. Fui levado aos Bocas Brancas pelo Walfrido e seu irmão Nelsinho, amigos até esta data, mesmo distantes, já que moro em Jundiaí – SP. Depois do último desfile na Afonso Pena, quando um de nossos integrantes que havia servido no Canal de Suez, não me recordo o nome mas acho que era Zú, desfilou com um cachorro enorme e fez o maior sucesso com a garotada. Assim éramos nós, alegria contagiante e samba de 1a. Depois desta época desfilei nos Inocentes de Santa Tereza e hoje só curto este tipo de espetáculo pela TV, sinal da idade que teima em me cutucar. Deixo aqui um abraço a todos os integrantes dos Bocas Brancas e demais blocos da minha querida BH.

  32. J. Alcantara

    Senhores e Senhoras..
    Como ex morador do Bairro Calafate, não poderia deixar em branco os nomes de nossos blocos nos anos de 60:
    Demonios do Calafate e Os Crockets, que juntos aos outros blocos faziam uma festa na Av. Afonso Pena..
    Hoje moro longe, mas no tempo de carnaval meus pensamentos e coração ficam com o Calafate.
    Felicidades.

  33. MARCO ANTONIO

    Meus caros, saudações carnavalescas, algum tempo atrás entrei neste site e falei de minha saudade da época dos Bocas Brancas. Com alegria vi a resposta do Edgard, do Gladstone que fala de Walfrido e seu irmão.
    Eu me pergunto quantos ainda estão por aqui. Este ano, depois de quase vinte anos, passei a terça feira de carnaval em Belo Horizonte e me surpreendi com o carnaval de rua de BH.
    E meus amigos, não podia deixar passar em branco. Como tenho ainda toda a fantasia do Bloco Bocas Brancas da Floresta, a vesti, pintei o rosto fiz a boca branca e fui “matar a saudade”. Eu e o Pascoal. Entramos em um Bloco na Praça da Liberdade – Magnatas do Samba. Que receptividade, os mais velhos se lembravam, os mais novos elogiavam a fantasia. Matei a saudade. Nunca fui tão fotografado. Espero que em 2017 tenha saúde e disposição para estar em BH novamente. Eu que sou amante do carnaval, fico feliz em ver que BH tem carnaval novamente. Se uma nova geração quiser reviver o Bloco de forma séria entre em contato.

    • EDGARD

      Olá Marco Antonio

      Que beleza !!!
      Esteve no BH durante o carnaval e matou a saudade do BOCAS BRANCAS vestindo aquela indumentária de dar orgulho a todos
      que dele participaram.
      Se soubesse (!!!) – que pena – poderia estar por lá também.
      Quem dera, um dia, o BLOCO voltar a ser formado e poder desfilar pelas ruas da BH – poderiamos agitar hein ? O que acha tornar REALIDADE esta idéia ????
      A “camisa”, assim como os apetrechos das indumentária estão bem guardados comigo.
      A “CAMISA” ENTÃO, É UMA HONRA PRESERVÁ-LA.
      Na época em que sai pela primeira vez fui resgatá-la de um ex-componente que residia lá no BAIRRO DOM CABRAL (atrás da PUC COREU – naquela época dos idos de 60 – que lugar longe !!! – o acesso era horroroso e uma chuvarada danada quando fui até lá – era barro pra todo lado).
      Enfim, quando coloquei “aquele manto sagrado” pude perceber o quanto de seu VALOR e o quanto representava para a população da Floresta e do BH em geral aquele famoso bloco.
      E o carnaval do Clube Belo Horizonte (Rua da Bahia com Álvares Cabral – em cima do Cine Guarani – que maravilha).
      Após desfilarmos na Afonso Pena íamos prá lá animar aquele famoso CARNÁ.

      Abração.
      Edgard

  34. SANDRA BICALHO

    NOSSA…SAUDADES DOS BLOCOS CARICATOS DE BELO HORIZONTE.
    AQUI NO BARRO PRETO TINHA O ” HIPPIES DO BARRO PRETO “.ADORAVA IR NOS ENSAIOS E VER O DESFILE EM CAMINHÕES ALUGADOS QUE NÓS, AS AMIGAS, DECORAVAMOS.

  35. carlos barbosa

    O bairro Floresta foi berço de grandes blocos caricatos. A começar pelo Bocas Brancas. Sou da época de seus fundadores, Renato “Pastelito” Roland e Ildeu Bernucci, Manaica, Silvio e depois vieram outros florestinos como Roque, Meurer, Biaggio, Walfrido, Maurício Tunis, Roque, Muquichera e muitos outros, até que um conhecido e falecido radialista acabou com o bloco.Tambem eram do bairro, Os Coloreds, Imigrantes da Abissínia, Os Tangarás e Corsários do Samba. Bons tempos.

  36. Túlio Pereira

    Já estamos em 2016 e nossos comentários fazem 4 anos…e aí, continuo com minhas saudades do verdadeiro desfile que era nos anos 70.Em plena era dos anos 2000, piorou porque não dão valor para os blocos e escolas e aí, fica difícil botarem para desfilar como gostariam todos. Políticos, empresários, pefeitura bem que poderiam revolucionar esses desfiles dos blocos e escola com ajuda bem melhor. Quem vem de fora e tenta ajudar, vendo a simplicidade de mais, desanima. POR SÃO HERÓIOS OS PRESIDENTES DOS BLOCOS E ESCOLAS.

  37. Olá pessoal.
    Sou belo-horizontino da gema e apaixonado por esta cidade.
    Nasci e fui criado no edifício Teodoro, que fica na esquina de Afonso Pena com Tupinambás, em cima do tradicionalíssimo Café Palhares.
    Nem precisa dizer que era fã dos blocos caricatos. Afinal, os “scanias” e “fenemês” com seus integrantes devidamente caracterizados passavam bem em frente ao prédio onde morava.
    Na época eu tinha meus 6 ou 7 anos, mas me lembro vivamente daqueles tempos.
    Saudades!!!
    Depois cresci, me formei e me casei, mas nunca sai desta cidade maravilhosa.
    A propósito, publiquei uma foto dos “Bocas Brancas da Floresta” em meu blog e gostaria de citar o autor.
    Algum de vocês sabe quem é?
    O endereço para acessar o artigo é:
    http://caminhada.org/2015/08/28/ate-pegar-o-jeito/
    Saudações a todos!!!

  38. Eduardo Storry Santos

    Pena n terem publicados alguma foto das Domésticas de Lourdes

  39. Pablo Augusto

    Fiz uma bela viagem ao tempo, lendo os comentários dessa bela matéria! Queria muito viver esse tempo. Mas infelizmente nasci na época errada. Gosto muito de carnaval e espero que um dia o carnaval de BH volta aos anos de ouros! Esse pessoal da “antiga” bem que poderia volta a ativa com esses blocos caricatos que fazem parte dá história de BH.

  40. Túlio Pereira

    Atualmente, desfilo na bateria da Acadêmicos de Venda Nova E SOMOS PENTA CAMPEÕES do carnaval de BH. A VENENOSA, como é conhecida abateria, faz o asfalto da Afonso Pena tremer. Uma Escola de samba espetacular. A família Gonçalves, fundadora da Escola, não é deste mundo de tão legal cada um deles. Na Feijoada do Maranhão realizada neste ano de 2017 no Minas II, FIZEMOS UM SHOW com nossa apresentação e muitos ficaram de queixo caídos pela nossa cadência e o restante da apresentação da Escola. Conheçam e surpreendam com os ensaios lá no bairro São João Batista.

Deixe um comentário