Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Há vagas!

Publicado por Carlos Scheid em Religião
data: 11/09/2018

Há vagas!

Foto: Intelliplan

Passando na entrada de uma fábrica, li a estranha placa: “Temos vagas. Preferência para cristãos”.

Na volta, reli o anúncio e resolvi parar e procurar pelo gerente. Fui bem recebido e lhe perguntei o motivo da “preferência”. A empresa estava ligada a alguma organização religiosa? Por que motivo preferiam cristãos como empregados.

O gerente sorriu. Disse que não pertenciam a nenhuma religião, mas era de fato uma corporação multinacional. E explicou:

- Com o tempo, nós observamos que os operários cristãos destoavam do conjunto dos empregados. O cristão é mais pontual, só falta ao trabalho por motivos sérios. O cristão não costuma ficar enrolando, matando tempo. Ao contrário, se termina sua tarefa, ajuda os companheiros em trabalhos que não teria obrigação de realizar.

O gerente deve ter lido minha cara de surpresa e prosseguiu:

- Tem mais: nas equipes de trabalho formadas por não cristãos, é comum a disputa pelo poder, a formação de partidos, chegando mesmo a sabotar o trabalho dos colegas para ocuparem o posto deles. Frequentemente há desencontros, maledicência, acusações mútuas. Já nas equipes de cristãos é alto o nível de colaboração, são raríssimas as discussões e desentendimentos.

- E não é só isso – continuou o gerente. Enquanto o operário comum vive se queixando de seus salários, os cristãos se declaram contentes com sua remuneração. É por tudo isso que estamos dando preferência a funcionários que fazem parte de alguma denominação cristã. No fundo, somos pragmáticos e visamos aos interesses da empresa. Dá para entender?

* * *

Claro que dá para entender. Pena que isto seja uma página de ficção. Não veremos a tal placa em lugar algum. Mas deveríamos ver! Se os que se dizem cristãos vivessem de fato o Evangelho, eles seriam os preferidos em todos os cantos. Como seguidores do Evangelho, estariam praticando aquelas virtudes recomendadas pelo apóstolo Paulo aos fiéis da Galácia: alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, lealdade, mansidão, domínio próprio (cf. Gl 5,22).

Ou aquelas recomendações que Paulo faz aos cristãos de Éfeso: nada de palavrões ou conversas tolas, nem de piadas de mau gosto (cf. Ef 5,4). E ainda os conselhos dados aos fiéis de Colossos: suportai-vos uns aos outros e, se um tiver motivo de queixa contra o outro, perdoai-vos mutuamente (cf. Cl 3,13).

Ora, quando um trabalhador que se diz cristão comporta-se, na prática, como um pagão qualquer, ele se nivela ao progressivo nível de barbárie reinante na sociedade e… deixa de ter a “preferência” que poderia ter.

E, uma vez nivelados, compartilham todos das mesmas conhecidas virtudes capitalistas: ambição, individualismo, ânsia de sucesso, competição, indiferença pelo outro, insatisfação e mau humor.

Não admira que o local de trabalho se transforme em uma filial do inferno! Já vão praticando as “virtudes” que os levarão ao inferno definitivo…

Sucesso!

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Religião

Carlos Scheid -
Deixe um comentário