Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Ser matuto vem do berço

Publicado por Sol Assis em Crônicas
data: 15/12/2009

Ser matuto vem do berço

Gabriel Trilíngue

Meu neto Gabriel aos 5 anos de idade passou 45 dias na França e voltou de lá se sentindo todo importante, depois te ter aprendido meia dúzia de palavras em francês.

Logo que chegou a Belo Horizonte saiu para passear com duas primas e, no Shopping onde foram, ocuparam uma mesa ao lado de uma menina que, acompanhada do pai e da mãe, conversava com eles em inglês.

Gabriel vendo as primas admiradas escutarem a menina, não se deu por achado e foi logo querendo aparecer: “Você sabe falar francês?”.

A menina virou-se toda senhora de si e respondeu: “Eu falo três línguas: francês, inglês e português.

Ele não entregou os pontos e já foi logo completando: ”Eu também falo três línguas: francês, português e japonês“. Sem dar tempo da menina pedir alguma frase em japonês ele completou: “Só que japonês é muito difícil e não falo porque você não vai entender nada”.

Enrolar se aprende de criança

Gabriel logo que descobriu que dinheiro pode comprar todas as guloseimas que ele gosta, foi aprendendo todas as formas de pedir dinheiro. Quando dizíamos que não tínhamos dinheiro, ele perguntava se tínhamos cheque, pois descobrira que cheque também era dinheiro.

Qual não foi a nossa surpresa, quando um dia ele já acordou perguntando ao meu marido: “Vovô, você gosta de troco?” Meu marido, entendendo que se tratava das moedas que Gabriel sempre ganhava, respondeu na hora que gostava. Gabriel, esperto como sempre, foi logo pedindo: “Vovô, me dá dez reais que eu vou comprar uma revistinha na banca e te dou o troco”.

Nem mentiu nem falou a idade

Vladimir, meu filho, tinha seis anos quando íamos viajar de ônibus para o interior. Eu que não tinha dinheiro para pagar a passagem dele, resolvi então diminuir a sua idade, para não ter que pagar. Lá em casa, eu sempre tentava passar para todos o quanto é bom ser honesto, só dizer a verdade, etc. Neste dia, Vladimir, que não aprendeu e não gostava de mentiras, mas ao mesmo tempo queria viajar, ao ser interpelado pelo trocador, que lhe perguntou a idade, foi logo respondendo: “Adivinha!”.

Na volta, Vladimir já foi sentando e logo começou a ler: “É proibido conversar com o motorista, lotação 49 passageiros“. Lia tão fluentemente que um outro trocador, achando estranho um menino de quatro anos ler tão bem, olhou para ele desconfiado. Vladimir, sentindo a desconfiança do trocador, já foi logo dizendo: “Você nunca viu um menino da minha idade ler não?“. Assim ele nem mentiu nem falou a idade.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas

Sol Assis - Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
Deixe um comentário