Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Levi Campos

Publicado por Sebastião Verly em Personalidades
data: 19/11/2010

Levi Campos

Para completar a história dos filhos varões de meu tio Xisto, hoje escrevo sobre meu primo Levi Campos. Sua história é a história da modernização da administração pública e da economia de Pompéu, cidade onde nasceu aos 8 de julho de 1919. Era o mais velho dos filhos do então tradicional e conhecido comerciante Xisto de Oliveira Campos e de Dª. Francisca de Oliveira. Cursou apenas as quatro séries primárias no Grupo Escolar Dr. Jacinto Campos e logo dedicou-se à atividade comercial.

Já no início de sua vida demonstrou seu espírito empreendedor, que foi uma marca em sua vida. Foi um dos sócios proprietários da fábrica de manteiga Thomaz Campos & Cia que produzia as manteigas “Jussara e Jarina”, de qualidade reconhecida, que era exportada para outros estados e para alguns países da Europa. Participou da criação da primeira transportadora de cargas do oeste mineiro.

Casou-se aos 25 anos com Colinete Corrêa Campos e tiveram 07 filhos: Eneida, Maria Haidée, Elaine, Ana Nilce, Maria Amélia, Afonso Carlos e Elizabete. Apesar de ter cursado apenas o primário, estava predestinado a ser um grande líder. Tinha a leitura por hábito e fazia-a no escritório de sua casa até altas horas da noite, tornando-se por isto autodidata em vários assuntos. Tinha por sua terra uma verdadeira paixão e grande idealismo para a solução dos problemas locais. Com a disposição e dedicação à vida pública, foi vereador por duas legislaturas de 1947 a 1951 e de 1955 a 1959 (em uma delas o mais votado) e prefeito municipal na gestão 1962 a 1965. Não abria mão de ouvir religiosamente o programa radiofônico oficial “A Voz do Brasil” todos os dias, inclusive em sua fazenda onde tinha um rádio alimentado por bateria automotiva.

A partir de então, pôde demonstrar todo o seu carisma e sua habilidade política, interrompendo através de seu partido, a União Democrática Nacional, UDN, o continuísmo do governista Partido Social Democrático, PSD, que vinha de muitos anos. Assumindo o governo, mostrou uma das suas principais virtudes, o espírito imbatível e a natureza conciliatória, fazendo uma administração supra partidária, em que colocou a seu lado os antigos opositores. A partir de sua gestão, marcou-se uma nova era em Pompéu, iniciando novo ciclo de desenvolvimento. Quando ocorria de um grupo de estudantes rebeldes sair de madrugada fazendo pixações pela cidade, ele era avisado, saía em sua camionete “Rural Willys” atrás dos contestadores, e, ao invés de ameaçar ou reprimir, passava o resto da noite confrontando as idéias.

Dentre as principais obras da gestão Levi Campos, pode-se ressaltar a criação do Departamento de Educação Rural, do Ginásio Estadual de Pompéu, que funcionava no turno da manhã no prédio do antigo Grupo Escolar e hoje Escola Estadual Dr. Jacinto Campos, que passou por ampla reforma. O ginásio abrangia o que hoje são as séries de 4ª à 8ª do 1º grau. Antes havia apenas o Ginásio Dona Joaquina, particular, que acabou se tornando uma Escola Técnica de Comércio do 2ª grau. Com o desenvolvimento da cidade logo surgiu outra escola de 5ª à 8ª séries, o Instituto Ruth Grassi. Criou e construiu também nas periferias da cidade os Grupos Escolares (hoje Escolas Estaduais) Francisca de Oliveira, que recebeu o nome de sua mãe, Antônio da Palmira, o qual deixou em fase de acabamento e José Maria de Carvalho, que depois ganhou novo prédio. Construiu o prédio próprio do Posto de Saúde Mário Campos, reestruturou e iniciou a construção do prédio próprio da Santa Casa de Misericórdia, empenhou-se para a instalação no município do escritório da ACAR (hoje EMATER), da agência autônoma da Caixa Econômica Estadual, encarregada de orientar e financiar a agricultura e pecuária.

Deve se também a seu empreendedorismo a construção, manutenção e reforma das estradas municipais de maior trânsito, o calçamento poliédrico da área central e renovação da arborização da cidade, a construção das praças públicas ajardinadas, com projetos paisagísticos onde antes eram apenas pastos e “campinhos” de futebol, quais sejam Presidente Kennedy (que hoje tem o seu nome), Governador Valadares e Governador Magalhães Pinto (hoje Leonardo Campos). Também foi de sua iniciativa a construção de mais dois poços artesianos para resolver o crônico problema do abastecimento de água da cidade, a aquisição do terreno e início da obra do Aeroporto Tenente Xavier, o planejamento e aquisição do terreno da Praça de Esportes José Maria Álvares da Silva.

O que mais me impressionou em Levi, enquanto prefeito foi o compromisso com o social, mostrado principalmente na universalização da educação rural e do atendimento ambulatorial e hospitalar, mas também na sua postura à frente da máquina pública municipal, muito mais de líder que de gerente, conseguindo o envolvimento profundo de seus comandados de quem destacava o compromisso de servidores públicos.

Além de prefeito, participou ativamente de todos os fatos que marcaram o desenvolvimento de Pompéu, sendo presidente da Companhia Força e Luz de Pompéu, e seu maior acionista privado, presidente da Companhia Telefônica e Provedor da Santa Casa de Misericórdia, entre outras iniciativas. Afastando-se da vida pública, tornou-se um dos modelos de agro-pecuarista da região, tendo como um dos últimos atos de sua vida a formação da Empresa Cacique Agropecuária Comércio e Indústria Ltda, que deixou para os filhos. Morreu precocemente aos 59 anos de idade, deixando um vazio em todos aqueles que o conheceram.

Levi era, desde muito jovem, um político ousado e inflamado, combativo e corajoso. Seguia com naturalidade os passos de seu líder, Carlos Lacerda, da UDN nacional, chegando a ser chamado de “O Carlos Lacerda de Pompéu”. Levi era um nome admirado por toda a população da cidade, e respeitado pelos seus mais ferrenhos adversários. Era também um conselheiro acatado e orientava os companheiros de partido, os quais sempre seguiam suas orientações. Exímio orador, expunha suas idéias com clareza, voz firme e decidida. Procurava informar-se bem e tinha posições bem definidas quantos aos problemas locais, estaduais e nacionais. Dono de uma cultura geral bem ampla, adorava encontrar interlocutores cultos com quem discorria horas e horas sobre os mais diversos assuntos.

Sempre tive muitos contados com Levi, especialmente, no período em que trabalhei na “venda” de seu irmão caçula, o Lili. Naquela época, eu me encantava com sua simplicidade para conversar sobre os assuntos do dia a dia. Falava dos negócios, de sua fazenda e das lidas agrícolas em geral. Foi um dos difusores do capim Brachiaria, que substituiu os capins tradicionais de rendimento mais baixo, e trouxe a inovação de “formar pastos”, ao invés de se limitar às pastagens naturais. A “venda” onde eu trabalhava, que ficava ao lado da casa do meu tio Xisto, pai dos meus três primos, era a arena privilegiada para os acalorados debates entre Levi, o mais velho dos irmãos, que era udenista e lacerdista e Tunico, o irmão do meio, que era brizolista. Meu tio Xisto sempre vinha por panos quentes quando o tom de voz exacerbava.

No Levi me impressionava o empreendedorismo principalmente na vida pública. A construção da nova estrada ligando Pompéu à antiga BR 7, atual 040, a então MG-153, hoje MG-420, com uma ponte de 124 metros de comprimento sobre o Rio Paraopeba, deve ser totalmente creditada a seus esforços juntos às lideranças estaduais. Em todos os grandes eventos da cidade tinha participação efetiva e sempre conseguia trazer lideranças políticas estaduais e nacionais. Além da mencionada Fábrica de Manteiga, destacou-se na construção do Fórum, que foi uma dádiva da população ao governo do Estado e na constituição da Companhia Força e Luz de Pompéu junto com seus irmãos Tunico e Lili, que já mereceram nossas crônicas neste portal.

Na inauguração do Fórum Judicial, o prefeito era do PSD, mas o pessoal da UDN fez as honras da casa ao Governador Milton Campos que viajou para Pompéu, em junho de 1950, prestigiando seus correligionários. Lembro-me que, aos 24 anos de idade, eu viajava de Dores do Indaiá para Belo Horizonte em companhia do então deputado Oscar Dias Correia: quando eu lhe disse que era primo do Levi, passei a maior parte do tempo ouvindo elogios às suas habilidades de articulador político. De outra feita, em pleno Regime Militar, preso no famigerado Departamento de Ordem Política e Social, o DOPS, ao ser interrogado pelo delegado Fábio Bandeira de Figueiredo, quando eu disse que era primo do Levi passou a tratar-me de forma respeitosa.

Levi era muito querido e respeitado. Não poderíamos esquecer-nos de seu entusiasmo futebolístico com o CAP, o Clube Atlético Pompeano. Poucos sabem que Levi, bem nos idos dos anos de 1950, jovialmente encantava os pompeanos com sua narração esportiva dos jogos do seu time querido. Há alguns anos, Levi recebeu um busto na praça principal da cidade, à qual já oferecia seu nome.

Last but not list, ou seja, por último, mas não por ser menos importante, houve um episódio muito engraçado envolvendo o meu primo Levi. A Cooperativa dos Produtores Rurais de Pompéu, da qual fazia parte, sempre esteve entre os quatro maiores acionistas da CCPR, a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais, atual Itambé, que hoje é o maior laticínio de capital nacional. Representando os produtores de Pompéu certa feita contam que o Levi compareceu a uma reunião da CCPR, na qual estava presente o então presidente da FAEMG, Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais, o reacionaríssimo Josafá Macedo. Levi fez uso da palavra para criticar a substituição da tradicional coalhada pelo recém lançado yogurt, na pauta de produtos da CCPR. Contam que a reação do Josafá foi a de dizer que o discurso do meu primo era a prova de que a agitação comunista havia conseguido se infiltrar na maior cooperativa de produtores rurais do Brasil.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Personalidades

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
7 Comentários
  1. Maria de Lourdes Campos

    Olá Sebastião,
    Não tive a honra de conhecer apesar de sermos parentes. Sou uma das filhas do segundo casamento de Xisto de Oliveira campos. Encontrei os seus textos por acaso ao entrar no blog do Experidião. Estou impressionada com a riqueza dos detalhes narrados.
    Por meio de seus textos recordo saudosa os tempos em que morei em Pompéu e, também, de meus irmãos, Tônico e Levi, que sempre nos deram um apoio incondicional enquanto estavam entre nós.
    Um grande abraço,
    Maria de Lourdes Campos
    Parabéns!

  2. Armando Campos

    Meu caro parente: A Chica do Xisto era prima em primeiro grau de minha mãe, conhecida em Pompéu como Joana Ambrósia, da Chácara da Rua dos Cristos. Sou filho dela do segundo casamento com o conhecido Luiz Paulo, meu velho pai. A alcunha Joana Ambrósia vem do primeiro casamento, com o conhecido comerciante de Pompéu, João Ambrósio, também seu primo irmão. Todos seus parentes bem próximos. Por isso sou seu parente bem de perto.
    Quero parabenizá-lo pela página bem escrita, cujo texto merece estar estampado em livro, pois seu estilo, como de resto o estilo literário de todos os que têm o seu sangue, é primoroso, claro e objetivo e, sobretudo, verdadeiro, pois conheci quase como irmão o bondoso Levi Campos, compreensivo, patriota, bairrista pompeano de boa cepa, e inteligente político que só honrou nossa gente, nossa geração. Vivo hoje longe da terrinha, mas estou sempre de antena ligada a tudo que nos diz respeito, pois quem não honra as suas origens não merece ser chamado de pompeano. Tenho muito orgulho de ser seu conterrâneo e parente. Escreva mais, faça como eu, publique seus escritos em livro e eternize o honrado nome que herdou do velho Inácio de Oliveira Campos, marido da matrona Joaquina de Pompéu.Temos muito de que nos orgulhar. Registre isso e outras memórias, em livro, que por certo será de grande sucesso. Parabéns.

  3. Sebastião Verly

    Armando,
    Sou irmão da Dilce e vivia na casa vizinha à sua ali n”Os Cristos”. Fomos muito amigos, você, Paulo, Zé da Prata e Louro mais do que o Lado, o Toca, o Luizinho e a Silvia. Do primeiro casamento só conheci de vista, o Adão e de muito ouvir falar da Síria mãe da Criola e do Zé Patão. Num dos meus textos aqui publicado falo da Dona Joana com quem tantas vezes troquei fubá. Conto do engenho, do monjolo, do moinho e de como ela educava os filhos.
    Lembro-me de uma conversa com o Lourival que mencionarei em breve. Muito prazer po esse novo contato. Tião do Gonde

  4. antonio carlos LOCÔ

    Parabéns conterrâneo, escreveu bem sobre uns dos mais ilustres pompeanos. Sobre Levi Campos gosto de ouvir para não ser suspeito, pois além do melhor amigo de meu querido pai é meu padrinho e tio pelo casamento. Obrigado, pelo que me compete agradecer.

  5. Caro Tião,
    Nesta quinta-feira, 30 de dezembro, serão homenageados todos os ex-prefeitos de Pompéu, com a inauguração, na Prefeitura Municipal, da Galeria dos ex-Prefeitos. Você, que além de brilhante contista e cronista é também, hoje, um dos principais registradores da história contemporânea de nossa Pompéu, daria à festa um significado todo especial, através de sua presença. E, evidentemente, um dos homenageados será o nosso querido Levi Campos.
    Tive, felizmente, o privilégio de conviver bem de perto com o Levi, e comprovar todas as qualidades que você muito bem relata e retrata: sua brilhante Inteligência e sua personalidade irrequieta, inovadora e dinâmica.
    Inúmeras foram as vezes que tive a oportunidade de presenciar a participação de Levi Campos em reuniões e assembléias de estudantes, na então nascente APES, fundada pelo não menos saudoso Alberto Carlos de Lacerda Campos. Na época, eu era presidente da COPEA (Comissão Pompeana de Estudos e Ação), uma entidade formada por estudantes de segundo grau e universitários pompeanos residentes em Belo Horizonte. E poucas não foram as vezes, que fomos convocados pelo Levi para dar nossa pequena colaboração na solução de problemas. De certa feita, quando ocorreu um grande conflito entre a comunidade e as tropas de reforço policial recém chegadas de Bom Despacho, fomos convocados pelo Levi para promover a mediação. E, como sempre, ele colocou a nossa disposição a sua Rural Willys de listas verdes, dirigida pelo seu “braço direito” e grande amigo, Maurílio Alves de Sousa. De outra feita, solicitou-nos que organizasse uma campanha para arrecadar fundos para adquirir o terreno onde é hoje a praça de esportes. E mais uma vez sua Rural Willys era colocada à disposição, e depois da campanha conseguimos levantar 4.000 cruzeiros, que era o preço do terreno estipulado pela proprietária Dª Tereza Álvares de Oliveira.
    Seu espírito empreendedor, como você muito bem relata, tive também a oportunidade de vivenciar de perto. Quando planejei montar minha empresa de calcário agrícola, mas não havia energia elétrica na fazenda de meu sogro Hélio Lacerda, Levi apressou-se em tentar me socorrer oferecendo-me uma grande área de terra, de sua propriedade, junto à cidade, às margens da rodovia, que, após estudos de viabilidade, declinei de aceitar, pois teria, de qualquer forma, buscar a matéria prima na fazenda. E quando a empresa foi inaugurada, nossa primeira entrega de calcário foi para atender a um pedido de 200 toneladas para fazenda, sabe de quem? De Levi Campos!
    Poderíamos, prezado Tião, passar horas e escrever infindáveis páginas relatando fatos interessantes e também tristes de nosso querido Levi. E, um desses fatos tristes de que me lembro com frequência foi do dia do funeral de meu sogro, que também faleceu aos 59 anos. Era 31 de maio de 1979. Levi estava no velório, fazendo talvez uma das coisas de que ele mais gostasse: Agachado, encostado no murinho do jardim da casa, cercado por uma roda de amigos – inclusive eu – e enquanto cortava o fumo para fazer seu cigarro de palha e repetindo o seu tique de levantar os ombros e chegar a cabeça para a frente com se estivesse a ajeitar o colarinho da camisa, dizia orgulhoso: “Eu tenho 59 anos, e nunca fui a um médico”. Levi Campos faleceu, 30 dias depois, vítima de um infarto.
    P.S.
    Tião,
    O IRG (Instituto Ruth Grassi) que você cita, foi fundado por mim, juntamente com a Maria Verônica Castelo Branco e a Elizabeth de Campos Correa. Ele já nasceu grande, pois em seu primeiro dia de aulas já tinha todas as séries, desde o Jardim da Infância, passando pelos primeiro e segundo graus e inclusive curso de magistério e pré-vestibular, com 320 alunos. Foi uma revolução no ensino de Pompéu. Orgulho-me de ter sido seu primeiro diretor, com alguns de nossos alunos sendo até mesmo mais velhos do que nós.

  6. Antonio de Arimateia Alves

    Eu fui para Pompéu com 3 anos de idade, estudei no Grupo Escolar Jacinto Campos e depois no Grupo Francisca de Oliveira
    tive oportunidade de conhecer o grande prefeito Levi Campos, conheci o Joaquim, estudei, fiz o Ginasio Dona Joaquina
    os quatro anos na época, para mim esta cidade é como se eu estivesse nascido ai, hoje sou economista de nome no cenario internacional, trabalhei assessorando, bancos centrais de países do continente Africano, Oriente Médio, ex. Iraque, Síria, Líbia e outros antes fui gerente do BRB Brasilia e assessor no governo José Sarney, o meu ponta pé inicial foi em Pompéu gostaria que informasse se estes nomes de professores que tive em Pompéu se ainda estão entre nós, professor de matemática Aroldo e sua esposa Mirna, Dr. Hugo, Maria Cordeiro, Leia Cordeiro, Falena, Dalma, professor de Português José Xisto de Melo, Leia Cordeiro, estes professores foram nos anos 60 e 70 e joguei na época no infantil do CAP, e outros amigos desta cidade maravilhosa.

  7. Jussara Cardozo de Campos

    Olá Sebastião, sou neta de Joaquim de Oliveira Campos, mais conhecido em Pompeu como “Joaquim Jussara” por conta da manteiga Jussara e Jarina. Você chegou a conhecê-lo? Sabe de quem se trata? Ficaria muito agradecida se entrasse em contato. Obrigada!

Deixe um comentário