Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Atitude de Gratidão

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Psicologia
data: 26/11/2010

Buscamos a perfeição. Queremos receber. Nos é doloroso ser frustrados. Principalmente nas relações com as pessoas focalizamos freqüentemente os defeitos alheios. Somos autocomplacentes, mas queremos que os outros sejam impecáveis conosco: generosos, amorosos, justos, gratos, acessíveis, gentis. Muitas vezes ficamos indignados quando queixam de nossos defeitos: “Não é bem assim. Você não compreende como a minha vida é difícil, como eu já sofri neste mundo.“

O fato é que ninguém nos dará tudo que queremos receber dentro dos relacionamentos. Nos decepcionamos com nossos pais, com os filhos, com amigos e namorados, com patrões e colegas de trabalho. Ninguém é bom o bastante para satisfazer nossos desejos, para gratificar nossas necessidades, que sempre nos parecem mais urgentes e importantes que as alheias.

De certo modo freqüentemente permanecemos crianças. Queremos quem cuide de nós, nos proteja, nos dê prazer, alivie nossa solidão, nos compreenda e valorize, elogie muito e seja grato.

O problema é que a solidão dói. Estamos cercados por pessoas que nos decepcionam tanto, mas não queremos ficar sós. Será que é possível vermos aquilo que recebemos das pessoas e valorizar isto? É claro que existem pessoas que não nos dão nada, só querem sugar, agredir, desprezar. Deixemos estas entregues às mãos da Vida. Quando vemos um cão grande e feroz na rua, procuramos nos afastar com cautela. Com muitas pessoas esta é a melhor conduta.

Será que seremos capazes de demonstrar gratidão às pessoas que de um modo ou de outro nos ajudaram, nos apoiaram, foram compreensivas e generosas? Mesmo que tenha sido por pouco tempo, mesmo que depois ficaram inacessíveis e nos frustraram.

Sentir gratidão não é raro. Tenho um sentimento bom por alguém que me ajudou. Agradeço, digo a esta pessoa o quanto ela foi importante para mim, faço declarações de afeto, amor, bem querer. Este já é um pequeno começo. Bastante cômodo aliás…..

Alguém nos ajuda durante anos, ou muitos meses, ou mesmo semanas. Aí, comovidos, agradecemos, abraçamos e nos sentimos boas pessoas…..  Sentir gratidão é ótimo. Mas será que demonstrar gratidão é isto?

Atitude de gratidão é bem mais que sentimento de gratidão. E mil vezes mais raro…. Será que eu consigo retribuir aquilo que eu recebi de alguém?  Alguém me ajuda durante anos, meses ou semanas. Será que eu tenho a capacidade de retribuir em atos, atos que se prolongam durante anos, meses ou semanas? Atos nutridos pelo sentimento de gratidão, de boa vontade, com alegria. Não se trata de sentimento de culpa, sentir-se em dívida, pagar com sacrifício e senso de dever toda a dívida contraída. Isto já seria alguma coisa, poucos fazem mesmo isto….. Será que temos a leveza, a alegria de sermos capazes de retribuir a alguém que nos ajudou durante anos, com outros anos de atitudes de cuidado, proteção, zelo, ternura? Será que temos a capacidade de retribuir com amor e alegria aquilo que recebemos com amor?

Tive uma relação amorosa com alguém. Durante meses ou anos fui muito feliz com aquela pessoa. Amei e me senti amado, cresci e estimulei o crescimento do outro. Vivemos momentos lindos, nunca antes vividos. E um dia esta pessoa me abandona. Não me quer mais, por este ou aquele motivo, que me parece justo ou injusto. É claro que a perda é imensamente dolorosa. É claro que sentiremos raiva, tristeza, ressentimento. Mas serei capaz, depois de algum tempo, de olhar para trás e dizer: “Valeu a pena. Com ela vivi alguns dos momentos mais belos, intensos e felizes de minha vida. Sinto-me rico de alegrias intensas pelo tempo em que estive com ela. Apesar da perda e da rejeição quero ser honesto e justo o suficiente para ser grato a esta pessoa que por tanto tempo me fez tão feliz“?

A atitude de gratidão transcende às gerações, raças, línguas e nacionalidades. Clique no link abaixo, espere carregar e se emocione com o vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=DFZxBvUMlG0&feature=related

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Psicologia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
4 Comentários
  1. KAMILA

    LINDO… LINDO… MUITO LINDO, MESMO, ESSE TEXTO!!!!

    • KAMILA
      TENHO QUE TE AGRADECER PELO TEU COMENTÁRIO. ACHO QUE ESTE ARTIGO DEVE SER DESAGRADÁVEL PARA A MAIORIA DOS LEITORES, PORQUE ATITUDES DE GRATIDÃO SÃO RARAS E AS PESSOAS NÃO QUEREM OLHAR PARA AS PRÓPRIAS OMISSÕES E EGOÍSMOS. QUE BOM QUE VOCE GOSTOU.

  2. Bruna

    Bom dia!

    Carlos, lindo o seu texto e me emociona muito saber que há pessoas que ainda prezam pelo bom relacionamento com o próximo. Tenho muitos problemas com isso, pois por alguns problemas da vida acabei me tornando uma pessoa egoísta e a essa altura da minha vida se torna muito dificil agradecer com atitudes coisas que os outros fazem por mim. Essa era a minha principal questão: dizer obrigada? Redigir um e-mail? Difícil…

    • Bruna
      Teu comentário sugere-me algumas palavras, que tuas vivências com teus semelhantes parecem ter germinado em você: Mêdo, decepção, amargura, desesperança, cansaço. O fato de você ter gostado do texto sugere-me que você não se fechou totalmente, há uma janela aberta. Por esta janela podem entrar coisas perigosas, mas também luz, perfumes, beleza, ar fresco, sorrisos. Quando nos fechamos para a vida, ficamos subnutridos, vamos secando. Germinar pode ser lento e difícil, mas pode trazer o novo à nossa vida. Nem todo ser humano que conhecemos e que encontramos vai nos fazer sofrer. Sei que quase todas as pessoas são muito egoístas, mas viver sem relacionar-se de coração deixa a vida muito vazia, vazia de calor, encanto, alegria. Mesmo pessoas muito egoístas, às vezes nos surprendem com atitudes e palavras gentis e delicadas. Se as pessoas te decepcionaram tanto, expresse gratidão ao vento, às flores, as árvores, aos animais.

Deixe um comentário