Tamanho da Letra: [A-] [A+]

I – Disjointed Memories

Published by Bill Braga in Memories, Psychology, Psychiatry, Shamanism
data: 27/09/2019

I woke up not knowing where I was. In fact, I realized that I had not been conscious of myself for some time. Some fleeting, disconnected memories, nothing to help me understand what had happened. I was in a room with two empty beds. I slept on a mattress on the floor beside the two beds. There was a bathroom, a closet. Surely I was not in a prison or a hospital. Little did I know that it was a cross between. I saw that the television from my old room was there, and the DVD player also. But I was somewhat dazed. My body felt heavy. I tried to walk, my legs weighed tons. I went to the bathroom. A shower can sometimes help revive a defunct man, or semi-defunct, which is how I felt. No improvements. What the devil had they done to me and what had I done to deserve to be in that deplorable state?

While I sat there lost in reverie, the door opened and there appeared a girl, friendly and dressed in white. “Good morning, did you sleep well?” the girl asked. She had not yet realized that I was fully conscious and gave a start at my outraged reaction. I asked where I was, who she was and how to get out of there. She then after realizing the gravity of the situation asked me to wait a moment, that she would bring someone capable of explaining the situation.

A man arrived dressed all in white, around fifty years old with a serious air and countenance. I began to get disoriented, talking and asking questions nonstop, saying that I wanted to get out of there, wanting news from my family. I felt abandoned, in a strange place, with my body weighed down and having difficulty rationalizing. I could hardly put together phrases and thoughts. He observed my reactions patiently, waiting for the opportune moment to intervene. At the “right time”, he started to explain to me. He said that I was feeling that way due to some medication, but there’s no need to get agitated. I was there because it was the best thing for me, everyone wanted to help me, and in fact it was my family who brought me to that clinic. In the end, he said that I was required to take a medication to calm me down. When I mentioned refusal he said that if I didn’t take the medication willingly that it would be given via injection again.

This was a storm of information in my mind. Sure, I was never the most common of people, I even had a few psychological-psychiatric problems, but to be put in a psychiatric clinic? It was alot for me to understand. And I didn’t remember the reasons, I didn’t remember what I did, I only felt a tremendous sleepiness. The Idea of the injection seemed like a trauma. I panicked and decided to take the half a dozen pills. I asked the doctor, Doctor Lucas, to properly explain to me, I needed to understand. He said that I would understand just as soon as I had my appointment with him, which was soon, but for now he needed to attend to the other patients. The nurse, Valeria, the one who spent the nights ensuring my sleep, also sent me to bed, telling me to be calm, that she would make me remember everything. Warmly, she said that if I needed her she would be by my side.

In any normal situation I would have been touched by the sweetness and affection of her voice, but immediately after I discovered that I had been admitted into the hospital, without even knowing what problem I had and with incredible low synapses, the feeling of being alone in that room startled me. Loneliness is something very frightening when we are ungrounded. It is the logic of abandon. We don’t feel human, we feel like a problem. A problem that no one seems to want to deal with, not the doctors, the nurses, or family. With great mental strain I began to wonder where my family might be. Would they have abandoned me there simply hoping that I would be cured? Of what evil I did not yet know. I had a girlfriend, that I did remember. Could she have given consent to this absurd decision, to abandon me there with only God knows what species of lunatics?  I thought of my youngest brother. He must understand even less than I about everything, however I am already old enough to have some idea. He must be in distress! He must be an ally to get me out of that situation. But how do I get in contact with him? I saw that my cell phone was in the nightstand. I thought about calling someone, my father, my mother, my brothers, my grandparents, someone would have to give me a plausible explanation. I decided to see what else there was in that prison-bedroom.

In the refrigerator there were grape juices and yogurts. Someone who knew my taste well had left them there for me. If they had left a beer, I would’ve opened it on the spot. But all those medications probably wouldn’t let me enjoy the pleasures of alcohol anyway. On the nightstand was a book of poetry by Vinicius de Moraes. That book sparked a series of memories that outlined everything that had happened. Together with the book was my Playstation Portable. An avalanche went tumbling down my mind… Too much information at the same time, I couldn’t absorb it all so I decided to take another shower. Not even half an hour had gone by since my first. The amount of showers was a sign. An indication that I was about to discover something.

During the long shower, a storm of memories and ideas went through my mind, a brainstorm, and it continued accelerating even with the sluggishness of my brain, probably from the effect of all the medication. A trip to Rio de Janeiro. Juiz de Fora and after. A party, the insomnia, the girlfriend and the unfaithful thoughts, the inspirational muse. Fragments of my own history that, even though they puzzled me they also brought some sense to the situation. I was then interrupted from my internal exorcism. My mother appeared in the doorway. What a relief. I wasn’t totally abandoned. Maybe she would help me connect the links of my fragmented memory. To weave a web of meaning from this experience, even if only so I could help them help me.

I saw a look of great affliction in my mother’s eyes. She noticed that I was now taking showers with my shorts on again. She was to tell me to stop doing that in the next few moments. Still dripping wet I gave her a loving hug. It had never been so good to see her. The emotion and affection of our meeting revived all hopes of that sad and mistreated look on her face. She embraced me, and at being bombarded with questions, held the tears that insisted to drop out of her eyes, to try and explain to me, in the calmest way possible, the reasons for the attitudes that she took, why she admitted me there.

It wasn’t an easy talk. Even though I had found some lost memories, they still were lacking in logic; they didn’t seem to me like causes of psychological illness. In reality, I always took myself as Mr. Right, even though I didn’t remember as much as half of what occurred. Besides this, I still had an aggressive and condemning attitude, still wondering how she was capable of doing that to me, to leave me there, alone, stuck in the middle of a bunch of crazies. Did she believe that I was like the others? Drug addicts, schizophrenics, maniacs or depressives? She tried to maneuver, trying to bring me back to reality, invoking my memories, some of my attitudes. Even so everything was confused to me. It still is today. Even after all this time, some questions remain unanswered. Maybe I will never find the answers. But sometimes the questions matter more than the answers. It is the questions that motivate us, answers may stagnate us. And at that moment, when I thought I had my conscience back, all I wanted was to ask for answers. But it wasn’t the time yet, nor did I have the adequate person to suit me. I realized this and I saw that I soon would be leaving, I asked about my brothers, about my girlfriend, my father. All were well, worried, but well. They came to visit me whenever possible, my friends too. It was a lullaby to my heart. I wasn’t alone in that inhospitible place afterall. It was a passing thing, I imagined that I was well and healthy, and that soon I would revisit everyone, everything would be back in place. Little did I know of the obstacles and trials that still awaited me. As the poet says it’s the rocks in the road that make the way worthwhile.

I began to restore in my mind what had happened. In reality I tried to seek my Self out, to restore the identity that had been fractured. I was barely twenty-three years old at this time.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Memories Psychology Psychiatry Shamanism

Bill Braga -
26 Comentários
  1. Myriam (vó)

    Querido Biel, foi um susto enorme e uma dor indizivel. Ainda agora ,ao ler o seu texto, teimo em chorar; e o pior era a incerteza da sua volta. Mas tenho a convicção de que,por pior que tenha sido para você, você teve como superar e crescer. E alem do mais,foi um processo de conhecimento do carinho nosso e de Amigos (assim mesmo, com A maiúsculo).Acreditando sempre em sua pessoa, beijo grande da Vó.

    • Bill Braga

      Oi Vó… Realmente as lágrimas as vezes são teimosas, mas funcionam como um banho de alma… E se elas teimam em cair, talvez nem tanto pelo sofrimento, mas pelas alegrias que se seguiram!

      Lágrimas de vós são um alento, sempre.. obrigado…

      beijos

  2. Ti C:-ir)

    Uau! Me lembro bem. A notícia de seu internamento se espalhou pelo mundo e nos pegou aqui em Londres de surpresa. Até hoje existem mais perguntas do que respostas. Seu relato é super cativante. Não pára não. Quero ler o resto!

    • Bill Braga

      Grande Tio C:-ir)… Não sabia que as notícias tinham varado o oecano.. E realmente, talvez as perguntas sejam mais importantes do que as respostas… Até porque nunca há uma única resposta objetiva…

      Obrigado pela leitura, em breve virão mais capítulos, que não sei se trarão respostas, ou mais indagações…

  3. Ondina

    Gabriel, Deus não nos dá um fardo maior do que poderemos carregar. Sua narrativa excelente, demonstra o quanto você venceu fortemente a batalha dentro de ti e foi vencedor.
    Ânimo, coragem para enfrentar todos os desafios que se te aparecerem. Maior é Deus conosco! Abençoa-nos sempre!
    Parabéns, grande escritor de nossa família!
    Nós te apreciamos muito. Bjs da prima,
    Ondina – RJ

    • Bill Braga

      Olá Ondina,

      Não há vitória, sem que seja compartilhada… E tuas palavras são muito gentis, agradeço de coração..

      As batalhas internas são as mais difíceis de serem vencidas, não é?

      abraços

  4. M Amalia Marques

    Bill, gostei. A leitura me prendeu e me encaixou em seu quarto naquele momento. Sentimentos tristes vieram dentro de mim e uma grande curiosidade tambem em saber mais a respeito do conflito. Parabens. Considero um bom escritor aquele que consegue me conectar e me inserir sentimentalmente na historia. Voce conseguiu.Belo texto.
    Aguardo os outros.

    • Bill Braga

      Obrigado Maria Amália…

      A tristeza é um grande catalisador, como o desenrolar da história há de mostrar… Agradeço muito tuas palavras, e espero que consiga continuar transportando você para dentro do mundo em que vivi…
      Em breve virão os próximos capítulos..

  5. Júnia Amaral

    Bill,
    Foi uma grande emoção ler o seu relato: simples, direto, profundo, tocante, lindo!
    É uma experiência estranha e densa viver essa realidade através da sua vivência. O seu depoimento, nesse texto tão bem-escrito, nos torna mais próximos, me torna mais humana e, grande paradoxo, mais frágil e muito mais forte!
    Gostaria de acompanhar o resto também.
    Receba meu grande carinho e admiração.
    Júnia

  6. Bill Braga

    É Junia, exatamente ao nos depararmos com nossa grande fragilidade que nos tornamos ainda mais fortes… Fico feliz que você tenha sentido tudo isto através da leitura… Certamente isso nos torna mais próximos… Obrigado pelas palavras… Já já o próximo estará no ar…

  7. Bruno Sundinha Santos

    Manão, foi uma epooca muito ruim e triste…. Grasadeus q passou, nao gosto de lembrar aqueles dias…ate penso q as vezes eles nunca aconteceram. Tento esquecer, mas se te ajuda a entender, te apoio totalmente.
    Ficou muito bom!

    • Bill Braga

      É Sundinha, como minha mãe me falou, você e eu soubemos fazer daquele limão uma limonada… Não é o esquecimento que trás a serenidade, mas o conhecimento.. E ao escrever acabo entendendo melhor tudo o que passou… Sei que quem esteve perto, acaba relembrando as tristezas, mas realmente aconteceu, e sua presença foi mais que fundamental para que pudéssemos compartilhar as alegrias hoje.. Grande abraço meu amigo

  8. Fernando Coelho

    Bill, vc não me conhece. Cheguei até aqui, através de tua prima, a Ondina, grande amiga. Instigante o teu texto, o enredo que o motivou. Acima de tudo, muito crível, com plenos tons de verdade, verdade dos fatos, verdade dos sentimentos, verdade da alma. Não sei – é claro – o que lhe ocorreu. Sei, sim, que vc escreve muito bem, convence pela forma e pelo conteúdo, arrasta-nos o gosto pela leitura de seu belo texto, envolve-nos pela extraordinária experiência que vc vive, aí. Votos, de coração, de q tudo se arranje da melhor maneira p/vc e os seus. Escreva mais… e me inclua entre os seus destinatários, o que muito me honrará. Deus sempre c/vc, nos seus passos, nos seus caminhos, na sua vida. Grande abraço. Fernando Coelho.

    • Bill Braga

      Carissimo Fernando,

      fico muito feliz com tua leitura, e agradeço muito as palavras… É bom ver que as palavras tenham atingido além dos conhecidos e familiares. A ideia é compartilhar ao máximo esta experiência.

      Tudo se arranjou bem, não se preocupe, como verá na sequencia da estória… As turbulências servem para nos aprumar ainda mais, não é?

      Muito obrigado pela leitura companheira, e um grande abraço!

  9. Bárbara

    Bil, estive lá e pude ver que não foi fácil. Você é um homem forte com o coração de menino. Bela mistura! Quero ler mais. Beijos cheios de admiração, respeito, amizade e carinho.

    • Bill Braga

      Realmente, uma ótima definição. Lembrei do clube da esquina “Há um menino, há um moleque/ Morando sempre no seu coração”
      Na próxima semana estará no ar mais um capítulos destas memórias..

      Obrigado por todo este carinho, realmente não deve ter sido fácil ir lá, inclusive!

      beijos emocionados!

  10. Daniela

    O Poeta nunca tem uma dor que não se transforme num poema….
    bom saber um pouco mais sobre sua história, você é especial!!!

    “Há quedas que provocam ascenções maiores”
    você tem uma alma linda e obrigada por poder fazer parte da tua vida , ainda que distante

    Dani Wambsganß

  11. Bill Braga

    Oi Dani…

    Eu devo agradecer por compartilhar da minha caminhada… E você faz parte dela, e me ensina muito com tua visão de mundo. As dores podem ser pedras, ou podem ser trampolins, não é? Sabemos que elas não nos abandonam, mas compartilhá-las ajuda a acalmá-las, e assim a ascenção é possível…
    Muito obrigado pelas doces e generosas palavras, e mais que tudo pela companhia!

  12. Virgínia Dantas

    Oi Bill, nossa to quase morrendo de chorar aqui, lembrei de tudo, da preocupação de todos, da ansiedade….. Infelizmente não consegui estar por perto fisicamente…. Mas sempre pedia por você em minhas conversas com o povo lá de cima… Tenho um carinho enorme por você!!! Acho que você sabe disso. Você escreve lindamente…. comecei a ler o último que postou, aí ví que tinham outros anteriores, procurei o primeiro para começar do início, e me apaixonei pela forma que você escreve, como já disse alguem aí nos outros comentários, isso é prova de que tudo é passado e serviu para te fortalecer como pessoa…
    Um bj enorme!!! Vivi

    • Bill Braga

      Ei Vi,

      Que bom ouvir (mais do que ler) tuas palavras… Às vezes a distância física não importa, a ternura como você escreve, me faz sentir bem próximo. É, às vezes, há uma angústia revivida, mas mais do que isso, ao retornamos a esta época, temos a chance de ressignificá-la tanto eu quanto vocês que estiveram por perto e sentiram as dores.

      Obrigado pelo carinho e pela companhia!

      beijos!

  13. Lucas Ferrari

    Puxa Bill, que bom foi descobrir este espaço! Te ler é um grande prazer, tanto pelo conteúdo quanto pela prosa; e o mais interessante é que você às vezes faz umas frases curtas mas tão densas! É difícil ir objetivamente até o pé de página sem parar nesses momentos, sem curtí-los, explorá-los, mesmo que essa apreciação evoque sentimentos pesados e lembranças não muito boas.

    Parabéns pela garra e pela escrita! São duas qualidades raras!

    • Bill Braga

      Pois é Lucas, você que sempre foi um amigo e interlocutor que tive o privilégio de ter, eu que fico feliz que tenha descoberto.
      Obrigado pelas palavras, camarada.. Quando a escrita brota de nós mesmos, visceral, quando a alma escreve e o cérebro só ajuda, acho que fica deste jeito que você descreveu…

      abraços

  14. Silvia Guicheney

    Nossa, faz um tempão que li esse capítulo pela primeira vez.
    Seu estilo instiga. Agora, com a mesma força da primeira leitura. Acho isso incrível!

    Como nunca soube dessa história, a não ser por este texto, ainda parece pra mim obra de uma grande imaginação.
    Acho que vou ler assim, por um ângulo diferente daquele que as pessoas que te acompanharam provavelmente enxergam cada capítulo… deixa eu ver no que que dá.

    Beijinho!

    Silvia

  15. Bill Braga

    Vai ser muito bom seu ponto de vista Silvia…

    Afinal de contas até onde vai a ficção, e até onde começa a história é algo que nem os historiadores nem os escritores podem definir não é?

    Então entre nas asas desta imaginação, sua companhia é mais que bem vinda…

    beijos

  16. Marina Kraiser

    Obrigada por dividir isso tudo com a gente!!! Vai sair um livro??!

    Na época da sua internação tive notícias de cá e de lá… E vejo hoje como somos claustros em nós mesmos, tantas vezes… Como quis na ápoca te procurar, te visitar, e nada de ação! E tantos colegas ao redor sentiram o mesmo… Como fazemos isso tantas vezes com amigos ou parentes queridos! Não é?

    Estou direcionando a psicólogos e psiquiatras amigos, ok?! Acho que precisam mergulhar um pouco nessa viagem, conosco…

    Beijo grande!

    • Bill Braga

      Bom, se vai sair um livro não sei, sei que ainda há muitos textos para entrarem no ar…

      Concordo com você, que definiu muito bem: claustros em nós mesmos…De certa forma fazemos o que damos conta naquele momento, é bom quando percebemos e ainda podemos reverter o claustro em aproximação…

      Claro que tod@s são bem-vindos nesta viagem, seus amigos psiquiatras e psicológos, inclusive, que se tornem companheiros nela também!

      muito obrigado pela tua companhia e pelas palavras…

      beijos

Deixe um comentário