Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Epitáfios

Publicado por Carlos Scheid em Humor
data: 17/11/2016

epitafios

Nenhum outro animal enterra seus mortos. Só o homem. O achado de um túmulo assegura ao arqueólogo que ali existiu uma sociedade humana. Com o correr dos séculos, os humanos se habituaram a escrever alguma coisa sobre o túmulo do morto. No mínimo, seu nome e as datas de nascimento e de morte.

Mas nada escapa ao humor, outra exclusividade dos homens humanos. Faz tempo que os literatos criaram epitáfios – bem como os famosos “testamentos” do Judas, lidos antes de queimar o boneco de pano no Sábado de Aleluia -, tudo para celebrar os vícios de seus inimigos, em especial dos incômodos tiranos.

É conhecido o poema de José Paulo Paes:

Epitáfio para um banqueiro
negócio
ego
ócio
cio
o

Acho que também posso contribuir para o acervo da sátira com mais alguns epitáfios em trova:

Para um médico
Aqui jaz o doutor Bento,
que morreu sereno e sério,
depois de mandar trezentos
para o mesmo cemitério.

Para um comilão
Aqui jejua pra sempre
o compadre Doroteu:
passou a vida comendo
e, agora, a terra o comeu!

Para uma linguaruda
Aqui jaz Dona Constança
em silêncio consumado,
mas sua língua descansa
no túmulo logo ao lado…

Para um político
Aqui jaz doutor Barroso,
nosso nobre deputado
e, para evitar mais roubos,
um guarda fica do lado.

Para um sujeito muito feio
Aqui jaz o Zé Botelho,
moço forte e bem robusto:
certo dia, olhou no espelho
e morreu de tanto susto!

Para um advogado
Aqui jaz o advogado,
nosso esperto Ribamar.
O caixão vai bem lacrado
ou teremos liminar.

Para um inimigo do trabalho
Dorme aqui um preguiçoso
a descansar outra vez
e, neste sono gostoso,
só faz o que sempre fez.

Para um baterista de rock
Aqui repousa o Rozendo,
um inimigo das notas.
Passou a vida batendo
e, por fim, bateu as botas.

Para um prefeito municipal
Dorme aqui o bom prefeito,
saudoso doutor Raimundo
e, no seu sono perfeito,
não desvia nossos fundos…

Para um pianista
Da música apaixonado,
outra coisa ele não faz.
Por isso, mesmo enterrado,
o Zé Pereira aqui jazz…

Para o Manuel
Aqui veio o Manuel
que, um dia, chegou ao fim:
guarde um lugar lá no céu
pro seu amigo Joaquim.

Para o Joaquim
Aqui descansa o Joaquim,
que tanto queria o céu,
mas não se lembrou de mim
meu amigo Manoel…

https://www.youtube.com/watch?v=YOJiYy1jgRE

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Humor

Carlos Scheid -
Deixe um comentário