Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Crueldade à mesa

Publicado por Eulália Jordá Poblet em Cidadania, Direitos Humanos e dos Animais
data: 09/12/2009

O Natal/Ano Novo é um tempo em que quase ninguém pensa nos bichos, apenas os digere aos montes. Para essa execução de animais orquestrada em quase toda a geografia do império humano sem que muitos questionamentos sejam levantados, imaginei um mote: “holocausto de fim de ano”. Dá desgosto e repulsa ao olhar previamente sensibilizado para o sofrimento de outras espécies vê-las mortas sobre a mesa, estripadas, desossadas, tratadas como meros objetos, apenas para dar prazer a indivíduos pertencentes à espécie dominante instalada na supremacia da esperteza e inconseqüência. Mentes brilhantes da política, das igrejas, da ciência, do jornalismo se amesquinham nessa hora dita “gastronômica”: ninguém aparece para oferecer aos animais uma frase que seja de defesa.

Nessa época, as mesas se enchem de pernis ao molho de macadâmias, perus, porcos inteiros. Cerejas, ameixas, tâmaras e nozes complementam a decoração “Kitsch” desse festim eticamente duvidoso. Se olhos fossem saborosos, com certeza as pessoas comeriam olhos de animais enfeitados com hibiscos.

Prima primeira dos idos totalitários, somente a tecnocracia, com sua espetacular capacidade destrutiva, consegue matar em tão pouco tempo esse número elevadíssimo de animais. É claro que se não houvesse tantos mercados, não se interessaria em fazê-lo.

Mas os mercados são compostos por indivíduos incapazes de se colocar no lugar-e-dor do outro, perpetuando a demanda artificialmente ampliada pelos empresários de “gêneros alimentícios”.

Para que ninguém tenha sua consciência “incomodada”- as pessoas têm horror de serem removidas da placidez de seu conforto-, utiliza-se a velha e eficaz fórmula nazista: inicialmente removem-se os matadouros, verdadeiros campos de concentração, para bem longe dos olhos da população.

Em ato subseqüente, há o assassinato de cada animal de forma camuflada, seu cadáver peregrinando por várias etapas de maquilagem, em diversos departamentos, chegando ao final da linha de produção irreconhecível, quando uma criança não conseguirá mais fazer a correlação entre uma coxa de galinha plastificada e o pintinho vivo com o qual brincou.  Chamarei a esse fenômeno “esquizofrenia tecnológica”.

Enquanto isso, empresas de excepcional lucratividade se movimentam nervosamente por detrás do assassinato dos animais, transitando desde a ingênua sopinha de carne para o bebê humano ao escancarado “baby-beef”, que nada mais é que bife de bebê assassinado de outra espécie.

A indústria que movimenta bilhões e bilhões de dólares/euros/reais/outros, tem seus pés de barro apoiados na morte rotineira e massificada dos animais. O Natal desnuda ainda mais esse nazismo: entre baladas suaves falando de “paz” e badalos de sininhos amorosos, as empresas afiam suas lâminas, decepam pescoços, patas e pés. Esses corpos mutilados desejavam viver e, no entanto, foram interrompidos e devorados sem nenhuma culpa por parte dos consumidores, que jamais se perguntaram qual o significado de um matadouro. Hannah Arendt, que acompanhou como jornalista o julgamento de Eichmann, concluiu que o nazista que havia enviado tantos judeus para a morte não era um homem perverso ou um monstro, como se queria provar. Era apenas um funcionário mediano, incapaz de refletir sobre seus atos ou fugir a clichês burocráticos.

Infelizmente, a maioria das pessoas do mundo cotidiano, esse mundinho nosso de cada dia, é pelo menos em relação aos animais, como Eichmann.

O fluxo contínuo de mortes dos bichos nesse tipo de sociedade em que tudo é banalizado dá a falsa impressão de que o tradicional é algo sempre “normal” e isento de delito. Pouquíssimos conseguem ter espírito crítico em relação à paisagem imoral que se oferece além das mesas de Natal e fim de ano.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Cidadania, Direitos Humanos e dos Animais

Eulália Jordá Poblet - Médica pós-graduada em doenças parasitárias e infecciosas e membro da Sociedade Protetora dos Animais de Minas Gerais
4 Comentários
  1. Tarzan Leão

    Excelente o seu artigo. Daqueles que a gente pensa: “puxa vida, por que não tive essa ideia?”

  2. Malu - São Paulo

    Achei o artigo bem intencionado e fundamentado mas muito futurista para seus possíveis efeitos práticos. Afinal muitos acham que a missão de animais como o boi neste planeta é exatamente fornecer as proteínas necessárias para a espécie inteligente que é a humana. Mesmo na India onde os bois não são abatidos o leite das vacas é usado pelos humanos. E eles têm que exportar as espécies bovinas ou controlar a natalidade.
    Na Austrália estão abatendo os camelos, cangurus e raposas que estão disputando os recursos de nutrição com os bois ou com os homens. Como seria na visão da autora o mundo ideal? Os homens vegetarianos? E os animais, que lugar teriam? Seriam bichos de estimação com a reprodução controlada como os cães?

  3. Graça - Uberaba - MG

    Concordo com o cometário anterior no sentido de que estas campanhas contra o abate de animais e consumo de sua carne só terão efeito a muito longo prazo. Mas se lembrarmos que 20 anos atrás ninguém acreditava que seria possível combater o fumo com campanhas educativas, e que hoje existem mais ex-fumantes que fumantes, podemos ficar um pouco otimistas.
    No entanto há uma campanha que podemos começar agora. Trata-se do sofrimento dos animais durante sua criação para abate. Mesmo aceitando que os animais são criados para o futuro abate ou o “corte”, considero extremamente cruel criar porcos e frangos em gaiolas em que eles não podem sequer se mexer. Imagina o stress a que esses animais são submetidos. Já vi uma reportagem mostrando que esse stress dos criatórios “eficientes” são causa de terríveis doenças dos animais, que inclusive depois podem se voltar contra o homem. Já vi a tese de que as gripes suína e aviária podem ter surgido devido a este stress a que são submetidos esses animais.

  4. Edna Ferreira de Oliveira

    Infelizmente muitas vezes o ser humano é tão egoísta que ele nem pensa, vai logo se defendendo, ou melhor defendendo seu prazer de comer, custe a quem custar. A questão maior não é nem o consumo da carne, é a forma como os animais são criados, mantidos, transportados e posteriormente, (muitas vezes, ainda bebês)são sacrificados. Sem dó, nem piedade. Respeito nem se cogita. E mais, quando alguém que conhece quer passar informação sobre o assunto, sobre a crueldade que os animais sofrem, o desrespeito que são submetidos, ninguém quer ouvir. É claro, é como se diz: “o que os olhos não veem, o coração não sente”. O pior cego é aquele que não quer enxergar. Já ouvir dizer que uma pessoa que conhecer um matadouro, possivelmente não come mais carne. Mas as pessoas não querem nem ouvir sobre o assunto, é conveniente a elas simplesmente se fartar diante de uma mesa com variedade de carnes e ainda dizer que matar ela não tem coragem, mas paga o preço que lhe é imposto para que outros façam por ela. Fico impressionada com os argumentos, a posição defensiva que o ser humano se coloca frente ao assunto RESPEITO AOS ANIMAIS, seja para o consumo, para criação ou trabalho. Esses pobres indefesos são vistos como verdadeiras fonte de prazer gastronômico e máquinas de fazer dinheiro.

Deixe um comentário