Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Segredos

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Psicologia
data: 01/03/2010

Segredos

Existe uma ética do segredo. O sacerdote, o médico, o psicólogo, está obrigado ao sigilo profissional. A não ser em casos excepcionais e de extrema gravidade, não transmitirá aquilo que sabe sobre a intimidade daquele que confia nele. Nas relações sociais a necessidade do segredo também se impõe. Se um amigo confia em nós, espera que não vamos sair comentando o que ouvimos. Se uma criança nos pergunta sobre algo que ela não precisa saber, ou não deve, ou não é o momento, também é necessário que saibamos calar. Existem ainda os nossos segredos pessoais. Não temos a obrigação de sair revelando nossa intimidade para pessoas curiosas, indiscretas, bisbilhoteiras. Mesmo nas relações intimas nem sempre é possível ou desejável dizer tudo, seja sobre terceiros, seja sobre nós mesmos. Amar alguém não quer dizer obrigação de tudo revelar sobre o que pensamos, sentimos, desejamos. Confiar em alguém é inseparável de sentir-se livre para calar.

Talvez seja desagradável de ouvir, mas é preciso usar palavras claras. Quando falamos de sigilo, segredo, omitir, desviar o assunto, estamos falando da arte de mentir. Existe uma mentira que é ética. A vida seria bem mais simples se regras como “não mentir” pudessem ser aplicadas livremente, sem discriminação. Às vezes para ser honesto, ético, é preciso calar, omitir, desviar o assunto, mentir. É preciso desenvolver um senso de valores mais sutil. É na qualidade de nossa motivação, de nossas intenções, que revelamos nosso nível ético. E do mesmo modo que existe a mentira ética, existe a sinceridade cruel. Dizer a verdade, em certas situações, é uma forma de agredir, destruir, vingar-se.

Por outro lado é preciso saber que, nas relações intimas, nada fica completamente oculto. Não existe ator perfeito, mentira perfeita. Quando omitimos ou mentimos, aquele que nos ouve, se for atento e sensível, percebe algo diferente no ar. Nossa expressão facial, nosso tom de voz, nossa temperatura corporal, nosso olhar, se modificam quando omitimos ou mentimos. Se uma criança é adotiva e seus pais adotivos não revelam isto a ela, o segredo vai estar no ar. Ele pesará sobre a criança. Quanto maior o numero de pessoas que souberem, maior será o peso que ela terá de suportar. Este segredo poderá afetar emocionalmente a criança de modo muito mais nocivo que a verdade. Se um dos pais tem uma doença grave, ou está profundamente perturbado emocionalmente, por algum motivo, e os filhos nada sabem, mesmo assim a criança irá reagir. Terá pesadelos, ficará medrosa, insegura ou então agressiva. Seu desempenho escolar pode piorar, pode ter doenças corporais. Omitir ou mentir pode ser necessário, mas tem um preço.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Psicologia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
Deixe um comentário