Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Tricot

Publicado por Wesley Pioest em Poesia
data: 02/02/2021

Tricot

O poeta é feito de retalhos. Não afirmo,
deixo no ar a brisa da indagação:
talvez seja, ou posso estar redondamente
enganado. Como, aliás, estou a estar.
São problemas de tecimento, de arejar
a flauta com outra embocadura.
Pode ser diferente, e isso não é ruim,
é coisa boa, à qual me entrego de alma
e vou velejando, assovio, nas lonjuras.
Palavra é artefato difícil, que eu, curioso,
manejo, mais mal do que bem – mentir?
para quê? E a essa altura? Aprendiz,
quero fazer diferente. Quero inventar.
Mas algo que valha uma lembrança,
de que se aproveite um triz, migalha,
um sonambulismo de rádio ligado,
um esmorecimento na rede, pitando,
fazendo tricô, arte mais indecifrável,
cujo dom não tenho e nunca terei.
Dou a mão à palmatória, chamo o poeta
à vulgar superfície curva desta terra.
O lápis sai derrapando no papel almaço
e eu quase sonho: queria divertir a moça
desalentada de chorar, o rapaz altivo
à espera do ônibus na estação cinzenta.
Porém, alinhavarei aqui e ali não mais
que uma frase, um desvario de canário
equilibrado no arame ao pôr do sol.
E o poema fica nisso mesmo. Arremedo.
Lá embaixo a rua a tudo observa, paciente,
com o alarido da vizinhança a me dizer
necessidades: viver é preciso, andar é
preciso. Fazer poemas talvez não seja.
Bom, a vida segue. Os poemas me seguem.
Perseguem a mim que os sigo tecendo.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Wesley Pioest - Nasceu em Rubim, estudou em Belo Horizonte, passou por Itacarambi, Muriaé e passa atualmente por Gonzaga. Sempre em Minas. Seu vale é o Jequitinhonha, de onde veio e para onde há de voltar dentro em breve, por bem ou por mal. Publicou a Revista “Liberdade”, os livros “Impressões da Aurora”, “Jequitinhonha – Antologia Poética I e II”, “A Fala Irregular” e “Cabrália”. Parceiro inconstante de Rubinho do Vale, Vagner Santos e Romeu Santos em letras para canções.
Comentário
  1. Antonio Angelo

    “Fazer poemas talvez não seja”
    Preciso é, sim, meu caro.
    Divirjo.
    Como este aí.
    Dizendo coisas. Tecendo cousas.
    Navegar é preciso; poetar é preciso.
    Viver…

Deixe uma resposta para Antonio Angelo