Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Horário de verão, leia isso presidenta

Publicado por Sebastião Verly em Políticas de Energia
data: 15/10/2014

escuro

Hoje, me senti surpreso ao saber pelo Facebook que, no dia 19 de outubro teremos o início do horário de verão 2014-2015. Estamos na primavera. Mas isso é outra conversa.

Essa medida apregoada como recurso para economizar energia elétrica, foi adotado pela primeira vez em 1º de outubro de 1931, através do Decreto 20.466.

Lembro-me bem, durante minha infância, nos anos 1950, quando as pessoas criticavam essa medida especialmente na minha pequena cidade que não possuía luz elétrica. Pompéu, minha cidade natal e onde vivi até 1960, teve luz elétrica durante um curto período com motor a óleo diesel que, ao fundir, deixou a cidade muitos anos sem energia elétrica. Naqueles tempos, as pessoas mais velhas chamavam esse horário de “horário do governo”, uma referência clara de que era uma imposição. Naquele tempo, e naquela cidade como tantas desprovidas de energia elétrica, era uma ironia adotar o horário de verão. Mas era preciso para manter horários coerentes com outras cidades. E não para economizar o que não tinham: energia elétrica.

Creio que em 1953, os decretos que criavam o horário de verão foram suspensos e até 1963, não houve o referido horário. Não me recordo de nenhuma manchete comentando o consumo a mais da energia elétrica no período.

Em 1963, o horário de verão que já havia começado atrasado, em 9 de dezembro, teve seu fim antecipado de 31 de março de 1964 para o dia primeiro de março de 1964.

Depois desse ano, creio que de 1968 a 1984 este horário não foi decretado.

Apurei na internet que desde 1985 o horário de verão é adotado ininterruptamente.

“O horário de verão é adotado nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste. Desde 2008, o início é no terceiro domingo de outubro, e o final no terceiro domingo de fevereiro, exceto quando este coincide com o Carnaval, sendo então o horário prorrogado em uma semana.”

Bom, para quem trabalha ou estuda pela manhã, é hora de se preparar para dormir uma hora mais cedo no domingo que vem. Vamos nos preparar para levantar uma hora mais cedo e voltar para casa, depois do horário de trabalho com sol alto e dia claro.

É tudo uma questão de planejamento. Organiza-se para chegar mais cedo em casa, mas lembrar sempre de dormir na hora acertada para manter o biorritmo em perfeito funcionamento.

Para muitos, a saída, ainda, com sol do trabalho pode ser motivo para, pelo menos nas sextas feiras, passar no bar para um chope sozinho ou com os amigos.

Este ano tem mais um complicador: a eleição do dia 26, se for mesmo decretado o horário de verão, terá que aguardar três horas para comunicar a boca de urna e começar a divulgar os resultados. O Acre e a região sudeste do Amazonas já têm uma diferença de 2 horas do horário de Brasília. Fernando de Noronha terá que aguardar 4 horas, já que conta uma hora a mais do que o horário de Brasília.

Se o horário de verão começar mesmo no próximo domingo 19, prepare-se para sair de casa, no domingo seguinte, dia 26, e saber que a votação terminará às 16 horas, que no horário de verão já será 17 horas. E não tem justificativa.

Bom, goste ou não, neste ano, mais do que nunca, as represas das hidrelétricas estão quase secas e a economia parece necessária, mas tenho um recado para a presidente Dilma, que já foi Ministra de Minas e Energia e é entendida do assunto. O calendário escolar começa na primeira segunda-feira de fevereiro, e nossas crianças e adolescentes que têm aulas às 7 da manhã são obrigados a sair de casa antes do nascer do sol, quando tudo está escuro, até a terceira segunda-feira daquele mês quando os relógios voltam ao horário normal. Essa situação varia conforme a latitude, e é uma constatação válida para as regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil, exatamente onde o horário é implantado . Nesses tempos, em que a insegurança pública é o principal tema dos debates nas eleições presidenciais, é um sofrimento para os pais que têm filhos nessa situação, vê-los saindo no escuro nas últimas duas semanas de vigência do horário alterado. Eu pergunto, não seria possível antecipar o fim de sua vigência do terceiro para o primeiro domingo de fevereiro, para coincidir com o início das aulas? O recado está dado, aquele abraço.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Políticas de Energia

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
Comentário
  1. verly

    BELO RECADO E BEM DADO.
    SUCESSO

Deixe um comentário