Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Algumas considerações

Published by Wesley Pioest in Poetry
data: 31/10/2022

Praça Sagrada Famila ABMinas.

o sol traça uma exata parábola

pelo céu azul mais azul

daquela pequena cidade

que os olhos esquecem jamais

.

passa dezembro, chega março

a chuva caindo, a garoa

a saudade aperta o peito

com a sua mão cheia de dedos

.

mas e o tal amigo? virou luz

e aquele outro? enlouqueceu

aquela confraria? gato comeu

.

a vida passou, não há remédio

seu curso é trotar, indiferente

e tudo mudará, agora, sempre

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poetry

Wesley Pioest - Nasceu em Rubim, estudou em Belo Horizonte, passou por Itacarambi, Muriaé e passa atualmente por Gonzaga. Sempre em Minas. Seu vale é o Jequitinhonha, de onde veio e para onde há de voltar dentro em breve, por bem ou por mal. Publicou a Revista “Liberdade”, os livros “Impressões da Aurora”, “Jequitinhonha – Antologia Poética I e II”, “A Fala Irregular” e “Cabrália”. Parceiro inconstante de Rubinho do Vale, Vagner Santos e Romeu Santos em letras para canções.
Comentário
  1. Antonio Angelo

    Muda não, Wesley.
    Ciclos e mais ciclos, e, passa dezembro, chega março, a Mãe Natureza segue sua metódica rotina, sua monótona missão.
    Mas a poesia – bem o demonstra – não deixa de a cartorialmente catalogar.
    Para que não vivamos no olvido. Ou em catarses infantis.

Deixe um comentário