Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Revoltas Nativistas nas Minas – parte I

Published by Padre Joao Delco Mesquita Penna in Geography and Geopolitics, History
data: 02/09/2021

As Revoltas Nativistas nas Minas do Ouro – parte I

Julgamento de Felipe dos Santos – óleo de Antônio Parreiras

O ato da criação da Capitania de Minas Gerais foi efetivado através do Alvará assinado em 1720 pelo rei de Portugal, dom João V (1707-1750), por solicitação do Conselho Ultramarino, órgão superior da administração das colônias com o objetivo de organizar o governo  português e pacificar a região das “Minas do Ouro e Campos Gerais dos Goitacazes”.

O governo português após criar em 1709 a então Capitania Unida de São Paulo e Minas do Ouro e nomear seu governador Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, homem da sua confiança, experiente e conciliador, esperava controlar de vez a situação de revoltas e motins na “Região das Minas”. Na verdade houve um breve período de pacificação, mas não demorou muito a implodir novos focos de revoltas em diversas localidades.

A pressão excessiva da metrópole, as condições rudes da mineração, os acessos difíceis aos recursos concentrados no litoral, a corrupção de funcionários, alimentavam o descontentamento desde o final do século XVII, próximo de 1700, quando ocorreu apenas um movimento de revolta que consideramos de grande relevância, a Guerra dos Emboabas que representou o batismo de sangue da nova capitania. Mas foi mesmo ao longo do século XVIII, 1700-1800, que as revoltas e motins foram se multiplicando.

Entre todos esses movimentos podemos distinguir duas orientações, as revoltas do tipo nativista e as do tipo separatista. Neste sentido podemos considerar que as rebeldias mineiras, como a de 1720, liderada por Felipe dos Santos, é vista pelos historiadores como primeira demonstração de insatisfação com o regime colonial português e de surgimento do sentimento nativista brasileiro.

Historiadores dos primeiros anos das Minas do Ouro relatam que reações e insubmissões foram ocorrendo com maior intensidade ao longo do século XVIII, 1700-1800, em várias localidades, representando um traço marcante da história colonial mineira: uma sociedade caótica, desatinada e indiscutivelmente rebelde. Assim tivemos sucessivas sublevações, como  por exemplo em 1717 e 1718 acontece em Pitangui, para onde tinham ido os paulistas fugitivos do conflito emboaba, que culminou em 1720 com a “Revolta da Cachaça”, por ter sido a proibição da produção de aguardente o principal estopim. Em 1719 há o levante de Catas Altas com a participação do antigo líder emboaba Manuel Nunes Viana. Em 1736, na região denominada Sertão do São Francisco, aconteceu o “Motim dos Sertões”, importante revolta contra a cobrança de impostos liderada por Pedro Cardoso, o “promotor do povo”, filho da legendária Maria da Cruz culminando com sangrento conflito no vilarejo de Vila Risonha de Santo Antônio da Manga, hoje São Romão. A região compreendia os arraiais ao longo do Rio São Francisco pertencentes à comarca do Rio das Velhas, com sede em Sabará,

A expulsão dos clérigos da Companhia de Jesus por ordem do Marquês de Pombal em 1759 gerou insatisfação em alguns espaços da colônia. Entre 1761 e 1783 houve as duas Inconfidências de Curvelo. Em 1776, no arraial de Santo Antônio do Curvelo, o vigário Carlos José de Lima, o padre João Gaspar Barreto e outros dezesseis membros da elite local foram acusados de inconfidência, quatorze pessoas foram presas e conduzidas a Lisboa. Em 1775 em Sabará o ouvidor José de Góes Ribeiro Lara, principal autoridade da administração régia local, liderou os descontentes contra as decisões de D. José I e do Marquês de Pombal em relação aos jesuítas. Uma devassa foi instaurada pelo governador. Em 1792 ocorreu a Inconfidência Mineira, sendo a de maior repercussão, pelo enforcamento de Tiradentes e condenação de seus principais líderes, de grande expressão intelectual, com clara influência do espírito anti-absolutista da Revolução Francesa de 1789. A maioria foi degredada na África.

A Partir de 1711, após a criação das três primeiras Vilas do Ouro, a Vila Real do Ribeirão do Carmo, mais tarde Mariana, a Vila Rica de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto, e a Vila Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará, foram efetivadas medidas com o objetivo de reduzir conflitos e estabelecer maior controle administrativo. Havia grande necessidade de disciplinar a cobrança do imposto, que teria que ser “quintado” nas casas de fundição, que seriam instaladas em várias cidades.

 

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Geography and Geopolitics History

Padre Joao Delco Mesquita Penna -
Deixe um comentário