Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Futuro do pretérito

Published by Antonio Ângelo in Poetry
data: 28/04/2020

Futuro do pretérito

A cigana que me leu a mão
não adivinhou que barragens
se romperiam
que ao fundo
na paisagem ferruginosa
existiria o que seria previsível
o que seria incúria

Não previu a cigana
a loucura
o agouro
o calvário
a insensatez e o precário
que emergiriam na coroa
do micróbio sicário
que dissolveria o futuro

Anteviu coisas que poderiam
ter acontecido
outras que descobri
no entorno do solstício

A cigana, é fato
antecipou o que ora constato
seu pulso, o ritmo das artérias
do tato a insensatez de perseguir recessos
os pequenos suicídios da visão ao cerrar as pálpebras
ante o brilho da beleza que se desvela

Não quero da cigana outra coisa
que se aprimorar na arte de antever o factível
desvendando nos estios outonais
rios subterrâneos de magmas
que aflorarão à superfície em meio à bruma invernal
na erupção de um Vesúvio subequatorial

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poetry

Antonio Ângelo -
Deixe um comentário