Tamanho da Letra: [A-] [A+]

William Shakespeare – frases –parte XII

Publicado por Editor em Filosofia, William Shakespeare
data: 09/12/2014

casal

 

Amor III

Morrestes achando que amava.

Matastes pensando que era amor.

Dominado pelo egoísmo da paixão,

nos fez ver que não te conhecíamos como deveríamos

e, por tua atitude, demonstrou que não conhecias o amor.

Descansem em paz.

Amor quando é amor não definha

E até o final das eras há de aumentar.

Mas se o que eu digo for erro

E o meu engano for provado

Então eu nunca terei escrito

Ou nunca ninguém terá amado.”

Meu Senhor, livrai-me do ciúme! É um monstro de olhos verdes, que escarnece do próprio pasto que o alimenta. Felizardo é o enganado que cônscio, não ama a sua infiel! Mas que torturas infernais padece o homem que, amando, duvida, e, suspeitando, adora.

O amor não prospera em corações que se amedrontam com as sombras.

O casamento faz de duas pessoas uma só, difícil é determinar qual será.

O verdadeiro nome do amor é cativeiro.

O amor é muito jovem para saber o que é consciência.

As juras mais fortes consomem-se no fogo da paixão como a mais simples palha.

Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia.

Algum desgosto prova muito amor, mas muito desgosto revela demasiada falta de espírito.

O amor não se vê com os olhos mas com o coração.

O amor é dos suspiros a fumaça;

puro, é fogo que os olhos ameaça;

revolto, um mar de lágrimas de amantes…

Que mais será?

Loucura temperada, fel ingrato, doçura refinada.

Meus olhos viraram pintores, e com isso esboçaram a beleza de tuas formas nas telas do meu coração

Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor.

Se amor é cego, nunca acerta o alvo.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama com tudo que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar isso.”

A paixão aumenta em função dos obstáculos que se lhe opõe.

É um amor pobre aquele que se pode medir.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Filosofia William Shakespeare

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Deixe um comentário