Poesia

Poesia do confinamento – I

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 17/09/2020

Refletia ela nos olhos luzes intermitentes De um neon cor fúcsia piscando na parede Pouco se lixava para esta história De quarentena e cuidados outros Depois de se embebedar, ficava a tecer Filosofias um tanto desconexas Como a respeito de comportamentos Suas convicções, credos Fumava um cigarro após outro E beber, como bebia! Mas, sejamos claros Uma pessoa que importava Que não merecia se acabar Como acabou De maneira t...

Quase canção

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 19/08/2020

(wesley pioest & gonzaga medeiros & antonio angelo & lucio ferraz) Oh mulher de indizíveis olhos Que me trouxe manhãs ao coração Que é vento em forma de poesia Que vigia a minha alma E que, de repente, é canção. Naquela tarde essa mulher havia, No ar de violinos da ilusão As suas cordas me fizeram eterno, Tocadas em suave melodia Em parceria, pelas nossas mãos. Quando caminhava rumo à noite, Mulher de...

O grande embuste – parte II

Publicado por Lucio Carlos Ferraz
Data da publicação: 07/08/2020

Nestes tempos de treva, Dissemina-se incontida, A milícia que entranha. A milícia é um câncer Ou um tipo de máfia. Esta estrutura pavorosa, Pela violência ou malícia, Assassina quem resiste, E o que sobra, torna escrava. Esta fera do achaque Que aterroriza e mata, Na periferia explora, A extorsão e chantagem, Fazendo desta prática, Uma banalidade diária. Engendrado pela fúria, O próprio ódio encarnado, Ardilosamen...

O grande embuste – parte 1

Publicado por Lucio Carlos Ferraz
Data da publicação: 23/07/2020

Na própria casa do povo, Em um crime de lesa-pátria, Para escárnio de todos, Foi uma infâmia consumada. O país entorpecido, Pelo insulto e afronta, Pela hediondez cometida, Aparvalhado se encontra. É um múltiplo tormento, Este elogio macabro, Que o vulto do sinistro, Bovinamente apoiado, Ainda celebra a tortura, E o verdugo, consagra. Fosse expulso ou preso, A um hospício enviado, Para assombro do mundo E gáudio do az...

O pêndulo

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 21/07/2020

A lâmina do pêndulo no escuro Corta em fatias esta noite enorme Antes que o galo das manhãs informe A novidade do seu canto puro. O pêndulo recorta o tempo duro Em peças de um desenho tão disforme, Que o sonhador desperta e já não dorme, Temendo as armadilhas do futuro. E o vai e vem da lâmina persiste, Cortando em postas nossa noite triste, Atravessando o espaço sem parar… Nosso tempo se esvai em conta-gotas, ...

De profundis

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 14/07/2020

No nevoeiro da memória: a casa. A mais desabitada embarcação, Na qual varejo noites aziagas E perambulo, silenciosamente. Acinzentada, interminável: casa. Seus múltiplos corredores e vãos Conduzem sombras a lugar nenhum E replicam incuráveis pesadelos. A primeira casa: o purgatório. Para que semeasse a discórdia E no futuro enfim ressurgisse Em meio ao terror inafastável. No caos do último sonho: a casa. Decerto nun...

Passagem

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 07/07/2020

Ouço passadas bem no meu encalço, Ressoando nas trevas desta noite. Sem nenhum anteparo que me acoite, Não posso dar sequer um passo em falso. Se me pegam, me aguarda o cadafalso Depois da insônia em hórrido pernoite… Antes, a roda, o pau-de-arara, o açoite, O frio, a fome, a angústia, o pranto salso… Enquanto Cronos cava a minha ruga, Em vão tento apressar alguma fuga Na busca do arquipélago da Paz...

São João era natal

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 24/06/2020

Foto: Militão dos Santos lá vai o balão cai cai balão tinha traque a explosão a fogueira brincadeira a bombinha de salão o foguete as chuvinhas coloridas um clarão repentino lamparinas estreladas vão-se os fogos de artifício rebuliço diversão tem leitoa tem sanfona noite fria tem quentão céu se acende e o meu pai já me leva pela mão noite escura antigamente tudo esplende soltam bombas relampeia dentro em cada co...