Poesia

Instável amante

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 19/11/2020

Gosto de poesia Como quem desvenda no céu Um casulo de nuvens Pouco importa se a poesia Se enverede por subúrbios Que adorne seus cabelos Que se torne de repente volúvel Na insegurança de uma teia Seguramente a poesia Pouco me serve É um desserviço Mas, continuemos, eu e ela A nos encontrar Num canto Num quintal mal cuidado Entre arbustos estéreis Que ela não me fuja Ou, se fugir Restar-me-ão às mãos Este delíquio,...

Dentadura

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 30/10/2020

As palavras, como amantes, Também abandonam a gente. Eu sei, você sabe, não mais Que de repente. As palavras, como dentes, Vão e vêm em nossa boca. Quando mais precisamos delas Calam-se, indiferentes. E se somem, em um segundo, Parece até que é pra sempre. Mas as palavras, como amantes, Um dia voltam pra gente. (Para Gonzaga Medeiros) Compartilhar este Artigo

O grande embuste – parte III

Publicado por Lucio Carlos Ferraz
Data da publicação: 22/09/2020

Esta gente espantalha, Violenta e idólatra, Um plano certamente tem. Quer o pobre encurvado, Para manietá-lo de pronto. Ser capataz do império, E das sobras o dono, É o desejo deste tanto. Como uma cunha invertida, Que na superfície aflora, Esta elite indecente, Fere os pés do vivente, Deixando-o à própria sorte. Hoje o pavor assombra, Será do amanhã afastado. Nesta via do incógnito, O futuro não comporta, Este tip...

O presente

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação:

no meu aniversário peço ao altíssimo que povilhe de estrelas o céu da pequena cidade que derrame como chuva fogueiras crepitantes ao longo da rua caetés e, se não for pedir muito, que as noites de são joão sejam eternas no meu e no seu coração e aproveito também para rogar aos santos reis minha eterna gratidão no meu aniversário convido os amigos para a outra vida que virá assim que esta vida se for no meu aniver...

Poesia do confinamento – I

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 17/09/2020

Refletia ela nos olhos luzes intermitentes De um neon cor fúcsia piscando na parede Pouco se lixava para esta história De quarentena e cuidados outros Depois de se embebedar, ficava a tecer Filosofias um tanto desconexas Como a respeito de comportamentos Suas convicções, credos Fumava um cigarro após outro E beber, como bebia! Mas, sejamos claros Uma pessoa que importava Que não merecia se acabar Como acabou De maneira t...

Quase canção

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 19/08/2020

(wesley pioest & gonzaga medeiros & antonio angelo & lucio ferraz) Oh mulher de indizíveis olhos Que me trouxe manhãs ao coração Que é vento em forma de poesia Que vigia a minha alma E que, de repente, é canção. Naquela tarde essa mulher havia, No ar de violinos da ilusão As suas cordas me fizeram eterno, Tocadas em suave melodia Em parceria, pelas nossas mãos. Quando caminhava rumo à noite, Mulher de...

O grande embuste – parte II

Publicado por Lucio Carlos Ferraz
Data da publicação: 07/08/2020

Nestes tempos de treva, Dissemina-se incontida, A milícia que entranha. A milícia é um câncer Ou um tipo de máfia. Esta estrutura pavorosa, Pela violência ou malícia, Assassina quem resiste, E o que sobra, torna escrava. Esta fera do achaque Que aterroriza e mata, Na periferia explora, A extorsão e chantagem, Fazendo desta prática, Uma banalidade diária. Engendrado pela fúria, O próprio ódio encarnado, Ardilosamen...

O grande embuste – parte 1

Publicado por Lucio Carlos Ferraz
Data da publicação: 23/07/2020

Na própria casa do povo, Em um crime de lesa-pátria, Para escárnio de todos, Foi uma infâmia consumada. O país entorpecido, Pelo insulto e afronta, Pela hediondez cometida, Aparvalhado se encontra. É um múltiplo tormento, Este elogio macabro, Que o vulto do sinistro, Bovinamente apoiado, Ainda celebra a tortura, E o verdugo, consagra. Fosse expulso ou preso, A um hospício enviado, Para assombro do mundo E gáudio do az...