Poesia

Esse meu fado

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 16/08/2019

No quarto crescente desta madrugada um anjo empilha versos invisíveis ao lado da minha cama enquanto durmo, assim imagino. Não alcei altos voos mas entrego os meus poemas como uma dádiva, acredito. Dos versos invisíveis extraio a minha gramática está escrito. Na ribanceira minguante deste outono o anjo assopra poema em meu ouvido mas eu logo o perco quando acordo, assim imagino. Não entreguei a alma mas me dobrei ao sen...

Para onde correm nossos rios?

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 30/07/2019

Alberto Caieiro é quem diz: O rio da minha aldeia não faz pensar em nada Quem está ao pé dele está só ao pé dele Para o Poeta, o Tejo não é mais belo que o rio Que corre em sua aldeia. O Tâmisa escorre grandioso por Londres Vi pessoas pescando à beira do Sena Mississipi, Nilo, quantos maravilhosos rios Mas o que me interessa, são os rios de minha aldeia. Pobres e vilipendiados rios de minha terra A que ponto os lev...

A inconsistência dos dias

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 25/07/2019

Que dia é este Que escorre das venezianas Com sua luz leitosa? Lá fora o inverno governa impiedoso Vejo sobre a mesa de cabeceira a cristalização Da cínica implacabilidade das horas Papéis se amontoam ao pé da cama Ligo a televisão e a monotonia rotineira Em nada pode me animar Os dias, que são os dias afinal? Como livros aos milhares numa biblioteca As lombadas dispostas para as decifrarmos Sem que nossos olhos nelas...

Das imperfeições

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 22/07/2019

antevejo a extrema-unção destes anos tão longevos por garimpar a perfeição e só ter na bateia erros e se descobrisse acertos caberiam juntos nas mãos deixando fugir aos dedos a astúcia da imperfeição Da perfeição (Lucio Ferraz) Nesta procura de acertos Aprendi com gratidão, Que de infinitos erros, Compõe-se a perfeição Compartilhar este Artigo

Atentai

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/07/2019

Nós, os que menos temos é que dividiremos nossas parcas rendas com os que nada têm Nós, os que menos temos é que calejaremos nossas mãos plantando para os que não têm o que comer Nós, os que menos temos é que acolheremos em nossos barracos os que não dispõem de moradia E vós que atulhais de dinheiro suas contas bancárias como se aí estivésseis em segurança que banqueteais à tripa forra desconhecendo a miséri...

Em obras II

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 03/07/2019

Escuto no fim da tarde A voz do saxofone Da janela de Hidelbrando. Escuto a minha infância No ar se desmanchando. A velha casa desbota Debaixo do azul do céu O inferno é mais embaixo. Escuto seu crepitar Como fosse um São João Em mil e uma fogueiras. Os rapazes ficam murchos As moças perdem o viço. A juventude é um rio Que nunca passa de novo Como areia de ampulheta. E ainda escuto Agnério Tentando parar o tempo Na in...

Sem surpresa

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 26/06/2019

Não me admiraria Ver ao despertar O sol nascendo a oeste Nem se a lua diáfana Aparecesse sobre os telhados Que riscam o horizonte ao norte O mundo vive na imprevidência Onde os cálculos se avolumam Mas deixam escorrer em seus portões Inesperados fenômenos Eclosão do não previsível A instabilidade da maquinaria Da vida, da natureza Dos átomos, células e astros Que fogem a tudo que a ciência Plenipotenciária entende...

Maha Leela

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 03/06/2019

De frente para o trampolim Pulo Sem rumo Me perco Entre o ar e a agua dou uma cambalhota Mergulhos Nos infinitos Céus Da piscina Das aguas de Iemanjá Caio Me curo perco o folego Submerjo Sou salvo Por Oxum No universo dos arquétipos Mergulhei no Inconsciente coletivo Psicoses miméticas Iluminações diárias Agua que banha e cura Diversão sem fim Na grande brincadeira cósmica que os hindus chamam: Maha Leela Compartilhar...