Poesia

Roleta russa

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 12/04/2019

de tempos em tempos ele a ama de tempos em tempos ela o odeia de tempos em tempos estranha-o de tempos em tempos deseja-a em hamletiano roteiro nunca se acham por inteiro de tempos em tempos a preza de tempos em tempos o despreza de tempos em tempos brigas e contratempos de tempos em tempos de volta os bons ventos é quando se os vê aos bares em apaziguados olhares tomam drinques, elixires em algum leito lado a lado se estira...

Ao seu feitio

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 21/03/2019

Um cara ao olhar dentro de si Não encontrará todas as partes Mas verá além da pequena cidade E se desencantará em forma de arte Até que alcance o outono esse cara Salgará a terra em que pisou Até que chegue o inverno esse cara Dispensará todas as promessas Menos a que realmente importa Aquela a que seu pai lhe condenou E não mais se traduzirá em palavras Como o barro que saiu do chão Toma outra forma por obra da m...

A outra face

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 19/03/2019

Dizes-me, Sacerdote Oferece a outra face Para que? Se esta mesma face Por várias vezes Foi estapeada? Mas, ainda me repetes É preciso oferecer a outra face Como se fosse neste ato Que me redimisse Dentro de mim há um grito Um basta! Fraco que sou Não revidarei Fraco que sou Talvez até fuja O mais reles, covarde A fugir Mas a outra face Esta Manterei incólume Compartilhar este Artigo

A gaiola do amor

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 13/03/2019

Se não te experimento, não conheço A vertigem do Amor que se derrama E, como incêndio, todo o ser inflama, Deixando o Cosmo exposto em seu avesso. Por isso é que o Amor jamais tem preço: Recusa o ouro, não se entrega à Fama, Nega o Poder e foge à sua trama, Recusa os ídolos de prata ou gesso… Se eu amo, sou escravo do Absoluto: Da minha liberdade faço a oferta E o coração no Altar palpita aceso… O Amor...

Adventismo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 25/02/2019

Já fui rei e profeta andei sobre as águas domei povos bravios meu exército invadiu terra de bárbaros hereges mandei à degola. Depois cansei-me virei pastor construí templos onde todos os dias subo ao púlpito pregando minha descrença Compartilhar este Artigo

Novos tempos

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 18/02/2019

O carteiro daquela vila perdida nos sertões gerais especula: Porque o trabalho se amesquinhou? Cadê as cartas do namorado que vinham de longe e deixavam a mocinha saltitante? Perguntava, tão logo o via: Senhor Carteiro, que traz para mim hoje? Agora a moça ao fim da rua depois da ponte sobre a linha férrea já não o espera no alpendre em meio a vasos, margaridas, samambaias com olhos brilhantes de expectativa. O carteiro...

Campo de mártires

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 11/02/2019

“Deus! Ó Deus! Onde estás que não repondes? Em que mundo, em qu’estrela tu t’escondes embuçado nos céus?”Castro Alves  Da janela do meu apartamento Vejo os helicópteros Que seguem rumo Ao campo da morte de Brumadinho  Vão para onde não mais Bosques, fazendas, pousadas Águas cristalinas Gorjeio de pássaros  Agora é só Lama Desespero Corpos trucidados O lento escorrer da massa amorfa Semovente ...

De estimação

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 31/01/2019

Feito um cão que ladra e não morde Demarco meu território. Daqui até lá, de lá pra cá, acolá. Depois estico as pelancas Sobre o capacho, a rede na varanda, E astuciosamente faço a vigília. Ao modo de um cão, todo lealdade. Diferentemente de um cão Prescrevo-me logo um cálice de vinho Que, como queria o meu compadre João Sebastião, sábio o bastante Para ir morar distante da capital, Esfria o sangue quente Esquen...