Poesia

O ermitão em sua gruta

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 31/03/2020

Agora vejo Dentro do atroz confinamento, Que perdi minha sombra. Percebo agora Mas já deve fazer algum tempo. Uma sombra, afinal, não some Sem mais nem menos Do dia pra noite. Ela nos deixa devagar, aos poucos. Lembro-me da minha sombra Acompanhando cada passo Nos paralelepípedos da rua, Nas calçadas, ao ritmo do baile, Conforme a dança. Andava eu debaixo da luz dos postes Naqueles dias primevos. Eu e minha sombra, esguia...

Mundo Asséptico

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 27/03/2020

Madame transita pela avenida Em reluzente Mercedes blindada Cruzando a cidade quase deserta Amedrontada pela epidemia Motoboys, caixas às costas, passam acelerados Mendigos sob marquises Em promíscuo abandono, faces emaciadas Cachorros e crianças de permeio No sinal, um garoto raquítico Praticando malabares Ela desvia o olhar, não quer se aborrecer - É o que me faltava! Com ar de disgusting Observa o motorista pelo retro...

O que não fica para trás

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 12/03/2020

Das frestas do camburão Posso entrever retalhos de cenários mal iluminados Flashs da cidade onde vivo Subindo a Rua da Bahia, o Bar da Imprensa Lá – noite de sexta-feira Mulheres de Athenas carregam nos olhos A melancolia de romances irrealizados Logo acima, a Igreja de Lourdes Na esquina de Gonçalves Dias Olhando abaixo, à direita O DCE onde Gonzaguinha repete seu Grito de Alerta Depois, a Praça da Liberdade Sobre...

Antes e depois da enchente

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 26/02/2020

Debaixo de alguma porta Entrará este poema. Quem sabe estragará os móveis Ensopará o fogão, a geladeira Estragará cama, sofá, tapetes. Debaixo da nuvem escura Desaguará este poema. Trincará talvez o muro da casa Apagará uns nomes nas calçadas Carregará a fotografia da irmã. Sobre o asfalto insepulto Escoará enfim este poema. Até que um rio um mar o acolha Até que se transforme em vapor E um dia então chova em ...

Grito de carnaval

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 18/02/2020

no Carnaval os foliões saltam e gritam exteriorizam-se tocam-se os corpos e se contorcem engalanados ou quase nus prazer e gozo suor e beijos a carne explode num só desejo esta a festa onde não se deve unir o triste ao desprazer onde as ideias pobres plebeias não valem mais que um riso aberto de colombina no turbilhão desta folia o que se quer é se acabar o que se deve é esquecer e o que não falta é muito jogo é muit...

Viagem sem rumo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 04/02/2020

Perseguindo miragens Afasto-me da linha da costa Atrás do que me acena no horizonte Como um beduíno num deserto de águas Deixo correr meu barco ao sabor de ventos Rumo a destino indefinido Sereia recostada num rochedo Que ascende em alto mar Luzes de um navio no horizonte… Como um Amyr Klink sem mapas Lá vou eu, sem a mínima noção De como retornarei ao ponto de partida E menos ainda de aonde vou aportar Ao cursar ...

Manifesto

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 19/12/2019

Fomentemos o medo incrementemos a desídia segreguemos os que, ingenuamente acreditam na paz entre os homens Incluamos em nossa aliança fileiras de malévolos inquisidores, manipuladores de opinião que se agregarão e disseminarão mensagens que atendam a nossos propósitos propagando dogmas e estratégias que não se distanciem de nossas ideias Joguemos – em algum momento – a toalha e digamos ah, estamos cansados, e...

A arte de viver

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 17/12/2019

Eu me pergunto: é isto a arte de viver? É um tal indiferente, lento procrastinar Antes que a última neve apague os amanhãs Em ofertórios e impossíveis súplicas? Mas e se um poema faz algo novo acontecer Ou se o silêncio vem depois tudo afastar Antes que os versos sucumbam ao leviatã E não permitam ao menos uma réplica. Alguém que cante vai tocar nos corações As teclas que levam as pessoas a mudar E é nesse momen...