Arquivo do Autor

III – Coração Pleno, Mente Confusa

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 30/10/2019

Voltando ao Rio, para chegar a Botafogo, peguei um bonde e um metrô. Interessante o passado e a modernidade conviverem juntos. O Rio é a cidade das antíteses. Sociais, culturais, econômicas, tecnológicas. Tanto o velho bonde, quanto o moderno metrô me foram muito úteis, e rapidamente chegava ao meu destino. Lá, logo de cara, vi uma cena pitoresca. Um sujeito meio velho com alma de novo, “plantando bananeiras” na fr...

II – Meandros da Memória

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 18/10/2019

Com 23 anos, já tinha me formado em História há um ano, e estava com o mestrado em curso. Exatamente esse mestrado que me levou à viagem. Ao Rio de Janeiro. Nessa época ainda trabalhava em um projeto de pesquisa na universidade, e aliando meus interesses de pesquisa e as necessidades desse projeto, resolvi ir ao Rio de Janeiro. Essa cidade sempre me cativara. Ambígua, paradoxal, com suas belezas naturais e desigualdades ...

I – Memórias Desconexas

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 27/09/2019

Acordei sem saber onde estava. Na realidade percebi que ficara certo tempo sem consciência de mim. Algumas lembranças fugidias, desconectadas, nada que me ajudasse a perceber o que ocorrera. Estava em um quarto, com duas camas vazias. Eu dormia com um colchão no chão, e as camas ao meu lado. Um banheiro, um armário. Certamente não estava em uma prisão ou hospital. Mal sabia que era um misto dos dois. Vi que a televisão...

Maha Leela

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 03/06/2019

De frente para o trampolim Pulo Sem rumo Me perco Entre o ar e a agua dou uma cambalhota Mergulhos Nos infinitos Céus Da piscina Das aguas de Iemanjá Caio Me curo perco o folego Submerjo Sou salvo Por Oxum No universo dos arquétipos Mergulhei no Inconsciente coletivo Psicoses miméticas Iluminações diárias Agua que banha e cura Diversão sem fim Na grande brincadeira cósmica que os hindus chamam: Maha Leela Compartilhar...

Por uma subjetividade erótica – parte III

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 14/06/2018

Esses novos seres que o guru preconizava, ou profetizava, se sintetizariam na ideia de Zorba, O Buda. Esses seriam seres que conjugariam as duas dimensões essenciais da existência humana: uma terrena, mundana, de prazeres e gozos, hedonista diríamos, o lado Zorba, inspirado no personagem Zorba o Grego. Do outro lado sua natureza búdica, que se manifesta na contemplação e meditação, comungam com o Universo e transcenden...

Por uma subjetividade erótica – parte II

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 22/05/2018

Reich foi um inadaptado intelectual. Suas teorias continuam à margem dos cursos de psicologia no mundo, apesar de sua contribuição fenomenal no entendimento da formação das neuroses no seio do capitalismo moderno. Reich foi psicanalista, mas acabou por ser excluído do círculo de Viena por Freud, devido às ortodoxias do pensamento deste. Foi membro do Partido Comunista, mas acabou rompendo com eles também, por suas ác...

Por uma subjetividade erótica – parte I

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 11/05/2018

Osho, nome pelo qual ficou conhecido o guru indiano, Rajneesh Chandra Mohan, foi um perseguidor incansável de ortodoxias, tradições e status quo moralizantes, repressores e alienantes. Se, por um lado, sua visão de uma espiritualidade encarnada no corpo e livre de dogmas e tabus se insurgiu contra uma ordem repressora e dominadora na India da sociedade de castas ou nos Estados Unidos, potência do capitalismo mundial, por ...

Shakitpat

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 21/12/2017

Em minha jornada acabei me deparando com algo que seria uma “busca espiritual”. Esse termo denota algo que esteja fora, distante, e que devemos alcançar. Algo dual, como se eu sujeito tivesse um objetivo, uma meta a alcançar, e chegando lá a busca teria fim. Doce ilusão. Nos meios espirituais muito se fala sobre a tal iluminação, que seria um estado livre de sofrimentos, e pleno, um ser como Buda, enfim. Mas descobri...