Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Kant – frases VI – Método

Publicado por Editor em Filosofia, Kant, Immanuel
data: 14/04/2015

sadas

Quem não sabe o que busca, não identifica o que acha.

Todo o conhecimento humano começou com intuições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias.

A nossa época é a época da crítica, à qual tudo tem que submeter-se. A religião, pela sua santidade, e a legislação, pela sua majestade, querem igualmente subtrair-se a ela. Mas então suscitam contra elas justificadas suspeitas e não podem aspirar ao sincero respeito, que a razão só concede a quem pode sustentar o seu livre e público exame.

Só a crítica pode cortar pela raiz o materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a incredulidade dos espíritos fortes, o fanatismo e a superstição, que se podem tornar nocivos a todos e, por último, também o idealismo e o ceticismo, que são sobretudo perigosos para as escolas e dificilmente se propagam no público.

O que é o Iluminismo? O Iluminismo representa a saída dos seres humanos de uma tutelagem que estes mesmos se impuseram a si. Tutelados são aqueles que se encontram incapazes de fazer uso da própria razão independentemente da direção de outrem. É-se culpado da própria tutelagem quando esta resulta não de uma deficiência do entendimento mas da falta de resolução e coragem para se fazer uso do entendimento independentemente da direção de outrem. Sapere aude! Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – esse é o lema do Iluminismo

Há uma lógica curiosa e convincente, mesmo no mais perverso pensamento humano.

Pensamentos sem conteúdos são vazios, intuições sem conceitos são cegas.

A razão só tem uma intuição sobre o que ela cria depois de um esboço próprio.

A experiência é sem qualquer dúvida o primeiro produto que o nosso entendimento obtém ao elaborar a matéria bruta das sensações.

A experiência é um conhecimento empírico, isto é, um conhecimento que determina um objeto por percepções.

A razão foi-nos atribuída como poderio prático, isto é, como poderio que deve ter influência sobre a vontade.

Uma proposição incorreta é forçosamente falsa, mas uma proposição correta não é forçosamente verdadeira.

As ideias da razão pura jamais podem ser em si mesmas dialéticas, mas tem que ser o seu simples abuso que faz com que delas surja uma aparência enganosa.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Filosofia Kant, Immanuel

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Deixe um comentário