bar do portuga na lagoinha

Crônicas Culturais, Memórias

Bar do Portuga na Lagoinha
Data da publicação: 19/01/2018

Lembranças ajudam a viver. Sem nada para fazer em casa ia até o Bar do Portuga, ali na esquina, pedia uma pinga e ficava à espera de que aparecesse alguém com disposição para ouvi-lo. Sempre aparecia outro com tempo também ocioso. Muita coisa era inventada pela sua cabeça septuagenária. Outra parte poderia ser confirmada por registros de diferentes áreas. Sentava e, havendo ouvidos, lá vinha...

a oração de maricota

Crônicas Culturais

A oração de Maricota
Data da publicação: 17/01/2018

Naquele sábado, Maricota acordou triste. Mais um dia de solidão. Era sempre assim quando a escola não funcionava. Um vazio imenso tomava conta de seu coração solteiro. Maricota saiu pela rua deserta, calçada de pés-de-moleque, e dirigiu-se para a velha matriz. Nas paredes do edifício colonial, a franja verde da hera cobria toda a pedra. Entrou pela porta lateral e dirigiu-se ao altar de Santo A...

leitores-20180101

Espaço do Leitor

Comentários dos leitores – 1ª quinz...
Data da publicação: 16/01/2018

Antonio Ângelo em “Uma história e depois outra” Nova York, Berlim ou Bombaim [e até mesmo Pequim], Pompéu tem de tudo um pouquim, né Verly? Que bom que esta Gata Borralheira saiu da escravidão e – se não foi a Princesa – certamente soube se libertar das amarras. E vivas à Macondo Mineira! —————————– José Jésus Gomes de Araújo em “Dia de Santa...

sobre a nudez humana

Crônicas Culturais, Religião

Sobre a nudez humana
Data da publicação: 11/01/2018

Há muitas espécies de nudez. Todas elas, bem humanas. A nudez do recém-nascido na hora do parto. A nudez do paciente na mesa de cirurgia. A nudez da vedete na capa da revista. A nudez “inocente” dos indígenas. A nudez congelada do cadáver no necrotério. A nudez apocalíptica dos 111 presidiários mortos, estendidos no pátio do Carandiru… Natural, nós reagimos diferentemente em todos e...

cenas de um casamento

Poesia

Cenas de um casamento
Data da publicação: 10/01/2018

como num filme de bergman vejo-a em branco e preto contra a paisagem que se dilui em cinza braços cruzados, está ora de lado (seu perfil delicado desenha-se contra o écran da manhã invernosa) ora de frente, olhos de liv ullman que me interrogam com desaponto cobrando-me entregas não consumadas como num filme de bergman caminhamos na praia pedregosa evitando discutir promessas descumpridas seguro s...

quando eu era criança

Devaneios

Quando eu era criança
Data da publicação:

Quando eu era criança pequena” em Araxá, ouvia dizer: “Política e Religião não se discute.” Passados setenta anos, observo: 1 – A presença, cada vez maior, de religiosos no Congresso; 2 – O culto estendido a semideuses, capazes de, sozinhos, levar o Brasil aos portões do paraíso ou atirá-lo ao mais profundo dos purgatórios, montando história ao bel prazer, centrada em heró...

uma verdadeira aula de direitos humanos

Cidadania, Devaneios, Políticas Sociais

Uma verdadeira aula de direitos humanos
Data da publicação: 04/01/2018

Neste primeiro dia de 2018 olhando as montanhas verdejantes da minha querida cidade de Lima Duarte, no coração da Zona da Mata Mineira reflito sobre os valores comunitários da solidariedade e da união, muito sólidos e presentes no meu núcleo familiar. Aqui a gente acorda com o canto dos galos e durante todo o dia pode-se ouvir o gorjeio dos pássaros como uma orquestra suave e também o latido do...

leitores-20171202

Espaço do Leitor

Comentários dos leitores – 2ª quinz...
Data da publicação: 03/01/2018

Dulcimeia em “Natal sem círios” Bárbaro! —————————– aminthas em “Natal sem círios” ACEITO O CONVITE PARA PASSAR ESTE NATAL SEM CIRIOS, PARA TENTAR DESSCOBRIR ALGUMA HUMANIDADE. POSSO CONTRIBUIR COM MEUS FADIGADOS AFETOS.RESTAM POUCOS,MUITO POUCOS… E AINDA MIGALHAS DE FÉ. AO AMIGO PARABÉNS PARA NOS APRESENTAR ALGO A REFLETIR. ———————...