Tamanho da Letra: [A-] [A+]

William Shakespeare – Frases – parte VII

Publicado por Editor em William Shakespeare
data: 18/09/2014

Dramaturgo filósofo e poeta inglês

gato_preto

Sabedoria II

Se você se sente só, é porque ergueu muros em vez de pontes.

Entra no teu peito: bate, e pergunta a teu coração o que sabe ele.

Se a música é o alimento do amor não parem de tocar. Deem-me música em excesso; tanta que, depois de saciar, mate de náusea o apetite.

Que a melhor sala de aula do mundo está aos pés de uma pessoa mais velha; Que quando você está amando dá na vista; Que ter uma criança adormecida em seus braços é um dos momentos mais pacíficos do mundo.

Aquilo que pedimos aos céus na maioria das vezes se encontra em nossas mãos.

Sabemos o que somos, mas ignoramos o que podemos nos tornar.

E enquanto nesta terra houver um ser,

Meus versos vivos te farão viver.

E todos os homens e mulheres não passam de meros atores, eles entram e saem de cena e cada um no seu tempo representa diversos papéis.

A arte é o espelho e a crônica da sua época.

Há mais coisas no céu e na terra, Horácio, do que sonha a tua filosofia.

Aprendi que deveríamos ser gratos a Deus por não nos dar tudo que lhe pedimos.

A miséria habitua o homem a estranhos companheiros de cama.

Ó doçura da vida: Agonizar a toda a hora sob a pena da morte, em vez de morrer de um só golpe.

Vivi muito tempo, e o caminho da minha vida perde-se nas folhas amarelas e secas.

O resto é silêncio.

Dormir, dormir… talvez sonhar… (Hamlet )

Aprendi que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

Aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam…

Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.

A vida é enfadonha como uma história contada duas vezes.

O mundo está desarticulado.

Eu sei de que maneira pródiga a alma empresta juramentos à língua quando o sangue arde.

É uma infelicidade da época, que os doidos guiem os cegos.

Choramos ao nascer porque chegamos a este imenso cenário de dementes.

Os homens de poucas palavras são os melhores.

Temo a tua natureza; ela está demasiado cheia do leite da ternura humana para que seja capaz de seguir o caminho mais curto.

O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém.

Ser grande, é abraçar uma grande causa.

O sábio não se senta para lamentar-se, mas se põe alegremente em sua tarefa de consertar o dano feito.

Em certos momentos, os homens são donos dos seus próprios destinos.

O meu corpo é um jardim, a minha vontade o seu jardineiro.

Não, Tempo, não zombarás de minhas mudanças!

As pirâmides que novamente construíste

Não me parecem novas, nem estranhas;

Apenas as mesmas com novas vestimentas.

Um fogo devora um outro fogo. Uma dor de angústia cura-se com outra.

Combater e morrer, é a morte derrotar a morte, mas temer e morrer é fazer-lhe homenagem com um sopro servil.

Se fazer fosse tão fácil quanto saber o que seria bom fazer, as capelas seriam igrejas, e as choupanas dos pobres, palácios de príncipes.

O pensamento é escravo da vida, e a vida é o bobo do tempo.

O destino é o que embaralha as cartas, mas nós é que jogamos.

É um péssimo cozinheiro aquele que não pode lamber os próprios dedos.

A minha consciência tem milhares de vozes e cada voz traz-me milhares de histórias e de cada história sou o vilão condenado.

A vida é uma simples sombra que passa (…); é uma história contada por um idiota, cheia de ruído e de furor e sem sentido algum.

Vamos todos rir das borboletas douradas.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em William Shakespeare

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Deixe um comentário