Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Medicina: pacientes ou cobaias?

Publicado por Carlos Scheid em Comportamento, Medicina e Saúde
data: 12/01/2017

medicina pacientes ou cobaias
Entre os motivos de queixas dos cidadãos contra os governantes de hoje, destaca-se a falta de acesso aos serviços médicos. Como pano de fundo, a crença generalizada de que o atendimento médico contribui para a saúde das pessoas.

No polo oposto, cresce um movimento cada vez mais forte contra a medicalização da vida, maré reforçada pela divulgação de abusos médicos no mínimo horripilantes: receituário de drogas antagônicas, indicação de cirurgias desnecessárias, implantação de próteses inúteis e, para o escândalo das manchetes, o abuso sexual de pacientes anestesiados.
Um pouco de História ajudará a ver que, ao longo dos séculos, as ciências médicas nem sempre foram muito “científicas”, o que se comprova pelo abandono de técnicas e de procedimentos que já estiveram na moda.

Ainda no início do Séc. XX, eram comuns as sangrias, aliás, conhecidas desde Hipócrates, no Séc. V a.C. Os pacientes eram sangrados a título de equilibrar os “humores” do corpo em pessoas enfermas, ou mesmo como método de prevenir doenças. Isto se fazia com incisões nas veias ou com a aplicação de sanguessugas. Vale lembrar que os primeiros cirurgiões foram os barbeiros-sangradores do exército, que usavam a mesma navalha para barbear o comandante e para amputar os membros dos soldados feridos.

Há menos de 200 anos, um médico assumiu a direção de um hospital em Viena e ficou assustado com o alto índice de óbitos pós-parto. 13% das parturientes morriam de febre puerperal, mortalidade muito mais alta do que entre mulheres que tinham os filhos em casa. O Dr. Ignaz Semmelweis mandou os assistentes esterilizarem as mãos e determinou a troca dos lençóis após cada parto. Os óbitos caíram para algo próximo de 1% após dois anos das modificações. Mas os fatos desmentiam as teses dominantes na medicina da época e Semmelweis acabou demitido de suas funções, com o argumento de que a lavagem dos lençóis aumentava os custos do Hospital Geral de Viena. Isto, em meados do Séc. XIX.

Chegando ao Séc. XX, poderíamos lembrar uma prática da “moderna” neurologia: os eletrochoques. São conhecidas as denúncias de que tal prática médica – a convulsoterapia pela aplicação de choques elétricos – era receitada indiscriminadamente para pessoas agitadas, rebeldes ou simplesmente alcoólatras. Desde a década de 1970, tais procedimentos foram demonizados e associados à tortura.

Outra herança dos antigos – e que insiste em alguns desvãos da medicina – é a aplicação de ventosas, já conhecidas do velho Hipócrates – para extrair do paciente os espíritos ou humores causadores de enfermidades.

Se entrarmos na área dos fármacos amplamente receitados, veremos que os pacientes ainda são vistos como cobaias. Os analgésicos opiáceos são recomendados pelos médicos, mesmo sabendo que irão viciar seus pacientes. Aqui e ali, entra em comercialização determinado antibiótico que poderá causar surdez, como a neomicina, ou riscos cardíacos e acidentes vasculares, como o Vioxx. Depois de algum tempo – e muitas mortes – o produto é simplesmente retirado do mercado.

Pesquisa realizada nos EUA, nos anos 80, listava os principais fatores de saúde – estilo de vida, hereditariedade, condições ambientais e assistência médica – atribuindo a este último um “peso” de apenas 10%…

Teria razão a vovó, com seu chazinho da horta?

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Comportamento Medicina e Saúde

Carlos Scheid -
Comentário
  1. Maria do Carmo

    Talvez a pior coisa da medicina hoje é que não existem mais médicos como antigamente. Nas pequenas cidades às vêzes só havia um médico, quando tinha, mas ele tinha capacidade de resolver problemas sem precisar de laboratórios, exames com equipamentos, pois ele tinha uma visão da saúde como um todo. Hoje os médicos dependem demais dos exames com equipamentos sofisticados e se tornaram muito especializados, entendem muito de quase nada, estão sempre empurrando para outros especialistas, como se fosse uma linha de montagem. Não estaria ocorrendo uma excessiva supremacia das multinacionais da indústria de equipamentos sobre a formação dos nossos médicos? Fora a influência perniciosa da indústria farmacêutica que está sempre fazendo lavagem cerebral nos médicos, oferecendo pacotes turísticos brindes e mimos caros. Acho que em termos de saúde nós mortais estamos cada vez mais nas mãos de Deus, é um Deus nos Acuda!

Deixe um comentário