Arquivo do Autor

Espelhos vazios

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 13/09/2021

⠀⠀⠀⠀⠀ Nada do que é meu Posso eu te dar Pois o que tenho A mim não pertence ⠀⠀⠀⠀⠀ Do que possuis Não me apossarei Pois o que tens A ti não pertence ⠀⠀⠀⠀⠀ Mas se algo resta Que supomos nosso Bem percebemos De nós se ausenta ⠀⠀⠀⠀⠀ O que nos sustém Ante o imenso vácuo Se ao alcance apenas Reflexos, miragens? — ⠀⠀⠀⠀⠀ O que tenho, desdenhas Já me destes a senha Pouco i...

No hospital

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 17/08/2021

Professor, eu agradeço dos remédios o acerto as meizinhas é bem certo me darão algum sossego ⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Ah! no ror de comprimidos não esquece as vitaminas que este corpo franzino cada vez mais se amofina ⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Calmantes, muito bem vindos que a noite é um sacrifício anda o sono desgarrado me deixando aperreado ⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀...

À margem

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 01/07/2021

Aqui neste boteco de estrada sem destino Se encontra às sextas-feiras, à noite O solitário masculino Até alta madrugada, falam de dramas Enquanto, sem contenção Se embriagam, fumam, discutem Arremedo de teatro Ao som de canções melodramáticas Com a vida trapaceiam Este fala: paixão sem chances Aquel’outro: traições De viagens o que está ao balcão Um, da prisão recém-liberto Comenta, em palavras tortas Sobre o...

Longo aprendizado

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 31/05/2021

foi um treino demorado por meses meu avô me levou ao topo da colina para pacientemente me instruir lembro-me de seus cabelos revoltos a face vincada, alva barba de suas palavras de incentivo abria os braços, levantava uma perna depois a outra, corria como numa dança dava saltos… falava-me das chuvas e do estio dos ventos e suas direções demorada observação dos pássaros traçava no chão desenhos a explicar força...

Amores desistidos

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 28/04/2021

I Antevisto o drama Quando ela vier Aquela mulher Dizer que não o ama Há de se debulhar Em lágrimas Há de ensejar Esgrimas Inútil subverter A aritmética dos fatos Ou pegar a se revolver Em absurdos teatros Apenas a palavra final Haverá de se impor Sibilina, conformada Em definitivo desamor II Estaremos juntos Enquanto ele não estiver Passearemos, iremos ao lago Em meio à floresta À noite, ao pé da fogueira Brindarem...

Oh, não será!

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 17/02/2021

Base em tons suaves Blush nas faces, rímel realçando os cílios - capitulados olhares Lábios delineados, baton vermelho Decote desvendando tatuagens Sorriso de Garbo E sairei, sairei meu amor, nesta sexta-feira Livre, livre, livre! Mas não irei ao seu encontro Não irei – a abraça-lo, beijá-lo Entregar-me como vezes tantas fiz Buscarei outros acasos Outros roteiros – absurdos que sejam Meia-luz, abruptas cortinas se ...

Novo ano velho

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 31/12/2020

antever o ano novo como uma vidente alçando de repente desnorteado voo para um estágio de venal felicidade hipotético apanágio ao cerne da verdade curtamos a ideia nem um pouco avara de que o futuro cede ao propósito das cartas ou a poções estranhas que em rutilantes doses nos levam a nirvanas em mirífica hipnose em êxtase projetemos de maneira pueril indescritíveis planos lindos céus de anil acatemos incontinentes ...

Instável amante

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 19/11/2020

Gosto de poesia Como quem desvenda no céu Um casulo de nuvens Pouco importa se a poesia Se enverede por subúrbios Que adorne seus cabelos Que se torne de repente volúvel Na insegurança de uma teia Seguramente a poesia Pouco me serve É um desserviço Mas, continuemos, eu e ela A nos encontrar Num canto Num quintal mal cuidado Entre arbustos estéreis Que ela não me fuja Ou, se fugir Restar-me-ão às mãos Este delíquio,...