Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Aperfeiçoando o corpo energético

Publicado por Editor em Castaneda e Don Juan
data: 27/11/2013

Está é a charada sobre como é impossível, e ao mesmo tempo fácil, mover o corpo energético. Você está tentando movê-lo como se estivesse no mundo cotidiano. Nós gastamos tanto tempo e esforço aprendendo a andar, que acreditamos que nosso corpo energético também deva andar. Não há motivo para isso, a não ser que andar vem em primeiro lugar na nossa mente.

Os feiticeiros dizem que, no terceiro portão, todo o corpo energético pode se mover como a energia se move: rápida e diretamente. Seu corpo energético sabe exatamente como se movimentar. Ele pode se movimentar como no mundo dos seres inorgânicos.

Os feiticeiros levam um tempo infinito para aprender a movimentar o corpo energético. Depois que aprender sozinho como mover seu corpo energético, continue se movimentando. Mover seu corpo energético abre uma nova área, uma área de explorações extraordinárias.

Como você sabe, ser transportado por um batedor é a verdadeira tarefa de sonho do segundo portão. É uma coisa muito séria, mas não tão séria quanto forjar e movimentar o corpo energético. Assim, você deve certificar-se, de algum modo pessoal, de que está realmente vendo você mesmo adormecido, ou se está meramente sonhando que está se vendo adormecido. Sua nova exploração extraordinária depende de realmente se ver dormindo.

Neste ponto você precisa fazer uma manobra drástica. O emissário do sonho não tem nada que interferir em seus exercícios. Ou melhor, você não deve, sob qualquer condição, permitir isso. Faça uma manobra simples, porém difícil. Depois de começar a sonhar, verbalize em voz alta seu desejo de não contar mais com o emissário do sonho. Você vai se livrar dele para sempre.

Essencialmente não há necessidade de você eliminar o emissário. O importante é obrigá-lo a propor um modo alternativo, conveniente para você. Os sonhadores demoram muito para aperfeiçoar seus corpos energéticos. E é exatamente isso que está em jogo: aperfeiçoar seu corpo energético.

O motivo do corpo energético ser compelido a examinar o detalhe e ficar inextrincavelmente preso a ele deve-se à sua inexperiência, sua incompletude. Os feiticeiros passam a vida inteira completando o corpo energético, deixando que ele absorva tudo que for possível, como uma esponja.

Até que o corpo energético esteja completo e maduro, ele é autoabsorvido. Ele não consegue se libertar da compulsão de ser absorvido por tudo. Mas se levarmos isso em consideração, em vez de lutar contra o corpo energético, podemos ajudá-lo. Direcionando o comportamento dele; isto é, espreitando-o.

Como tudo que é relacionado ao corpo energético depende do posicionamento adequado do ponto de aglutinação, e como o sonhar nada mais é do que um meio de deslocá-lo, espreitar, conseqüentemente, é o meio de fazer o ponto de aglutinação fixar-se na posição ideal, neste caso, a posição onde o corpo energético pode ser consolidado, e da qual ele finalmente emerge.

No momento em que o corpo energético consegue se movimentar sozinho, os feiticeiros presumem que foi encontrado o posicionamento ideal do ponto de aglutinação. O passo seguinte é espreitá-lo, isto é, fixá-lo naquela posição para completar o corpo energético. O procedimento é de uma simplicidade total. Basta intentar espreitá-lo.

Deixe seu corpo energético intentar a chegada ao melhor posicionamento de sonhar. Em seguida, deixe seu corpo energético intentar a permanência naquele posicionamento, e você estará espreitando.

Intentar é o segredo, mas você já sabe disso. Os feiticeiros deslocam seu ponto de aglutinação através do intento, e fixam-no, igualmente, através do intento. E não existe técnica para intentar.

Aprendemos a intentar através da prática. O posicionamento ideal e a fixação do ponto de aglutinação são metáforas. Não têm nada a ver com as palavras usadas para descrevê-las.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Castaneda e Don Juan

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Deixe um comentário