Tamanho da Letra: [A-] [A+]

O mar não olha de volta

Publicado por Otavio Moraes em Crônicas, Devaneios
data: 14/12/2020

O mar não olha de volta

Apesar de barulhentos e nada eloquentes, habita nos bárbaros do nosso litoral momentos de silêncio, um silêncio tamanho ao ponto de tornar o adjetivo profundo ou mesmo tremendo um maneirismo empolado. É silêncio e ponto.

Nesses segundos, às vezes minutos e, pasmem, em alguns raros casos horas, os olhos ganham contornos bovinos. São olhos de adoração, mas sem compreensão, lugar comum entre fanáticos e enamorados.

O mar não olha de volta, nem compartilha do silêncio. Segue marulhoso e irresoluto, um Deus pagão desinteressado pelas coisas dos homens.

Esses que habitam o litoral nunca serão cristãos, pelo menos não católicos. Apesar da profusão de igrejas e do gosto sincero pelo incenso, falta no correr dos dias aquela agonia que me abate, homem vulgar das montanhas. A agonia de quem habita o barroco, a agonia das mãos retorcidas dos profetas de pedra sabão. O terror da cruz entre montanhas.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas Devaneios

Otavio Moraes - Doutorando em Literatura
Comentário
  1. Antonio Angelo

    Isto, Otávio. Nossas Geraes, em meio a montanhas, calcários e calvários, se recolhe, sob ventos e tormentas que não são os mesmos das terras beira-mar.
    Capixabas, por exemplo.

Deixe um comentário