Tamanho da Letra: [A-] [A+]

What would Henry Ford do?

Published by Sebastião Verly in Sociology
data: 22/01/2014

Henry Ford (1863-1947), creator of the automobile industry’s assembly line, masterminded the mass market for cars. Initially his goal was to lower the price of cars to make them affordable for his workforce. The industry would then generate both employment and consumption for its products. The touchstone of capitalism is the accumulation of capital fueled by profit, and in order to increase profit, consumption must be increased so that wages increase and employees themselves become consumers of the increasing production.

The worst threat to capitalism has always been overproduction crises and under-consumption. It may seem like a paradox, but capitalists need workers to make their money circulate. Michal Kalecki (1899-1970), Polish economist living in the USA coined the phrase, “Workers spend everything they earn, capitalists earn everything they spend.”

Modern capitalism, whose output grows exponentially, created marketing and merchandising ploys which fuel the desire to buy, but beyond actual need and entices everyone, without any distinction of religion, caste, skin color, hair type or levels of education and knowledge, want to buy what the system offers to sell, advertises and makes desirable, as Karl Marx put it, by virtue of the commodity fetishism.

Today’s intense propaganda mercilessly reaches everyone, like a tsunami, a tremendously big wave so to speak. Capitalism entreats to indebt households and individuals, inducing the most unwary of us to eagerly seek out petty trinkets. Long term leases and instalment plans are juggling acts which eventually make payment parcels irresistible. The final figures loom up when thoroughly accounted for, but none of that enters the game at first. What matters is satisfying immediate desires that lead us to joyfulness. To get people out of low moods, depression, panic syndrome, all too common in today’s modern world, there’s nothing like the magic touch of a good shopping spree.

Shopping malls, global capitalism’s cathedrals of consumption, bring you beauty, comfort and secure parking at affordable prices, stimulating purchases amid the varied pleasures of movie theaters, food courts (with all the tastes and flavors imaginable), fitness centers displaying sculptural bodies along their corridors and princely decorated shops, all equipped with exciting and stimulating lighting effects. Devoid of all shadow they include every kind of attraction conceivable for our six senses. They even add a subtle perfume in the air conditioning, with scented bathrooms and nurseries. And last but not least, an array of human and electronic security systems.

The media thrives in today’s globalized, civilized and glamorous shopping malls, and tributes back by stimulating “faithful consumers” to visit on a regular basis, emphasizing their security and select public of attractive and well-dressed people. Many women visit the beauty salon before going to the shopping mall where they hope to meet up with Barbie Girl and Playboy Ken.

Shopping malls have become main entertainment centers across the globe, especially in capitals and big city areas where real estate speculation tied together with political vice are uprooting common open recreational grounds at an alarming rate. Remember all our old boyhood soccer fields here in Brazil?

It is these modern basilicas of global consumption where adolescents of middle-class families arrange to meet up with a dozen or so friends at least once every other day. These “hang outs” happen without much fuss and are a pure a simple delight for kids these days. Generally they go out, grab a bite to eat, and then go see a movie after being lured in by the flashy posters. A middle class mother once told me that the only safe place she felt she could leave her teenage daughter with her friends is at the shopping mall.

A friend of mine once said, “The mall tries its hardest to disqualify the streets. Brazil is exemplary in this process, since we are bombarded every day by the news channels whose main goal seems to be to remind us how the streets are dangerous, lethal places. To me this is a commitment to society’s “safety bubbles” and it is in this spirit that we stay in our cars, shopping malls, gated communities and so forth. This is also one of barriers to a truly public transportation.”

In the end, hangouts are seen as a “street-ization” of shopping malls, the popping of a security bubble and therefore entitled to all the dangerous paranoia that the STREET has come to represent after years of disqualification as a place for people. The city just isn’t a common place for civilized human beings anymore. It’s a concrete jungle, where the left-outs of consumerism’s savagery subconsciously take revenge on the savagery of the social apartheid to which they are subjected.

Then comes the issue of security. This industry of fear coming from the media also has a commitment to the security industry… It’s even been said that this subject is the only one strong enough today to make us look back at our city planning, from the metropolis to a federal level, integrating public entities from all walks of government since, due to cultural reasons, we do not think of the nation, the territory as one, and of our common responsibilities except in a subdivided and stanch way; i.e., that piece over there is yours and this here is mine, that’s yours and this is mine!

Being projects designed to generate and intensify profit, these shopping centers have become the center of an unexpected and even outlandish controversy: the so-called hangouts. Youths from the periphery areas around the big capital are also affected by the big wave, a tsunami of unscrupulous marketing that does not respect any boundaries, territories, social or economic strata.

Every teenager dreams of the most stylish pair of shoes, backpack, designer clothing, ripped jeans (as fashion dictates), mobile phones, tablet, iPhone, iPad, stereo, camera, cologne/perfume and fast foods that are sold far above their real value by brand name ostentation and their fence of monopolies. No matter next month, the parceled payments, chump change; they fit in everyone’s wallets and purses, especially the new middle class, newcomers to consumerism hangouts.

In the food courts, Coca Cola reigns supreme. It is in 100% of all cafes and restaurants in Brazil. Where is C.A.D.E., President Dilma? In all of Belo Horizonte’s major malls there are only three store chains that sell tennis shoes and sports equipment, and they all have the same owner. The thing worked out so well for him that he moved the company from BH to Sao Paulo and still wants to extend his false competition ring throughout all of Brazil and has already announced that his plan is to reach across all of Latin America. Put some serious people in C.A.D.E., Mrs. President!

Attracted by the sensuous image of Giselle Bundchen and so many other mermaids, youths from around the periphery also want to see this world up close and have their chance buy one or two things on member credit cards. The other day I saw a simple guy from one of the outskirt neighborhoods accompanied by his wife and children in their best clothes, visiting a shopping mall in the southern zone of Belo Horizonte just to show off the majestic beauty of the shopping mall to a family whose relatives are all from the interior. Overwhelmed by the spectacle set before their eyes, they felt like they were on another planet.

The fantasy of consumption has taken hold of everyone. Capitalism has triumphed globally. Everyone wants what’s on the advertisements. Even small children refuse healthy food in exchange for what’s on the TV commercials. Just about everyone dreams of those special pair of shoes and in-style clothing, of the products and objects being offered in the display glass, however irrational it all may seem. One columnists and defender of the cornered classes, in a shout out against the hangouts confessed: “People have the right to consume in peace!” His subconscious mind admitted that people are not just there to fulfill material necessities, but emotional ones; they don’t need to buy, they need to consume.

Despite being a common occurrence for kids to gather on the outskirts, the fact that hundreds and even thousands of these youths gathered for a hangout in the shopping malls rose to the surface in early December, 2013 and had many chief politicians, with one eye on the financial backers and another on the polls, pulling their hair out by the root. One foot on the accelerator and the other on the brakes, no hairstyle could possibly endure!

It all started so seemingly by chance. At first, frightened security guards tried to skirmish the teenagers who were gathering in an enthusiastic way in the mall parking lot. The alarm caused by the bodyguards themselves led the “misguided” teens to penetrate the inner areas of the mall and the matter ended up on the managers’ desks and then to the trade associations who then brought it to town hall and to the governor himself. Following this, a female minister opined on the matter and even The President of the Republic had an audience requested in her schedule to address the matter.

The frightened media, one eye on the advertisers and the other on their audience, took the term hangouts which was already widely used to say “go out” or “stroll around” and broadcasted it to the entire country and even abroad.

The hang-outs intensified, encouraged even further by the attention they achieved. The little famous ones felt proud of themselves, and more people were lining up who wanted to become a little famous person as well, as the conveners of these mobilizations self-label themselves, similar to what happened to the leaders of the Free Pass Movement which triggered demonstrations in June of 2013 and thereafter become celebrities, their eyes set on a councilor position, or even a possible deputy mandate as Odorico Paraguassu, lead character of global soap opera, O Bem Amado, said in an interview. The term caught on to members of the recent student movements in Chile where three of the leaders became highly voted deputies. In the hangouts in Belo Horizonte for example, there are already more than one hundred thousand followers on online social networks.

The word “hang-out,” rolezinho in Portuguese, is already part of online Portuguese dictionaries and will soon be in print volumes. Its definition: “Modality of instantaneous public demonstration – invented by teenagers from outlying underprivileged neighborhoods, members of the poor population of major Brazilian capitals and usually convened via online social networks which gather dozens or hundreds of participants in shopping malls to socialize, draw attention to, fool around and have fun.”

Hang-outs have anticipated and go well together with the summer season, taking the media and the authorities’ place set aside for the June protests by the black blocs which scalded the winter season.

I read this: “Here’s the contradiction: the youthful revelry, stirring up the weekends of teenagers from the outskirts is a horror movie in the imagination of those who are tasked to ensure order…”

On the other hand, naive leftists dream that this is more pressure coming down from the dominated classes who seek social inclusion by all means. I certainly hope so!

It is apparent that such imaginary provocation is leading truculent security guards to raise their nightsticks, but only down on poor peoples’ heads who wear baseball hats, tattoos or piercings, and especially when their skin is Afro.

I also read: “On one hand you have kids who have barely turned eighteen, on the other, pigheaded military police officers or those guys in black suits, trained to be guard dogs for store owners’ interests, directing insults and aggressions to their undercapitalized neighbors from the outskirts and relatives even.”

The pharaonic temples of consumerism are experiencing days of ghostly apprehension. Sheer panic, like at the Leblon Shopping Mall in Rio de Janeiro when they closed their doors for the entire day on Sunday, January 19th in order to avoid a gathering of over 8,000 youths as preannounced on social networks.

I also read: “Faced with a simple hang-out gathering, the monumental arrogance of the vaults of fetishism vanish like smoke in the wind. The impregnable towers of the superfluous, the caissons of reinforced concrete, steel beams, bulletproof glass, ultra guarded fortresses of luxury that accommodate the most expensive and cheesy brands assure total safety to their faithful consumers, but are defenseless against little boys and girls who, although they are not swimming in money, walk over with their heads held up high through the galleries that were made to sentence their exclusion.”

The charming and exquisite consumers feel constrained in the midst of people with cheap clothing, shoes, sunglasses and perfumes. Neither the right-wing paranoia nor the naive fantasy-minded lefties seem to see the reason. The commercial merchant’s panic, the security guards’ brutality, the political disorientation, how will this all be explained hereafter, once the dust settles?

The support of governors and politicians to repression is complacency with those who disregard the laws of this country and hire thugs to protect their silken hides and their faithful customers. What real legal grounds do they have for preventing the entry of a young woman from the outskirts? They say that the prohibition applies to underage kids who are unaccompanied by their parents, but when has a class A or B youth unaccompanied by their parents ever been prevented from entering a mall?

At least this matter has led us to a certain understanding: shopping malls as they are, enclosed, fortified, isolated, built to segregate, are the symbol of modern capitalism’s social apartheid. I wonder, do they feel entitled to the sovereign right to create extraterritorial laws?

And now is the time for the people of the periphery to create a social fact, its importance yet to be realized, but the open wound of today’s modern social apartheid is there for all to see. For some, individual transport in beautiful cars and limousines, to others, squeezed, hard, time consuming and slow going buses. For some, closed condos, for others, housing projects. For some, Private Health Plans, for others, go try S.U.S (Health Unique System). For some, free high quality public universities, for others, low quality paid colleges. For some, duty free, for others, flea markets. For some, shopping malls, and for others… the STREET! Maybe it would be better to put hot cloths on to not expose all the evils that lie behind a system that boycotted the utopias of the 20th century. The promise of the wonders of consumerism is not for everyone? Is capitalism not synonymous with democracy?

And so I leave the question to one of the greatest masters of capitalism: “Henry Ford, what do you suggest for modern capitalism which created the big wave of marketing and merchandising and now feels cornered by the wavelets of hangouts?”

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Sociology

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
10 Comentários
  1. Berenice Menegale

    Os shoppings são programa de fim-de-semana dos adolescentes de classe média faz muito tempo. Sem opções, vítimas da futilidade imperante, eles encontram no shopping o cachorro-quente e a coca-cola,o bate-papo, a turma, os namoricos (o substantivo adequado, da vez, não sei qual é). Tantos eles quanto os da periferia são vítimas também da falta de incentivo por exemplo para os esportes – que poderiam estar fazendo um grande bem à saúde de toda a nossa garotada, da falta de lazer cultural interessante, estimulante e enriquecedor. O que é que a cidade oferta a suas crianças e adolescentes que seja melhor do que o shopping? O shopping não foi feito pra isso, ele é – conforme o chavão – o templo do consumismo, os atrativos estão ali para facilitar as compras, assim como as prestações e, sobretudo, a propaganda. Mas, se a turma é mantida em “estado de divertimento”…sem chatear o papai e a mamãe,por que não? Esta geração de maravilhoso potencial está sendo desperdiçada, mas… quem faz alguma coisa?
    Se a turma dos brotinhos (que anacronismo!)”classe-média” estão adorando o programa, por que a atração não iria chamar os da periferia, que sofrem os mesmos apelos? Minha gente, isso que está acontecendo e que pode virar algo feio – já que a intolerância grassa quase incontrolável por aí -poderia despertar (claro que não nas administrações dos shoppings!)uma divulgação das iniciativas boas que existem, sim, para atender aos adolescentes ou criadas por eles mesmos. Não são muitas, claro, pois não têm $$$ para propagar, para ter espaços grandes e confortáveis. Mas, procurem por exemplo conhecer a quantidade de bandas (de rock e outras) que brotam como cogumelos e que ocupam as turmas com algo construtivo e que dá o maior prazer. Lanço um desafio: vamos procurar e divulgar nas redes sociais as propostas legais para a turma? Sem discriminação, sem intolerância. Generosidade e abertura é o que eles mais querem.

  2. Verly

    Puxa, Berenice, receber um comentário seu já é uma subida honra. E mais ainda um comentário que é um texto de analise e proposições que vale a pena ler, refletir e agir. Muito obrigado. Continue sempre com essa mentalidade rara em nossos dias.

  3. Guilver star

    Não tenho a intenção de fazer nenhuma análise sociológica profunda do artigo, nem tenho a habilidade intelectual e a bagagem do autor, no entanto, gostaria de comentar o artigo a partir de minhas experiências como educador popular que trabalhou durante algum tempo com a juventude, de maneira especial com os mais pobres.
    Observo a necessidade que os intelectuais têm de decifrar as manifestações populares, de conhecer suas raízes e emitir rapidamente suas opiniões em relação aos fenômenos e fico espantado com as conclusões. Talvez porque muitos deles demonstram não conhecer a realidade periférica e o comportamento da juventude e outros por se esforçarem em batizar os fenômenos sociais com nomes de impacto midiáticos para ganhar espaço. Foi assim como Funk que segundo muitos era uma onda passageira, com apelo sensual e vocacionado ao crime.Quiseram inclusive colocar o funk na mesma bandeira de um movimento politizado como hip hop. Mas não deram conta de perceber que funk representa para os jovens da periferia possibilidade da ascensão e encontro com os pares, que o funk produz a possibilidade de reconhecimento e que a batida tribal da música está em nosso Dna, não estou dizendo que gosto da musicalidade do funk do qual estou falando, prefiro o da Fernanda Abreu, Tim Maia e Ed Mota, mas acredito que Funk é muito mais do que nos apresentam, ele representa um jeito de ser e se organizar, que só foi aceito pela indústria cultural quando descobriram o potencial mercadológico deste fenômeno. Lembro também dos famosos arrastões nas praias cariocas que segundo Hermano Vianna não passavam de brigas de galera que se encontravam nos rolezinhos da época e se enfrentavam e que só passaram a existir como estratégia de roubo depois que a mídia demonizou o fenômeno, porque o morro incomodava a garota de Ipanema.
    A periferia assusta o asfalto, ela atrapalha a estética idealizada pelo capitalismo, que vê nos shoppings centers um espaço perfeito para o consumo, sem mendigos, usuários de drogas, pedintes e mau cheiro. Eles foram criados baseados nos templos religiosos que eram espaços de ostentação de riquezas, esteticamente perfeitos e imponentes, ou seja, nestes espaços não cabem os negros, os despojados, os trabalhadores assalariados, não cabe a plebe.
    O que os intelectuais parecem não entender, é que não existe reivindicação alguma no embrião dos rolezinhos, eles não são um movimento político orquestrado, podem até vir a ser, são apenas os jovens que superarão a fase da sobrevivência, agora eles conseguem comer e estão querendo mais, aspiram às roupas de marca, os carros e os xavecos. Por que eles andam em bando? Porque sempre andaram, por necessidade de aceitação, para zoar e por segurança. Favelado que anda sozinho corre o risco de amanhecer boiando no Tietê, no Arrudas, na lagoa Rodrigo de Freitas, de ser associado ao tráfico, de sumir de dentro das unidades das UPPs e não mais aparecer.A quantidade de gente impressiona? É amplificação da comunicação, que não pode mais ser controlada por uma ou duas famílias.
    O que essa juventude está precisando é de oportunidade para mostrar seus talentos, de gente disposta a dialogar, de presença significativa de quem pode fazer diferença, de espaços de lazer e reconhecimento. E o que eles têm ganhado? Desprezo, portas fechadas, dentadas dos cães e cacetadas, que ainda são amenas devido à proximidade das eleições, afinal na hora de votar eles representam alguma coisa.

    Guilver Star

  4. Job Alves dos Santos

    Os rolezinhos levam as pessoas a tirarem as máscaras. A intolerância social é uma realidade. É fácil afirmar-se sem preconceitos desde que cada classe permaneça no devido lugar.
    Rico ou pobre, classe alta, média ou baixa, somos todos humanos. Todo ser humano merece respeito, esteja ele no mais baixo grau da escala social ou ocupe o mais alto cargo desta hierarquia. O respeito é ao ser humano que é, não a seu lugar transitório na escala social. Preconceito se combate é com políticas igualitárias. Como está a distribuição de rendas no Brasil? Será que ela poderá ser feita com programas de ajuda a famílias carentes? Isso é balela. Precisamos de política séria de erradicação da miséria através de uma melhor distribuição das riquezas. E isso se faz com geração de empregos com remuneração digna. De que adianta elevar o patamar do salário mínimo se o máximo tem sido elevado muito mais? E estou falando de vencimentos oficiais. No mercado privado a situação é ainda pior. Compare os vencimentos de um executivo de uma industria com os dos operários desta mesma industria? Passe os olhos pela industria do futebol. Por que o cargo de presidente de um clube é tão cobiçado, se, oficialmente, não é remunerado? O que justifica os salários astronômicos de um jogador de futebol? Pergunte a qualquer garoto da periferia o que ele gostaria de ser e não se surpreenda se a maioria das respostas for: jogador de futebol. A propaganda desenfreado cria e alimenta ilusões cada vez maiores em todo mundo, principalmente no jovens. É preciso cair na real. Tanto os mais altos mandatários como cada cidadão.

  5. Roger

    Incrível!

  6. Ruy

    Tanta bobagem que não consegui ler tudo.

  7. José Márcio

    É impressionante como nós brasileiros, que temos um país de clima agradável insistimos em passear em lugares fechados. Como é difícil irmos a praças, lagoa da Pampulha, parques, etc.
    Todos nós gostamos de segurança. E eu tenho ficado impressionado com a maldade do ser humano diante de tantos crimes de motivação absolutamente fútil. Lembro do filme profético “Laranja mecânica”. E nós gostamos e precisamos de segurança.
    Pra mim o capitalismo triunfou e o acho inerente ao ser humano. Resta saber em qual grau queremos a liberdade individual e a igualdade social.
    Tem muitos outros aspectos que precisam ser discutidos no texto, mas não temos tempo para falar tudo.

  8. Marcos Henrique

    Concordo com o que diz o texto.
    Contudo, penso que num discurso contra a exclusão o pensamento de um anti-semita fervoroso, financiador no Nacional-Socialismo de Hitler, não seja a melhor referência.

  9. Francisco Rubió

    Entro com a contribuição, com parte de um artigo da edição 3218 de 22/01/14, do jornal Hora do Povo, que complementa o artigo brilhante do Sebastião Verly, sobre os rolezinhos e o pavor (ou terror), espalhado e reproduzido amplamente pela mídia:
    O neoliberalismo nos EUA: pobreza, racismo e campos de concentração (1)

    A política social do neoliberalismo, tal como levada à prática nos Estados Unidos, é a cadeia para os pobres e/ou negros, como constatam os dados dos sociólogos franceses Pierre Bourdieu e Loïc Wacquant, que destacamos no artigo abaixo

    CARLOS LOPES

    Em meio a uma pesquisa sobre a situação e o movimento dos negros, um grande amigo, o maestro Marcus Vinícius de Andrade, fez uma sugestão – ao enviar-nos um texto dos sociólogos franceses Pierre Bourdieu e Loïc Wacquant – que resultou num caminho especialmente, ainda que inesperadamente, fértil.

    O “inesperadamente” da frase anterior vai por conta do seguinte: não sou um admirador dos acadêmicos franceses, devido a tipos como Deleuze, Derrida – e, claro, Foucault, que já era alucinadamente reacionário muito antes de exibir, em 1979, seu deslumbramento com o neoliberalismo (por falar nisso, eis uma pérola dessa época: “Não se trata de deduzir todo esse conjunto de práticas do que seria a essência do Estado em si mesma e por si mesma. É preciso renunciar a tal análise, primeiro, simplesmente porque a história não é uma ciência dedutiva, segundo, por outra razão mais importante, sem dúvida, e mais grave: é que o Estado não tem essência. (…) O Estado nada mais é que o efeito, o perfil, o recorte móvel de uma perpétua estatização, ou de perpétuas estatizações (…). O Estado não é nada mais que o efeito móvel de um regime de governamentalidades múltiplas.” [M. Foucault, aula de 31/01/1979 no College de France, in "Nascimento da Biopolítica", trad. Eduardo Brandão, Martins Fontes, S. Paulo, 2008, p. 105 e p. 106]).

    No entanto, o texto de Bourdieu e Wacquant nada tem a ver com esse estéril rococó mental. O leitor poderá comprová-lo, pois iremos publicá-lo – talvez de forma condensada – em uma de nossas próximas edições.

    Só não o fazemos hoje pela necessidade, a nosso ver, de propiciar aos nossos leitores um quadro mais amplo que permita um melhor entendimento das questões abordadas por Bourdieu e Wacquant.

    Assim, recorremos ao livro de um deles, Loïc Wacquant, “Punir os Pobres: o governo neoliberal da insegurança social” (por sugestão do próprio autor em seu site, usamos a edição norte-americana – “Punishing the Poor: The Neoliberal Government of Social Insecurity”, Duke University Press Books, Durham and London, 2009 – porque Wacquant desautorizou a versão do livro publicada, “contra minha expressa vontade”, na França em 2004; existe uma tradução brasileira – aliás, existem duas, ambas publicadas pela Revan).

    CHICAGO

    Loïc Wacquant é um caso, talvez, raro. Em uma entrevista, conta ele como, depois de obter “uma bolsa de quatro anos para meu doutorado na Universidade de Chicago (…) ao chegar à cidade de Upton Sinclair (…) vi-me confrontado com o quotidiano da realidade do gueto de Chicago. Habitava nas imediações do bairro negro e pobre de Woodlawn e era um choque terrível ter sob a minha janela aquela paisagem urbana quase lunar, inverossímil de ruína, de miséria, de violência, com uma separação totalmente hermética entre o mundo branco, próspero e privilegiado da universidade e os bairros negros ao abandono em volta (o campus de Hyde Park está rodeado em três lados pelo gueto de South Side e, no quarto, pelo lago Michigan). Isso questionava-me profundamente no dia a dia” – v. Etnográfica vol. 12 (2) (2008), entrevista à Susana Durão.

    Na procura por compreender o que acontecera na história dos negros norte-americanos após o movimento de direitos civis na década de 60, Wacquant, inevitavelmente, confrontou-se com “a expansão espantosa do Estado penal ao longo dos três últimos decênios do século. Entre 1975 e 2000, os Estados Unidos multiplicaram por cinco a sua população sob registro prisional para se tornarem o líder mundial da encarceração, com 2 milhões de detidos – coisa que eu ignorava então (…) como todos os sociólogos que trabalhavam com raça e classe na América.

    “Como se explica esta hiperinflação carcerária? A primeira resposta, a da ideologia dominante e da investigação oficial, é dizer que ela está ligada ao crime. Mas a curva da criminalidade estagnou, entre 1973 e 1993, antes de cair fortemente, no preciso momento em que o aprisionamento levantava voo.

    “Segundo mistério: enquanto a proporção de negros em cada ‘coorte’ de criminosos foi diminuindo durante vinte anos, a sua parte na população carcerária não cessou de aumentar. Para resolver estes dois enigmas, é necessário (…) repensar a prisão como uma instituição política, uma componente central do Estado. Descobre-se então que o surgimento do Estado penal é o resultado de uma política de penalização da miséria, que responde ao crescimento da insegurança salarial e ao afundamento do gueto como mecanismo de controle de uma população duplamente marginalizada, no duplo plano material e simbólico.

    Nesse momento, aconteceu algo que foi crucial para ele, do ponto de vista político: “Clinton avalizava a ‘welfare reform’ de 1996, elaborada pela facção mais reacionária do Partido Republicano. A abolição do direito à assistência social para as mulheres sem recursos e a sua substituição pela obrigação ao assalariamento forçado (dito worfare) é um escândalo histórico, em todo o século XX, a medida mais regressiva tomada por um presidente que era suposto ser progressista. Por indignação política, escrevi um artigo no Le Monde Diplomatique, depois um artigo mais aprofundado para uma revista de geografia política, a revista Hérodote. (…) a atrofia organizada do setor social e a hipertrofia do setor penal do Estado americano eram não somente concomitantes e complementares, mas visavam a mesma população, estigmatizada à margem do salariato. Tornava-se claro que a ‘mão invisível’ do mercado desregulado apela para e necessita do reforço do ‘punho de ferro’ da Justiça criminal”

  10. Concessa Vaz

    “Em Trautenau há dois cemitérios na igreja,
    Um para os ricos e outro para os pobres;
    Nem mesmo na sepultura
    É o pobre desgraçado seu igual”.

    Poema in Trautenau Wochenblatt,1869.

Deixe um comentário