Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Os três mosqueteiros eram quatro…

Publicado por Antonio Carlos Santini em Devaneios
data: 06/01/2014

Não sei de que antepassado herdei a compulsão pela lógica. Infausta herança para um ser arremessado a um planeta todo caos, onde o direito se mostra avesso e exige o respeito que não merece.

Mundo louco é este onde vivemos. Nele não se procure – é tarefa inglória e inútil – qualquer traço de coerência lógica. As coisas nunca são o que são e estão sempre dispostas a deixar de ser aquilo que nunca foram… Se estou sendo obscuro, é impressão do leitor: obscura é a Verdade fugitiva…

O fato é que os fatos nunca seriam aprovados em um teste de inteligência! Afinal, os três mosqueteiros eram quatro: Athos, Portos, Aramis e D’Artagnan. Pior ainda: quem sai pelas ruas da cidade a espalhar uma esteira de detritos? O caminhão do lixo!

Dentro desta linha de realidades, apontamos uma série de fatos, propostas, devaneios e frases célebres. Entre o riso e o espanto, o ilogismo do cotidiano:

- Comprei um carro porque os ônibus não paravam para mim. Agora, eu é que devo parar para eles.

- Um homem a cavalo, de espada e carabina, recebe o nome de “Pacificador”.

- Os dois trapezistas chocaram-se no ar. Por sorte, foram cair na jaula dos leões.

- “Este é um país que vai pra frente!”

- A mulher fugiu de casa, embora odiasse o marido.

- Vadinho voltou pra casa de pileque, às 3h15 da madrugada. Graças a Deus, quem abriu a porta foi sua sogra, que chegara de visita na noite anterior…

- Vamos esperar que o bolo cresça, para depois reparti-lo. Com paciência e controle das funções digestivas, sentiremos o gostinho!

- Embora se amassem profundamente, acabaram casados.

- Mamãe me adora. Não sei por que casou com papai…

- Papai adora mamãe. Não sei por que vive na rua…

- “Todo médico sofre de prisão de ventre.” (Ivan Illich)

- As pessoas se casam porque não suportam mais a solidão. Depois se separam, pois não aguentam mais a mútua companhia.

- O General Euler Bentes morava na Rua Figueiredo Magalhães…

- No hospício, os loucos estão presos. Só o psiquiatra pode passear na rua.

- Cão que ladra não morde (enquanto ladra). Cão que morde não ladra (enquanto morde).

- Foi aberta hoje a Conferência de Paz. As fábricas de canhões fizeram serão.

- 1ª Guerra Mundial: esta é uma guerra que acabará com todas as guerras…

- Caio Júlio César: “Até tu, Brutus?”

- Edevaldo cansou-se daquela vida. Depois de trabalhar vinte anos como coveiro, resolveu estudar Medicina.

- Apesar de seu temperamento instável, Olivério aceitou a vaga de ascensorista…

- O leão chegou ao consultório. Recostou-se confortavelmente. Respirou fundo. Sentiu o cheirinho de óleo de cravo. Ouviu o barulhinho do motor. Abriu bem a boca. E engoliu o dentista.

- “Nunca tantos deveram tanto…” (Parodiando Churchill)

- Vovô tem uma bela voz de barítono. Quando canta no banheiro, toda a família faz fila do lado de fora.

- Leogildo era um jovem auxiliar de padeiro. Ajudava seu Manuel a enrolar a massa. Depois cresceu e mudou de trabalho: tornou-se político.

- Quantas vezes eu já não lhe disse para não me dizer o que eu devo dizer?!

- O homem que passa fome é sempre visto como potencial subservivo.

- “Moça rica, bem tratada, burra como uma porta: um amor!” (Mário de Andrade)

- “Em se plantando, tudo dá.” (Viajante português que desconhecia a burocracia do Ministério da Agricultura)

- Embora se sentisse mal e tivesse grande amor à vida, dirigiu-se ao hospital.

- Cheio de razões e protegido pelos preceitos legais, gastou uma fortuna com o melhor advogado.

- A produção brasileira de cebolas foi queimada e lançada às águas do São Francisco. A seguir, importamos dois navios de cebolas brotadas.

- “Rasga, Coração” e outras peças de teatro premiadas pelo Ministério da Educação e Cultura foram proibidas pelo Ministério da Justiça.

- O homem não é o melhor amigo do cão.

- Richard Wagner casou-se com Cósima Liszt, mulher de Hans von Bülow, seu melhor amigo.

- O homem não é o melhor amigo do homem…

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Devaneios

Antonio Carlos Santini - Licenciado em letras – Português e Francês. Professor de Artes e Ciências Humanas. Evangelizador, compositor, autor de vários livros de catequese e poesia/ Licenciado en letras - Portugués y Francés. Profesor de artes e ciencias humanas. Es evangelizador católico, compositor de músicas religiosas, autor de varios libros de catequesis y poesía. Residente em Belo Horizonte MG
Deixe um comentário