Arquivo do Autor

Calendário

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 29/09/2021

Vagarosamente, anos passaram, passaram, Polvilhando areia de ampulheta em meus ombros. Vento leva areia como levasse pedaços de mim Por aí afora, pela jornada, pelo caminho, Pelas cidades onde enterrei a vasta cabeleira. Parcos vestígios ainda restarão, dispersos, Debaixo de alguma marquise onde parei um dia Para fugir da chuva – ou naquela praça fugidia Que a memória ora alcança, ora deixa escapulir. Provavelmente, u...

As três irmãs

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 24/08/2021

A Casa Seleta era a loja do meu avô, E ainda resiste, fincada no meio da praça. Seleta tem as mesmas letras de Estela. Estela quer dizer estrela. A Casa Seleta era um lugar mágico, Cheio de mil coisas, Maravilhosas vitrines Que ainda habitam os olhos de Laís, A irmã mais nova, Seis décadas depois daqueles dias. Seleta é um outro modo de falar O nome da minha mãe, e, Coincidência ou não, a praça foi rebatizada Com o ...

Itacarambi

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 21/07/2021

Ali o rio fez uma curva Uma curva suave Um cotovelo ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ A rodoviária em que eu conversava com Careca A foz das águas que vinham do Peruaçu E que para a cidade convergiam ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Ali eu fiquei uns dez anos ou mais À margem esquerda do Velho Chico Vendo o meu filho subir em árvore Compartilhar este Artigo

Da família

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 25/06/2021

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Português. Compartilhar este Artigo

A passagem

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 18/05/2021

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Português. Compartilhar este Artigo

Por um dia

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 20/04/2021

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Português. Compartilhar este Artigo

A moldura

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 25/03/2021

O poeta sorri, na fotografia. Atrás dos bigodes, da cabeleira indômita, é apenas um rapaz que espera o futuro. Dito de outra forma: o poeta sorri para o futuro, esperançoso. Naqueles dias, e eram bons os dias, o poeta desce a Juiz da Costa Val e sobe a Contorno. Vai sem rumo? Vai para o mundo, vai para a vida. É ele que gasta a sola do sapato, é nele que bate o inquieto coração. O poeta é democrata, como seu país em ...

Memórias de adobe

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 01/03/2021

Compartilhar este Artigo