Poetry

Malha Fina

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 25/09/2022

Perante a autoridade fiscal o poeta mostrou o que trouxera: cadernos de folhas amareladas, papéis de tamanhos diversos, tudo cheio de garatujas. O auditor viu a papelada sobre a mesa; o que aquilo tinha a ver com os assuntos pecuniários em pauta? - Mas o senhor não possui bens, pertences que transfira à Fazenda? Afinal – e lhe mostrou o auto do enquadramento – cá estão leis, decretos e artigos que o incriminam em dé...

A velha senhora

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 19/09/2022

A idade bate à minha porta. Estou aqui, ela diz, a sorrir Mostrando os afiados dentes. Eu sou um crente absoluto E a recebo com a mesa posta Dizendo: eu também estou. A caneta me escapa das mãos Um frio me percorre o ombro E a velha senhora se apoia No espaldar alto da cadeira. Assim é a vida, suspira ela, Não estamos totalmente sós. A idade é uma velha amiga Há mais de sessenta anos. Quando cheguei aqui estava, Quando...

O afeto que se encerra

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/09/2022

. O amor que lhes tenho Traz seus laivos de ressentimento O respeito que lhes presto Não exclui algo de complacência A gratidão que lhes devoto Não foge à constatação De que houve sim desvalia Que faltou um olhar Mais atento e compassivo Sei que há regras seculares A demarcar hierarquias Palavras que se tornam perjúrios Limites que não se deve ultrapassar Ao preço de culpas irremovíveis É no entanto permitido Refl...

Conversa na esquina

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 30/08/2022

Mas de onde vêm os filmes? Vêm das raízes das árvores Que tecem seus fios no pântano No pântano cinza do córtex. E a música, de onde vem? É claro que vem das pedras Esfomeadas de líquens De onde o silêncio fugiu. Os poemas, alfarrábios? Estes vêm com os mascates Outrora de antigamente Para a gaveta dos sonhos. . E eu, então, como vim? Eu mesmo não sei dizer Só sei dizer que escrevia Antes mesmo de falar Antes d...

Medo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 01/08/2022

Há um medo que perpassa a vida toda ela que sabemos jamais nos abandonará. . Não um específico, desta ou daquela coisa de uma determinada ameaça ou de alguém que nos agrida. . Medo outro, que se camufla mas é denominador comum a tracejar toda a existência. . Medo de perdas que sempre ocorrem medo de sermos vítimas de uma armadilha? Da morte? . Nada disto, é o que não se expõe A que contrapomos racionalidade no afã...

Poeira e sombras

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 29/07/2022

Alguém, por horas a fio, Enfrenta a noite interrompida Então cerra os olhos Para escutar o timbre Que pulsa em seu coração. . Olhos fechados sabem melhor Dos rios desgovernados Que correm como ampulhetas E da luz suave Que em breve desfalecerá. . Olhos se vedam como portas. Mas eis que pelas frestas Entram poeira e sombras E ao ocaso se acumulam Em cada cômodo da alma. Compartilhar este Artigo

Ora, o horóscopo!

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 05/07/2022

Morrer hoje? Veja a lua trafegando em diagonal Contra os edifícios . Na esquina o sinal Em verdes e amarelos Irreconciliáveis . Um cachorro anda próximo Às paredes No outdoor propagam verões em praias caribenhas . Morrer hoje? Puro mau gosto Anti-desejo . Melhor ir ao boteco da esquina Ouvir piadas, falar de futebol Tomar uma gelada . (com delicioso torresminho e mandioca) E ir-se morrendo sem pressa Devagarinho, sem data...

Assim caminhamos

Publicado por Antônio Ângelo & Wesley Pioest
Data da publicação: 24/06/2022

Pergunto ao mestre Após a caminhada Para onde vamos Ao fim desta jornada. . E o mestre responde: É longa a estrada. . E logo ao terminá-la Não haverá de nos restar mais nada . Mas este nada Se esquece do possível Do que nem sabemos: . O horóscopo desafia o estabelecido Ou que se quisera ser definitivo. . O que era pergunta é dúvida E num átimo se torna Inconcluso teorema. Compartilhar este Artigo