Psicologia

XXVI – A loucura é a sanidade travestida de felicidade e prazer

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 02/12/2022

A rejeição dos meus supostos amores, Fernanda e Mel, me jogou numa ilha de isolamento. Aos poucos, nem as saídas mais me satisfaziam. Via com monotonia aquelas conversas fúteis e banais que meus amigos e os homens e mulheres comuns levavam. Afinal de contas, de que valia a vida sem o amor? Nada. Um vazio imenso se adentrava, naquela época, no meu ser. Era o vazio do amar, a necessidade constante do amor como via de mão d...

Novela, Futebol e Drogas

Publicado por Carlos Bitencourt Almeida
Data da publicação: 28/11/2022

Em resposta ao leitor Paulo, Rio de Janeiro – RJ Quando falamos de diferenças no comportamento entre homens e mulheres fica difícil separar o que são diferenças de base biológica daquelas que são desenvolvidas pelo ambiente, pela cultura. O fato é que para qualquer observador atento as diferenças existem. Ao mesmo tempo qualquer generalização fala de uma maioria, não da totalidade. Existem homens e mulheres qu...

XXV – Metamorfose

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 02/11/2022

As saidas eram uma forma de socialização. Mas ao mesmo tempo refletiam-se em mim os meus maiores medos e angústias. O medo da solidão. Os reflexos dos medicamentos. Os efeitos colaterais eram terriveis. Ir ao banheiro era um desafio. Eu, meu órgão genital enfrentando aquele mictório, era como se meus fantasmas se colocassem ali. E não saía nada. E eu ia ficando mais tenso, e não saía o liquido com os excrementos do ...

XXIV – Eu, caçador de mim

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 08/10/2022

E cá estou eu, novamente expurgando minhas dores, pós-Pinel. Sim, aconteceu de novo. Mas calma, antes de lhe contar tudo que aconteceu nesta nova crise, ou surto como gostam de dizer os homens de branco, devo lhes contar o meio. O Entre, o tudo que aconteceu entre estas duas internações. Entre o abrir daquela porta, em que meus olhos lacrimejavam ao ver a liberdade, e hoje, em que encontro-me novamente “preso” em casa,...

XXIII – Antes e Depois da Pinel

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 16/08/2022

Como são fingidores os loucos e poetas! Certo estava Pessoa. Fingindo contar as dores, fingem expurgá-las, fingem adequar-se, fingem mediocrizar-se. E todos, e mesmo eles, chegam a crer no fingimento, mero artifício de retórica, mera criação. Mas ao fingir, não é que as dores se esvaem, na catarse do contar, ainda que fingido, do recontar, post-escrito, a alma inquieta, a bipolaridade do ser, as inconstâncias própria...

XXII – Resistir ao Domínio Psiquiatrizante

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 15/07/2022

Não há mais o que dizer da monótona monotonia dos dias de cárcere nesta clínica. Nem mais o violão, nem mesmo ter conhecido Fernanda, nada aplaca a dor de estar… Porque não é a dor de ser ou de existir, mas a dor de não poder ser plenamente, de existir como uma ave, com asas cortadas e correntes prendendo as patas. Sem falar nas grades da gaiola que evitam qualquer mínima tentativa de voar. A Pinel é minha gai...

XXI – Necessidade de se apaixonar

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 09/06/2022

Abro meus olhos e, mais uma vez a cena se repete: Valéria deitada na cama ao meu lado, eu no chão, o mesmo quarto, a mesma TV, as mesmas portas. Como eram iguais aqueles dias, que teimavam em não passar, dentro da clínica-prisão. Já não agüentava mais a monotonia, a mesmice. Ainda mais que eu tinha saído, tinha respirado os ares da liberdade por pouco tempo, até me trancafiarem novamente. Tinha flanado pelas ruas...

XX – Uma Bomba Relógio Ambulante

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 26/05/2022

Aqui, na Pinel, os dias são quase sempre iguais, apesar de todas loucuras possíveis e impossíveis estarem reunidas em um mesmo lugar. Normalmente acordo em meu colchão no chão, para evitar as terríveis dores de coluna. Olho para cima e ao lado está: ou a melancólica Valéria, ou a carinhosa Sandra, companheiras que se revezam em velar meus sonhos noturnos. Rapidamente colocamos meu colchão na cama, antes que o Sr. Luc...