Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Na barca dos homens

Publicado por Wesley Pioest em Poesia
data: 03/05/2013

Aleluia! Aleluia! Aleluia!
Mas meu coração não acredita em deus.
Mas meu coração acredita em deus.
Deus existe há tanto tempo, louvado seja!

O diabo é que também não acredito no diabo,
mas no inferno acredito: é logo ali.

Entre deus e o diabo, melhor é me escafeder.

Nossa estrada é curta, longo é o beco, voltemos
ao fim do dia para a nossa aldeia, cantando.

Cantemos alto e juntos
anjos caídos
o angelus.
Pela última vez entoar
o lúdico canto
em oferenda.

Um poema
peixe mil multiplicado.

Abraçarei amigos e arcanjos.
Sairemos em longa procissão.

Para enfim celebrar e dizer:
finda a idade medieva
eis outro renascimento.

Uma era digital se anuncia
um tempo em rede
conectados como nunca.

Mais próximos impossível
e também mais solitários
multitudinários de ninguém.

Peço agora a quem me lê
que propague esse poema
como quem semeia um vírus
nos ecrãs do mundo inteiro
em evangelhos emails.

Somos bárbaros:
triunfamos.
Os que governam:
desistam.
Prevalece a persistência.
Dominar não é vencer.
Pequenos, nós, indomáveis.

Se deus existe eu lhe peço
quero o meu país de volta
de presente de natal.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Wesley Pioest - Nasceu em Rubim, estudou em Belo Horizonte, passou por Itacarambi, Muriaé e passa atualmente por Gonzaga. Sempre em Minas. Seu vale é o Jequitinhonha, de onde veio e para onde há de voltar dentro em breve, por bem ou por mal. Publicou a Revista “Liberdade”, os livros “Impressões da Aurora”, “Jequitinhonha – Antologia Poética I e II”, “A Fala Irregular” e “Cabrália”. Parceiro inconstante de Rubinho do Vale, Vagner Santos e Romeu Santos em letras para canções.
Comentário
  1. aNTONIO âNGELO

    Valeu,Wesley.
    Sentia falta de seus poemas, mas este veio em cheio, preenchendo vazios!

Deixe um comentário