Tamanho da Letra: [A-] [A+]

In memoriam

Publicado por Wesley Pioest em Poesia
data: 10/10/2018

In memoriam

O que os meus sempre míopes
E agora descoloridos olhos
Me disseram um dia
Há de se apagar para sempre.
Corpos perdem o prumo
Lenta, inexoravelmente.
É quando o abismo se aproxima
Tempo para as despedidas.
Para ver o passado se afastar
Levando consigo o chão
Mas também o rio e as folhas
E aquela mão na minha mão.
O vasto mundo, como o concebi
Irá comigo, suavemente.
Corpos a se desmanchar
Como fossem ondas no mar.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Wesley Pioest - Nasceu em Rubim, estudou em Belo Horizonte, passou por Itacarambi, Muriaé e passa atualmente por Gonzaga. Sempre em Minas. Seu vale é o Jequitinhonha, de onde veio e para onde há de voltar dentro em breve, por bem ou por mal. Publicou a Revista “Liberdade”, os livros “Impressões da Aurora”, “Jequitinhonha – Antologia Poética I e II”, “A Fala Irregular” e “Cabrália”. Parceiro inconstante de Rubinho do Vale, Vagner Santos e Romeu Santos em letras para canções.
Deixe um comentário