Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Rico e Poderoso – parte 4 – Olho por olho

Publicado por Tarzan Leão em Cotidiano
data: 18/10/2010

Rico e Poderoso – parte 4 - Olho por olho

Quando estava para completar o tempo para Beth dar à luz, Dr. Natan, o médico que acompanhara a jovem durante o pré-natal, telefonou para Dario querendo lhe falar.

“Algum problema, doutor?”

“Preciso conversar com você. Quando sair do escritório, passe aqui pelo consultório. Não quero que Beth escute a nossa conversa.”

No fim da tarde, pouco antes do anoitecer, Dario passou pelo consultório de Dr. Natan. Quando entrou, a secretária o anunciou, se despediu do médico e saiu logo em seguida, deixando-os a sós.

“O que há com a minha mulher?”, perguntou Dario, ainda de pé.

“Sente-se. Você sabe que além de médico sou espírita. E a sua situação tem-me preocupado muito. Ontem, durante a nossa reunião no centro, tive uma visão.”

“Eu não acredito que o senhor me chamou até aqui para falar de visão! A mim só me preocupa o estado de saúde da minha mulher.”

“Fique calmo, não há nada com Beth. E, clinicamente, por enquanto está tudo bem com a criança. Mas, eu preciso que você me escute. Por favor.”

“Fale de uma vez”, disse Dario, impaciente.

“Como eu ia falando, sou espírita e, nos últimos anos, tenho desenvolvido muito a minha mediunidade. Ontem, durante nosso encontro, recebi uma mensagem destinada a você. E não me faça essa cara de incredulidade, ciência e religião não são conhecimentos que se opõem. Em determinados momentos podem se complementar.”

“E o que diz essa mensagem?”, perguntou cético.

“Conhece a Bíblia, Dario?”

“Muito pouco. Mas, e o que a Bíblia tem a ver com essa conversa?”, perguntou.

“Veja isso aí”, falou o médico, entregando a Bíblia aberta em Samuel II. “Leia o capítulo 12. Na minha visão mandaram este texto para você”, completou o médico, circunspecto.

À medida que ia lendo o texto, Dario foi ficando vermelho, até que, movido de cólera, jogou a Bíblia em cima da mesa do médico que, a despeito de toda a fúria do seu interlocutor, permanecia impassível.

“Sabe o que eu devia fazer agora, Dr. Natan? Eu devia quebrar a sua cara. Encher você de pancada aqui mesmo, em seu consultório. Eu nunca fui tão insultado em toda a minha vida, seu oráculo Zinho de uma figa”, concluiu espumando de ódio.

“Não estou acusando você de nada, Dario. Recebi uma mensagem e estou lhe repassando. Não fiz mais do que cumprir o meu dever.”

“O seu dever é cuidar da saúde de quem te paga, não ficar elucubrando.”

“Acalme-se. Não adianta ficar estressado. O que tiver de ser, será.”

“Tem mais uma coisa d-o-u-t-o-r. Amanhã mesmo vou procurar outro médico para cuidar do pré-natal e do parto da minha mulher. Sempre o tive por um homem sério. Porém, vejo que me enganei. Passar bem.” Depois deu meia-volta, bateu a porta e saiu xingando o médico com os piores impropérios que conseguiu lembrar.

No dia seguinte Dario procurou seu advogado, colocou-lhe a par do que se sucedera com o médico, mas foi desaconselhado a mover o processo. De acordo com Dr. Célio, era melhor não mexer no passado.

Três semanas depois nasceu o seu filho. Dra. Eloísa, tão logo terminou de fazer o parto, procurou Dario e disse: “só um milagre salva essa criança.”

Súbito, ele se lembrou da conversa que tivera com Dr. Natan dias antes. Foi para casa e, durante uma semana, jejuou, chorou, fez promessa até que, no sétimo dia, o seu celular tocou. Era a médica.

“Dario? Aqui é Dra. Eloísa. Infelizmente o seu filho veio a óbito”, e desligou.

(Fim)

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Cotidiano

Tarzan Leão - Filósofo, professor e escritor. Residente em Paracatu - MG.
Deixe um comentário