Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Memórias gastronômicas de um belorizontino – as bebidas

Publicado por Sebastião Verly em Memórias
data: 19/05/2010

Quanto às bebidas sem álcool reinava o guaraná caçula. A “novidade” eram os refrigerantes das marcas Coca-Cola e Crush que avançavam no mercado.  Um pouco menos bebíamos a Coca, Pepsi, Crush, Grapete, o famoso Mate Couro que ainda está por aí, a água tônica, a sodinha e o guaraná Gato Preto, da Fábrica de Bebidas Paraguai, matavam a sede e ajudavam a digestão. O Grapete geladinho era considerada a bebida mais saborosa. No campo das bebidas alcoólicas dominavam as cachaças Três Fazendas, Tatuzinho, Silvana, Januária, além daquelas que se diziam vindas do alambique. Muitas delas misturadas, que eram chamadas “cachaças batizadas”.

A mistura de Rum com Coca-Cola dava uma bebida conhecida pelo nome de “cuba-libre” e de Crush com vodka, “hi-fi”, misturas essas apreciadas pelos jovens freqüentadores dos bares noturnos. Devido ao baixo custo, quando feito em casa, bebíamos “hi-fi” e “cuba-libre” nos fins de semana em que não contávamos com um programa melhor. As combinações das bebidas eram feitas também com limão. A “batida de limão” era preparada em quantidade maior e ficava pronta à disposição dos consumidores; hoje seria condenada pelo perigo de intoxicação que esta condição acarreta. Depois veio a caipirinha mistura de cachaça, limão, gelo e açúcar, e só muito mais tarde a “caipirosca”/”caipivodka”, misturando vodka com limão, açúcar, gelo. Bebia-se o gim com água tônica uma bebida gostosa para se embriagar e atendia pelo nome pouco criativo de “gim tônica.” Um pouco mais forte existia o rabo de galo. Havia os que misturavam cachaça e vermute e os que preferiam conhaque e vermute e “traçado” que era uma mistura de conhaque e cachaça. Deste tempo consta que o então Prefeito Amintas de Barros que gostava muito de tomar umas biritas, certo dia ao ser perguntado o que ele achava do traçado de Belo Horizonte, evidentemente pensando em termos urbanísticos, ele disse: “eles estão pondo cachaça demais no traçado.”

Cervejas apenas em garrafas de 3/4 de litro e tínhamos apenas a Brahma e a Antártica, esta fabricada em BH mesmo, onde hoje é o Shopping Oiapoque.

O chope ainda era bastante restrito. Os locais preferidos para tomar um delicioso chope bem gelado eram o Pinguim, na Rua Espírito Santo, a gruta OK, na Rua da Bahia, a Tiroleza, que ficava na Avenida Amazonas, um pouco acima da Praça 7 e uma cantina, que eu creio que era a do Alvim, na rua Espírito Santo. O Gaivota era mais para homossexuais e na época eu não ousava entrar lá.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Memórias

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
10 Comentários
  1. Alcione Ogando Pereira

    Gostaria de desfrutar novamente do Guaraná Gato Preto, que saudades da minha infância e daquele sabor inconfundível.

  2. Gilson Frade

    Eu adorava o Guaraná Gato Preto e tomei demais. Ele era fabricado em São João Del Rey, Minas Gerais, e fez parte da minha infância. Até hoje bebo Mate Couro que pouca gente conhece fora de BH.

    • junior

      Eu também adorava este guarana, me chamo junior e tenho uma garrafa guardada na minha casa, sou de bh e se quiser uma foto me mande um email.
      jr1seguros@hotmail.com.

  3. j.MARCIO

    tomei estas coisas todas e bebi chopp no tip top da tia Paula Huven, onde tinha uma bebida gasosa e colorida
    tipo refrigerante feito na hora ! E a sodinha gato preto e o
    Kero mate, parecido com o Mate couro ! Bons tempos !

  4. Edilson Madureira Reis

    Olha que boas lembranças dos meus tempos de infância e adolescencia na cidade de Congonhas do Norte, ocasião que sempre fazia uns biquinhos de engraxate, restolho de roça, colheita de flores do campo (sempre viva, cabeça de negro etc) e captura e venda de pássaros(canario da terra, pintassilgo, patativa, azulão bicudo, curió, aves ainda nativas, onde arrecadava uns trocados para comprar o deliocioso guaraná gato preto,durante a festa de Santana, do Divino e do Rosário, bebida que só vi nas Minas Gerais.

  5. ALBERTO F Ourique

    Gostaria de compartilhar com vocês que na casa de minha mãe tem uma caneca do refrigerante Gato Preto, que eles davam para quem achasse a tampinha premiada.
    Relíquia.

    • verly

      Boa lembrança essa das tampinhas premiadas. A gente abria a garrafinha e, antes mesmo de beber o refrigerante, unhavamos a cortiça para descobrir o possível prêmio.
      Muito obrigado por ler meu artigo

  6. Humberto Saboya

    Quem me der a honra de passar por minha cidade (Teófilo Otoni) procure experimentar o Mate Cola

  7. Milton Tavares Campos

    Quem passar por Tió tió sugiro que além do Mate Cola sugerido pelo Humberto, também dê uma passada na Padaria do Augustinho na Rua Getúlio Vargas e compre a exclusiva Fófa, que é o apelido local do alemão Pfepfekuchen (Fefecurren), um pouco parecido com o pão de mel, que também é delicioso. Pra vocês terem idéia quando passo por ali entro na cidade só para isso e compro todo o estoque para levar de presente aos amigos.

  8. Clovis

    Não devemos nos esquecer do Guaraná Alterosa e o Refrigerante DOM, que vinha em uma garrafa de cerveja.

Deixe um comentário