Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Crônica de Ficção

Publicado por Sebastião Verly em Crônicas, Globalização
data: 17/09/2009

image001

Voltando de Bologna, na Itália, onde fora visitar meu filho que lá estava estudando, cai nas graças de meu bem apessoado companheiro de poltrona.

Comecei a falar, como me apraz, mas ele também adorava ter esse prazer.

A Itália, especificamente em Nápoles, passava naqueles dias por um tremendo sufoco com a sujeira e lixo por toda a cidade.

O meu novo amigo começou a me explicar o que se passava. Mas antes quis me contar um pouco sobre a famosa Camorra. Falava enfático:

Camorra é o único fenômeno mafioso proveniente de um meio urbano. Seu lugar de nascimento é Nápoles, Itália; a data, em torno do início do século XIX. As atividades da Camorra são incontáveis, da agiotagem à extorsão, do contrabando de cigarros ao tráfico de drogas, da importação irregular de carne à fraude à União Européia. Sem esquecer os dois setores “tradicionais” de monopólio: o do jogo clandestino e o de produção de cimento. A esses, disse o meu companheiro de viagem, agora juntamos também o lixo. Controlamos o Lixo em todo o mundo. De Nova Delhi a Estocolmo, de Londres a Tegucigalpa, não há no mundo um só lugar onde não estejamos prontos para assumir o controle do lixo.

Falou demoradamente como tudo é feito. Primeiro “compram” os parlamentares, depois “compram” os responsáveis pela fiscalização e se encontram algum resistente eles não mandam recado: matam. Pura e simplesmente eliminam quem servir de empecilho para seu avanço devastador.

- O senhor, me dizia ele, há de convir que não existe negócio melhor no mundo, quando consideramos que cada pessoa gera em média 1 quilo de lixo por dia. Isso mesmo: 6 bilhões e quinhentos milhões de quilos de lixo por dia. E o governo tem que dar fim a essa porcaria toda. E é aí que a Camorra entra em “parceria” com as empresas nacionais. É mais dinheiro do que rende a droga ou o cimento que temos que dividir com alguns “nacionalistas” como o senhor Antônio (esse nome ele fala bem) Ermirio de vocês.

Em outra ocasião tive a oportunidade de assistir em Belo Horizonte a uma palestra promovida pelo Ministério Público Estadual de um promotor italiano engajado na “Operação Mãos Limpas” de combate à Máfia, ou às máfias, principal produto de exportação daquele país nos últimos tempos. O palestrante discorreu sobre o formidável aparato institucional desenvolvido com a finalidade de destrinchar os crimes de natureza financeira, próprios da lida mafiosa. Falou sobre a aparatosa “Guardia di Finanza”, corporação fardada comandada por um general oriundo de sua própria estrutura.

Mas a partir do meio da exposição assumiu um tom pessimista dizendo que seu país vivia um período prolongado de estagnação econômica. Contrastando com esse quadro, citou o fato de que novas redes de supermercados e magazines vinha surgindo no sul da Itália, gerando um dinamismo econômico considerável, e principalmente novos empregos. Para fechar a exposição explicou que aquele dinamismo era proveniente da atuação da Máfia Napolitana e da atividade de contrabando de cigarros das repúblicas oriundas da antiga Iugoslávia para a União Européia. Em tom quase depressivo dirigiu-se à platéia de promotores, fiscais, policiais e jornalistas pedindo ajuda: o que vocês fariam numa situação dessas?

Eu ria para não chorar…

Aonde viemos parar meu Deus?!… (E eu que pensava que era ateu!)image001

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas Globalização

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
7 Comentários
  1. luzia

    amei o texto, super otimo.. estava procurando extamente isso!
    ME AJUDOU MUITOO
    obrigada pela ajuda, beijos

  2. RICARDO

    gostei demais nunca vou esquecer
    consegui fazer o trabalho!!!!!!!!!!!!

  3. carolina

    Não entendi o texto mais achei interessante.

  4. VITORIA

    MUITO CHATO

  5. ana beatriz

    não entendi

Deixe um comentário