Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Cara dura

Publicado por Sebastião Verly em Cotidiano
data: 07/02/2013

Hoje, diferente do que costumo, começo este texto com o título, pois, geralmente o título surge no decorrer da escrita. Quero mais desabafar, informar e mostrar o que significa ética, valores nobres que poucos conhecem. No Brasil chamamos de cara de pau, a este cara dura que nos deu o título.

Há anos, quando voltava de São Luís do Maranhão, numa estrada livre que passa pelo Estado do Piauí, onde a sinalização indicava o limite de velocidade como 60 km/h. Minas esposa, na ocasião, dirigia seguramente a 82 km/h conforme mostrou o radar e fomos parados pela Policia Rodoviária. O policial que nos abordou foi direto ao ponto: “não tentem me subornar, porque se tentarem eu terei que levá-los presos”.

Durante anos, contei para muita gente este fato, que poderia ser considerado inédito nos anais da justiça deste país. Todavia, pela naturalidade com que falou o policial, deu a entender que todos ali atuavam da mesma maneira. Pensei em dar um presente para o policial pela brilhante forma de agir, mas recuei ao pensar que na realidade poderia parecer um suborno. Esta é uma das poucas lembranças boas que tenho daquele período em que trabalhei em São Luís do Maranhão.

Durante a viagem ao Uruguai, na penúltima semana de janeiro/2013, ouvi de meu filho, uma lição que jamais esquecerei: “há gente boa e seus opostos por toda parte”.

Assim, foi que conheci, pela amarga experiência essa verdade absoluta, ao encontrar na “Polícia Caminera”, o chamado – pela própria midia uruguaia – de “cara dura” (cara de pau no Brasil) para aqueles policiais rodoviários, que achacam – melhor seria dizer assaltam – os incautos motoristas nas estradas do interior do pequeno e admirável país.

Já disse e escrevi centenas de vezes sobre a grande admiração que tenho pelo povo do Uruguai.

Quando voltávamos de Colônia do Sacramento já no final da tarde, depois de rodarmos poucos quilômetros, vimos a viatura novinha daquela especialidade policial, a qual fez sinal para que meu filho parasse o carro, ali no canteiro central entre as duas pistas. Em situação normal, deixaria que meu filho descesse sozinho para receber a multa por estar um pouco acima da velocidade. No entanto, um dos policiais ao perceber de que se tratava de “turistas” brasileiros, mandou que meu filho, esperasse a passagem de um veículo que veio a seguir, fosse estacionar no acostamento da nossa pista, local que deveria ter indicado para a parada como o procedimento normal logo na primeira ordem para parar.

Paramos, meu filho desceu e logo o cara já havia visto que o carro era alugado no Uruguai e fazia aquela conversa que no Brasil chamamos Cerca Lourenço, para manter uma enrolação. A conversa demorava mais do que o normal para essas situações e resolvi descer e acompanhar de perto. O bandido sorria, a cada momento mais.

Desci e cumprimentei o impostor, enquanto meu filho procurava outros documentos que ele, o imoral, disse que queria ver. Perguntou-me sempre com o sorriso cheio de safadeza onde eu trabalhava no Brasil. E me perguntou se a multa de quase mil reais, ou 500 dólares seria um problema para nós. Claro que sim, respondi.

Naquela altura da abordagem, ele não cansava de repetir que o impresso próprio que lhe permite receber ali mesmo a multa havia acabado. E para o pagamento no Escritório Central da Policia Caminera, iria complicar ainda mais para nós, já que teríamos que pagar obrigatoriamente a multa até o dia seguinte. Com os documentos de meu filho nas mãos, não escreveu nada no talão que tinha consigo. Reiterava insistentemente que as multas no Uruguai são muito altas e que ele teria que comunicar com a locadora, imediatamente, pois era na quinta-feira à tarde, e como sairíamos do país, no domingo, eles teriam que ser informados para nos cobrar o exorbitante valor.

Com sorrisos dos mais indecentes que já vi, cansávamos com as suas lenga-lengas desnecessárias e mentirosas explicações. E sempre dizia que seus companheiros nos próximos pontos estariam de olho em nossa passagem.

A irritante conversa prosseguia até que ele foi direto ao assunto: “pela metade do valor da multa, se lhe déssemos, ali às escondidas dos colegas que fingiam ocupar-se em olhar a vazia estrada, ele nos deixaria ir. A princípio, relutamos. Porém à sua repetição de que os colegas nos pegariam na próxima passagem e sempre haveria um motivo para aplicar uma pesada multa, fomos obrigados a ceder. Quando fazíamos menção de ceder, a namorada de meu filho, que também possui o DNA da ética, quis descer do carro e ele exigiu que meu filho mandasse que ela permanecesse no carro, longe do assalto. Antes, confirmou que meu filho era bancário e repetiu que queria dólares. Deixou bem claro que não tínhamos saída, expressão que usou em sua conversa. O melhor para todos seria a propina corruptora.

Meu filho foi até a namorada que possuía U$ 500 dólares em notas de U$ 50,00 e pegou 5 notas que entregou ao assaltante. Numa ironia porca sugeriu que não íamos querer o troco em pesos, a moeda desvalorizada do Uruguai. Eu percebi que ele guardou separada e imediatamente duas notas de U$ 50 em seu bolso, com a clara intenção de “passar a perna” também nos próprios colegas.

E a seguir, quando eu quis pegar em sua mão para despedir-me, mostrou-se um tremendo gozador ao negar a me estender a sua mão dizer – em três palavras – que éramos pessoas decentes, insinuando que não ficaria bem tocar a mão de um espertalhão.

Num país como o Uruguai, com gente de mais alta qualidade e valor, um cara dura desses confirma o ensinamento pétreo que recebi do meu filho: em toda parte há gente de todas as formações, atitudes, comportamentos e formas de agir. Gente boa e seus opostos.

E o melhor, me ensinou um pouco mais meu querido filho, é esquecer tamanho desacato. Temos muito mais lembranças agradáveis do Uruguai do que um assalto por um reles meliante, um cara de pau sem limites.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Cotidiano

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
Deixe um comentário