Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Aromas – Um escrito despretensioso – parte VI

Publicado por Sebastião Verly em Crônicas Culturais
data: 24/09/2018

Aromas – Um escrito despretensioso – parte VI

46. Pequi: Conta uma lenda indígena que Tainá-racan era uma linda índia da Amazônia brasileira. Tinha os olhos cor de noite estrelada e seus cabelos eram como fios de seda negra. O andar, elegante como o de uma deusa passeando por entre as flores. Um jovem e formoso guerreiro de uma tribo vizinha – Maluá -, assim que a viu, sentiu forte fogo no corpo e o coração saltando no peito: “Ela é linda como a estrela da manhã. Hei de amá-la enquanto durar a minha vida!”. Pouco tempo depois, estavam casados.

47. A vida deles era bela e alegre como o ipê florido. Todas as manhãs, Maluá saía para caçar e pescar, enquanto Tainá-racan sentava-se na porta de sua oca, tecendo colares e esteiras, moqueando o peixe e preparando o calugi, para ofertar ao seu amado, quando voltasse. Luas depois, quando os ipês voltaram a florir, numa madrugada alegre, nasceu Uadi, o Arco-Íris. Era lindo, gordinho, tinha os olhos cor de noite estrelada, como os da mãe, e era forte como o pai. Mas havia nele algo diferente, que espantou o pai, a mãe, a tribo inteira: Uadi tinha os cabelos dourados como as flores do ipê amarelo. –“Das suas lágrimas nascerá uma planta, que crescerá como uma árvore copada. Ela dará flores cheirosas que as pacas, veados, capivaras e os lobos virão comer nas noites de luar. Depois, nascerão frutos. Dentro da casca verde, os frutos serão dourados como os cabelos de Uadi. Mas a semente será cheia de espinhos, como os espinhos da dor de seu coração de mãe. Seu aroma será tão tentador e inesquecível” Tainá-racan sorriu. E imediatamente viu nascer uma planta, que chamou de Tamauó. A mesma que os índios mehinako, do Xingu, conhecem como akain; e que os homens brancos, do Norte, Nordeste e Centro-Oeste chamam de Pequi. E, quando Maluá voltou, encontrou uma linda, grande e frondosa árvore, cheia de frutos, chamada de pequizeiro. Ele pegou alguns no chão, partiu, tirou os caroços dourados e os comeu, com farinha, junto com Tainá-racan. E depois, se amaram muito, ali mesmo à sombra do pequizeiro.

48. A canela e o cravo da Índia são especiarias mais cheirosas e fazem os melhores doces parecerem melhores ainda.

49. Comida caseira: Geralmente lá pras 10:30, 11:00 já é possível sentir aquele cheirinho de comida bem feita, super preparada, saudável e, lógico, muito gostosa. Boa oportunidade para sentir esse cheirinho, de forma completa, é voltar à passeio à terra natal.

50. Feijão fresquinho da panela de pressão.

51. Churrasco Deus é descrito na Bíblia como extremamente guloso por churrasco. Deus é pintado como um ser que adorava o “cheiro suave da carne assada”. Os churrascos no campo cheiram quilômetros de distância.

52. Alho e Cebola fritos Quando estamos cozinhando algo, quase sempre precisamos fritar alho e cebola e o cheiro é maravilhoso. Para a comida ter um melhor sabor, preciso antes ter antes essa preparação que deixa tudo melhor.

53. A cebolinha, salsinha e coentro fazem a comida mais cheirosa, desde a própria salada até um franguinho caipira. Aliás, o frango ou galinha refogado cheira longe e é um cheiro que traz saudade de tempos que já se foram…

54. Bacon Mais um cheiro nesta lista, mas não menos importante, o Bacon frito. Alguns poderiam trocar todas as refeições por um prato de bacon frito. Há quem exagere para dizer que o cheiro de bacon frito para o nariz pode ser comparado as sinfonias de Beethoven para os ouvidos (ou qualquer música que você ache a melhor do mundo).

55. Peixes fritos, batatas fritas. As frituras quase sempre cheiram longe. Aquele peixinho frito da praia em que a gente frequenta tem um cheiro que dá uma fome danada na gente.

56. Bolinho de chuva da casa da avó.

57. Lápis novo apontado. Será que os lápis de hoje ainda trazem aquele cheirinho gostoso?

58. Todo dinheiro cheira bem, mas as notas novinhas saídas da Casa da Moeda tem um cheirinho especial.

59. Cheiro curral para quem gosta é um cheiro muito agradável. O médico urologista e escritor Paulo Rodarte, membro da Academia Lavrense de Letras (ALL) e da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores de Minas Gerais, lançou seu 15º livro, uma coletânea de crônicas. O livro, “Mugido de vaca e cheiro de curral” reuniu crônicas de seu cotidiano, de fatos vividos no interior.

60. Carro novo O cheiro de todos os materiais novos presentes dentro do carro, fazem o cheiro de carro novo único e maravilhoso. Infelizmente esse cheiro você só sentirá durante alguns dias depois que se compra o carro.

61. Gasolina, cheiro de gasolina. Gostar desse cheiro não é uma regra para todos, mas, existem muitas pessoas que adoram. Quando vamos ao posto de gasolina, muito queriam ficar lá mais alguns minutos para ficar sentindo esse aroma mais um pouco.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Crônicas Culturais

Sebastião Verly - Sociólogo, Cronista, residente em Belo Horizonte - MG.
Deixe um comentário