Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Tudo de eu que há em mim

Publicado por Guto Amaral em Poesia
data: 14/02/2012

Peguei o lápis, a caneta

Tomei o tinteiro, a pena afiada

Tentei o astrolábio, a luneta

Corri à vidência, à matemática aplicada

Mas foi o carvão

Que me socorreu, que me demarcou

E então o formão, a talhadeira

Arrancaram deste ébrio granito

Estes versos cinzentos

Este matraquear aflito

Que me tirou do poço escuro

E revelou ao meu espelho

Tudo de eu que há em mim.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Guto Amaral -
Deixe um comentário