Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Esperança

Publicado por Edmeia Faria em Devaneios
data: 23/05/2014

Ventos sopram em direção contrária, tempestades desabam bruscamente, obstáculos de toda natureza barram a passagem do homem na travessia da vida. O que salva é a esperança. Mesmo que as velas se partam, mesmo que não cheguemos inteiros, mesmo que nem alcancemos o farol, o que faz do homem um bom timoneiro é a esperança. Sem ela, todo o sentido se perde. Nem o sonho nem a realidade são vivíveis.

A antítese da esperança é o desespero. E o desespero, preâmbulo da loucura. Plantar e cultivar a esperança na alma da criança é salvar o homem, salvar o mundo,  salvar a vida. É, portanto, um dever sagrado.

Vivemos um mundo onde todos os valores são contestados. Contesta-se inclusive a esperança. Roubaram a infância. Semearam na alma da criança a dúvida, a incerteza. Adultizaram-na antes do tempo. O resultado aí está: uma juventude perdida. Buscando, quem sabe, nos tóxicos e no sexo a fantasia não vivida na infância. Fantasia… E o que é fantasia? E o que é realidade? Já foi dito, com muita lucidez, que a fantasia é a realidade interior; e a realidade, a fantasia exterior. É importante, pois, a compreensão e vivência dessas duas realidades.

Questiona-se cada vez mais a esperança. Na vida que cria a Literatura. Na Literatura que recria a vida. Fé e caridade são hoje palavras náufragas.

Salve-se a esperança, ainda que o barco esteja afundando.

Pois, enquanto há esperança, há vida.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Devaneios

Edmeia Faria -
Deixe um comentário