Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Mário Quintana – frases II – Poesia, literatura

Publicado por Editor em Mário Quintana
data: 29/01/2013

Os verdadeiros versos não são para embalar, mas para abalar…

Simultaneidade

- Eu amo o mundo! Eu detesto o mundo! Eu creio em Deus! Deus é um absurdo! Eu vou me matar! Eu quero viver!

- Você é louco?

- Não, sou poeta.

Fere de leve a frase… E esquece…

Nada convém que se repita…

Só em linguagem amorosa agrada

A mesma coisa cem mil vezes dita.

Leituras

- Você ainda não leu O Significado do Significado? Não? Assim você nunca fica em dia.

- Mas eu estou só esperando que apareça O Significado do Significado do Significado.

A Arte de Ler

O leitor que mais admiro é aquele que não chegou até a presente linha. Neste momento já interrompeu a leitura e está continuando a viagem por conta própria.

Busca

Subnutrido de beleza, meu cachorro-poema vai farejando poesia em tudo, pois nunca se sabe quanto tesouro andará desperdiçado por aí…

Quanto filhotinho de estrela atirado no lixo!

A Carta

Quando completei quinze anos, meu compenetrado padrinho me escreveu uma carta muito, muito séria: tinha até ponto-e-vírgula! Nunca fiquei tão impressionado na minha vida.

Leitura

Se é proibido escrever nos monumentos, também deveria haver uma lei que proibisse escrever sobre Shakespeare e Camões.

E nunca me perguntes o assunto de um poema: um poema sempre fala de outra coisa.

A diferença entre um poeta e um louco é que o poeta sabe que é louco… Porque a poesia é uma loucura lúcida.

O Poema: o poema essa estranha máscara mais verdadeira do que a própria face.

Se um poeta consegue expressar a sua infelicidade com toda a felicidade, como é que poderá ser infeliz?

Só a poesia possui as coisas vivas. O resto é necropsia.

A poesia não se entrega a quem a define.

Mas o que quer dizer este poema? – perguntou-me alarmada a boa senhora.

E o que quer dizer uma nuvem? – respondi triunfante.

Uma nuvem – disse ela – umas vezes quer dizer chuva, outras vezes bom tempo…

Poesia, uma maneira de falar sozinho.

Poesia é comunicação…a sós.

Esquece todos os poemas que fizeste. Que cada poema seja o número um.

Mas por que datar um poema? Os poetas que põem datas nos seus poemas me lembram essas galinhas que carimbam os ovos…

Não tem porque interpretar um poema. O poema já é uma interpretação.

Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão.

Um poeta satisfeito não satisfaz. Dizem que sou tímido. Nada disso!, sou é caladão, introspectivo. Não sei porque sujeitam os introvertidos a tratamentos. Só por não poderem ser chatos como os outros.

Diário de Viagem

O poeta foi visto por um rio,

por uma árvore,

por uma estrada…

Biografia

Entre o olhar suspeitoso da tia

E o olhar confiante do cão

O menino inventava a poesia…

Germinal

Planta

Com emoção

Este verso em teu coração

Uma folha, ai,

melancolicamente

cai!

O Verso

O verso é um doido cantando sozinho.

Seu assunto é o caminho. E nada mais!

O caminho que ele próprio inventa..

Não sei dançar. Minha maneira de dançar é o poema.

Livros não mudam o mundo,

quem muda o mundo são as pessoas.

Os livros só mudam as pessoas.

Há certas coisas que não haveria mesmo ocasião de as colocarmos sensatamente numa conversa – e que só num poema estão no seu lugar.

Cada poema é uma garrafa de náufrago jogada às águas…

Quem a encontra, salva-se a si mesmo.

Se nunca nasceste de ti mesmo, dolorosamente, na concepção de um poema…estás enganado: Para os poetas não existe parto sem dor.

O poema é uma pedra no abismo.

Repara como o poeta humaniza as coisas: dá hesitação às folhas, anseios ao vento. Talvez seja assim que Deus dá alma aos homens.

Todo poema é uma aproximação

Pegue sua xicara e leia a vontade: “Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente … e não a gente a ele.”

Não tenho vergonha de dizer que estou triste, não dessa tristeza ignominiosa dos que, em vez de se matarem, fazem poemas.

Quero é ficar com alguns poemas tortos que andei tentando endireitar em vão…

O poema é uma bola de cristal. Se apenas enxergares nele o teu nariz, não culpes o mágico.

E agora pedem-me que fale sobre mim mesmo. Bem! eu sempre achei que toda confissão não transfigurada pela arte é indecente. Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo, nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão. Ah!, mas o que querem são detalhes, cruezas, fofocas.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Mário Quintana

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Comentário
  1. Edméia Faria

    Ah! A eterna poesia!
    Os poemas de Quintana, os versos de Quintana…
    a magia…
    A vida em versos. Assim são os poemas de Quintana.

Deixe um comentário