Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Grupo de Percussão da UFMG

Publicado por Editor em Eventos, Música
data: 01/11/2011

Foto Natália Mitre

Grupo de Percussão da UFMG

apresenta

Música Instrumental Teatral

Com a estréia brasileira da obra

“Dressur” de Mauricio Kagel

e a estréia da obra “Interferência”

da compositora mineira Thais Montanari

Sexta-Feira, 4 de novembro/2011 – 21h

Sala Sérgio Magnani – Fundação de Educação Artística

Rua Gonçalves Dias, 320 – B. Funcionários – BH

Fone: 31-3226-6866

Ingressos: R$ 20,00 e R$ 10,00

 

Direção: Fernando Rocha

Integrantes: Breno Bragança, Felipe Bastos, Felipe Kneipp, Henrique

Edwin, José Henrique Viana, Natália Mitre e Rafael Mello

Apoio técnico: Thiago A. M. Campolina

 

Programa:

Thais Montanari (Brasil, n. 1986): Interferência (2011) – Estreia mundial

Felipe Bastos, Henrique Edwin, Natália Mitre, Rafael Mello

Apoio técnico: Thiago A. M. Campolina

 

Mauricio Kagel (Argentina, 1931- 2008): Dressur (1977) – Estreia brasileira

Breno Bragança, Felipe Kneipp, José Henrique Viana

 

Música Cênica ou Música Instrumental Teatral (‘Instrumental Music Theatre’) é um termo que apareceu na segunda do século XX, para se referir a obras instrumentais nas quais o compositor utiliza intencionalmente, além de elementos sonoros, material visual e teatral. Assim, ações dos intérpretes, tais como seus próprios gestos instrumentais, ou mesmo outros gestos e movimentos em palco, bem como recursos visuais como iluminação, cenário e figurino passam a ter uma importância estética semelhante por exemplo a forma e harmonia. Um dos principais nomes na história deste gênero foi o do argentino Maurício Kagel.

O concerto traz também a estréia da obra “Interferência”. Segundo a compositora Thais Montanari, “Interferência é resultado do meu trabalho de residência com o Grupo de Percussão da UFMG. A idéia inicial da peça surgiu em consequência ao meu crescente interesse em explorar a composição relacionada a elementos extra-musicais e a minha vontade em relacionar esses elementos voltados à música feita para percussão. A utilização de luzes é o elemento extra musical utilizado nessa peça – no set de cada percussionista é adicionado um instrumento peculiar: um conjunto de um interruptor e um dimmer. A iluminação passa a fazer parte da música, sendo tratada como elemento musical que interage e intervém no fluir dos acontecimentos musicais, bem como no modo de ouvir do público.”

Fernando Rocha é professor de percussão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em 2008, concluiu o seu doutorado em música pela McGill University (Montreal, Canadá). Possui também Mestrado em Música pela UFMG e Bacharelado em Percussão pela UNESP. Atualmente é diretor do Grupo de Percussão da UFMG e do Grupo de Música Contemporânea Sonante 21, além de membro do grupo Oficina Música Viva.

O Grupo de Percussão da UFMG, nasceu em 1998 e, desde então, tem participado de vários eventos em âmbito local, nacional e internacional. Nos seus 13 anos de existência, o grupo realizou inúmeras primeiras audições, em Belo Horizonte, de obras importantes da música contemporânea, de autores como John Cage, Steve Reich, Edgar Varèse, Minoru Miki, Louis Andriessen além de ter estreado várias obras de compositores e estudantes de composição de Belo Horizonte.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Eventos Música

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
Deixe um comentário