Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Cidade Administrativa: servidores apreensivos

Publicado por Editor em Arquitetura, Engenharia, Recursos Humanos
data: 06/07/2010

Repórteres: Gleide Santos e Cristiane Lopes

Foto: Gleide Santos

O Complexo

Cinco prédios compõem o complexo da Cidade Administrativa: o palácio do Governo, ou Palácio Tiradentes; um auditório com capacidade para 500 pessoas; dois prédios ou torres, ‘Minas’ e ‘Gerais’, feitos para abrigar todas as secretarias e um centro de convivência, construído entre as torres das secretarias. O projeto leva a assinatura do arquiteto Oscar Niemeyer. A área construída é de 310 mil m² e contou com o trabalho de nove das maiores construtoras do país: Camargo Corrêa, Santa Bárbara, Mendes Júnior, Odebrecht, Queiroz Galvão, OAS, Andrade Gutierrez, Via Engenharia e Barbosa Mello. Até outubro a previsão é que cerca de 16,3 mil funcionários estejam trabalhando no complexo.

A nova sede custou aos cofres do governo do Estado até o momento R$ 1,2 bilhão, sendo R$ 948 milhões com a execução da obra e outros R$ 280 milhões gastos em serviços e equipamentos contratados. O tempo gasto para conclusão da obra totalizou 15 meses. Mas apesar de ter sido inaugurada em 4 de março deste ano, a estrutura da Sede apresenta sérios problemas como trincas e rachaduras.

Trincas e rachaduras

Segundo notícias que circulam na imprensa, haveria um laudo técnico comprovando o afundamento de 15 centímetros na fundação do Edifício Minas, que possui 17 pavimentos.

No dia 17 de junho, os servidores fizeram uma reunião com a Secretária da SEPLAG, Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, com Ricardo Lopes Martins, prefeito do complexo e Marcelo Arruda Nacif, diretor da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, Codemig, ocasião em que a secretária confirmou apenas o surgimento de rachaduras no acabamento do piso, de entrada, em função da escolha infeliz do material.

Foto Divulgação – Cristiano Couto

Além das trincas no piso térreo do Palácio Tiradentes, servidores dão conta que no prédio “Minas”, que fica do lado da rodovia, onde os pisos foram cobertos com lâminas de carpete de formato contínuo, tais carpetes apresentam rupturas provocadas por trincas, que nesse caso seriam mais graves, pois indicariam o comprometimento de toda a estrutura do prédio, que até hoje está com pequeno nível de ocupação. No entanto nota oficial divulgada pelo governo do estado através da SEPLAG afirma que tais “trincas” seriam na realidade as fendas de dilatação, já que os prédios-torres foram edificados em cinco módulos contíguos, mas não contínuos. Afirma também a nota, que está afixada em todos os órgãos públicos do estado, que o recalcamento das fundações está num nível aceitável, e que não indicam o comprometimento da estrutura.

No entanto é verdade que o cronograma de transferência dos órgãos do governo para a nova sede está bastante atrasado, e ao que tudo indica, foi interrompido. A mesma nota oficial afirma que o atraso do cronograma se verifica pela complexidade dos sistemas informatizados que não podem sofrer descontinuidades em seu funcionamento.

De acordo com o portal “Gestão Pública”, do Sindiute-MG, o governo admite gastar uma significativa soma adicional para manter o complexo de pé. A lista de “defeitos” na obra apontados num “check-list” preliminar vai do tipo de piso usado nos pilotis dos prédios principais, cuja granitina apresenta uma série de fissuras, às maçanetas que não conseguem manter as portas fechadas. A discussão sobre quem pagará a conta gera constrangimento entre as construtoras e o governo.

Nossa equipe procurou o Assessor de Imprensa da Cidade Administrativa, Aluizio Bernardes, mas até o fechamento dessa matéria ele não havia se pronunciado sobre o assunto.

Opinião de um especialista

O presidente do Instituto Mineiro de Engenharia Civil, IMEC, engenheiro civil Marcelo Fernandes da Costa, 54 anos, especializado em obras de grande porte, e há mais de trinta anos no mercado, ouvido pelo Portal Metro, ressalta que as conseqüências de uma fenda ou rachadura no prédio Minas da Sede Administrativa são perigosas. Segundo ele, um recalque na fundação pode ocasionar rachaduras devido ao acomodamento da estrutura no solo, mas pode se estabilizar com o decorrer do tempo e assim, se a estrutura for sólida, o problema não se agrava.

De acordo com Marcelo, as rachaduras poderiam ter sido evitadas. Ele afirma que a causa de uma rachadura passa por várias possibilidades, desde a execução da fundação, até a conclusão da estrutura, passando pelo projeto estrutural, pela mão de obra executora e pelo cronograma da obra.

Marcelo ressalta que a principal hipótese explicativa dos problemas estruturais surgidos passa pela concepção arrojada do projeto arquitetônico do Centro Administrativo.

Foto: Cristiane Lopes

A obra, que teve início em janeiro de 2008, teve que ser concluída a tempo do então governador Aécio Neves inaugurá-la, antes de sua saída para desincompatibilização eleitoral. A inauguração se deu em 4 de março, coincidindo com a data do centenário de Tancredo Neves, avô de Aécio, que dá nome ao complexo. O projetista buscou os limites extremos permitidos pela tecnologia do concreto. Segundo o engenheiro entrevistado, foi exigido, tanto do calculista da estrutura quanto das construtoras, que trabalhassem no limite extremo, não restando margem para qualquer falha humana.

Recorde de vão livre e de ar condicionado

No caso do Palácio Tiradentes o edifício cravou o recorde mundial de vão livre em concreto armado com um comprimento de 147 metros, largura de 26 e quatro andares, ficando pendurado na estrutura superior que é sustentada por quatro grandes colunas. Segundo um arquiteto paulista da geração mais atual, os projetos são “requentados e superados, deixando de lado questões atuais como a eficiência energética – o complexo tem a maior área de vidros da América Latina. Fachadas envidraçadas voltadas para as faces ensolaradas, por exemplo, um erro primário que exigirá mais energia do ar-condicionado”.

Afora estas críticas doutrinárias, segundo alguns funcionários do prédio do Palácio Tiradentes, nau capitânea da flotilha, onde o sistema de escoamento das águas servidas é feito à vácuo na vertical ascendente, no momento em que se dá uma descarga nos vasos sanitários um grande ruído é ouvido.

Apreensão dos Servidores

Sobre a situação dos servidores para ali transferidos, conversamos com a escriturária Solange Mendes Assis, 52 anos, que presta serviços para o governo há 28. Ela diz que os funcionários têm enfrentado problemas com alimentação e transporte, o que tem deixado alguns ansiosos. No que se refere à alimentação, Solange conta que a comida é cara e não são raros os casos de servidores com problemas estomacais. “Não temos uma farmácia ou lanchonete, tendo que nos contentar com máquinas de aperitivos juvenis que não são saudáveis, não saciam a nossa fome e custam caro”. Além disso, a água colocada em um copo na parte da manhã estaria se tornando turva na parte da tarde.

A sede possui dois restaurantes, mas Solange acredita que um restaurante popular no local seria o mais adequado. “Solucionaria as nossas necessidades, com alimentos de qualidade e baixo custo”, diz.

De acordo com Solange o transporte não é nada especial, ela disse que as “vans” não têm nenhuma fiscalização, “as pessoas correm sérios riscos”.  Ela gasta duas horas para chegar ao serviço, “tenho que pegar metrô, ônibus e aguardar até que o mesmo esteja cheio para poder sair” diz. Solange afirma que paga a sua passagem do próprio bolso, “tenho que arcar com meu dinheiro e correr riscos para chegar ao local que nos foi imposto”.

Mara Adelaide Pessoa Dutra, socióloga e servidora trabalhando na Cidade Administrativa, disse que considera válida a proposta de reunir em um só local os diversos órgãos estaduais, pois isso pode contribuir para maior integração das ações e rapidez para o usuário que precisa de se dirigir a mais de um órgão.

De acordo com a socióloga, no entanto os funcionários têm sido prejudicados, “uma vez que o deslocamento até a sede consome bastante tempo, em razão da distância entre a Cidade Administrativa e o Centro de Belo Horizonte e da falta de transporte regular e rápido”.

Ela disse que quando se optou pelo local não se pensou em dois pontos importantíssimos: o bem-estar da população da região e dos funcionários.

De acordo com Mara, a mudança implicou em perda de tempo, de assistência à família e dinheiro. “Por exemplo, hoje, com transporte e refeição, gasto em torno de R$ 270, mais do que gastava antes, R$ 192,” diz.

Mara também comenta sobre as rachaduras. Ela disse que a secretária Renata Vilhena esteve no prédio no qual trabalha para tentar acalmar as pessoas, informando que não há risco do prédio cair. “Outro dia, caiu um pedaço de gesso do teto da minha sala e questionei: “um pedaço de gesso pode machucar alguém, não pode?” ”Não tive resposta, quer dizer, é natural que caiam pedaços de gesso no local de trabalho dos funcionários”, relata.

De acordo com a servidora, ela não acredita que haja ameaça do prédio cair. “No entanto, apesar de não me preocupar com isso, já sonhei com um prédio cheio de trincas, que desabou sobre minha cabeça. Ou seja, essa história acaba nos impressionando.”

Mara disse que são absurdas as condições de transporte entre Belo Horizonte e a Sede, e até se sente uma privilegiada, como explica: “moro na Savassi e tem um ônibus pela manhã que passa a três quarteirões de minha casa e leva 45 minutos para chegar à Sede. Porém, esse ônibus passa somente até as 8h00 da manhã. Fora desse horário e todos os dias à tarde, tenho que pegar ônibus, metrô e depois outro ônibus”. Nesse caso ela gasta em média de uma hora e meia a duas horas para chegar ao local de serviço.

Quanto à alimentação ela disse que almoçou no restaurante “a quilo” umas quatro vezes, “em duas vezes que almocei me dei bem, comida simples, mas gostosa; nas outras duas, não havia opção de carne de frango, somente coisas que não como.” Para ela, a comida pode ser melhorada, todos os dias têm que ter o básico saudável, carne de boi e frango grelhados e pelo menos, duas variações de carne, peixe, lingüiça… Mara disse que a Sede deveria diminuir o preço da comida. Também de acordo com a servidora seria importante instalar um restaurante popular, como o que há no centro de Belo Horizonte.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Arquitetura Engenharia Recursos Humanos

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
32 Comentários
  1. Lucas/ Betim

    Um governo que não paga vale transporte nem vale refeição, paga um salário ‘passa fome’ para a maioria dos servidores e ainda por cima avisa que não tem o mínimo interesse em investir nos funcionários, merecia uma greve geral em vésperas de eleições para entender que quem faz o estado funcionar são os servidores. Isto foi a maior malandragem do mundo, no início seria no aeroporto Carlos Prates, na verdade já se sabia que seria no Serra Verde, mas enquanto a sociedade olhava para o aeroporto o governo já mandou o recado para as construtoras e empreiteiras, hoje já estão fazendo loteamenentos próximos dali, foi informação vendida!

    • Vision

      Em resposta a a Lucas, Betim:
      Paga vale refeição e alimentação. Favor colocar reportagem onde o governo “avisa que não tem o mínimo interesse em investir nos funcionários”.

  2. Fátima/Uberlândia

    Nas próximas eleições esquecer que existe o continuismo dessa irresponsabilidade! E nós é que pagamos a conta.Tem um hospital aqui na minha cidade com a construção andando a passos de tartaruga para inaugurar com certeza nas vésperas da eleição, enquanto isso o povo não consegue se internar por não ter vagas nos hospitais.

    • Vision

      Em resposta a Fátima, Uberlândia:
      Qual irresponsabilidade? E aí? Inauguraram o hospital? Quando?

  3. Cibele - BH

    Além de todas as falhas e erros cometidos pelo governo estadual na construção e instalação dos servidores na Cidade Administrativa (CAMG), há também o aparecimento de ratos nos prédios. O informe local para servidores relata que é normal o aparecimento de roedores pois estes permanecem em locais onde encontram ACESSO, ÁGUA e ALIMENTO!! Podemos concluir então, segundo informe do governo, que todos que trabalham na CAMG são ratos, principalmente aqueles presentes (nem sempre) no Palácio Tiradentes!!! Só falta culpabilizarem os ratos pela suposta ruína do prédio “Minas”!!

    • Vision

      Em resposta a Cibele – BH:
      É para rir, né? Jura que é este o seu pensamento?

      “Juntamente com os seres-humanos os ratos são os um dos animais mais adaptáveis do mundo, em relação à condições geológicas e climáticas.
      Os ratos são os animais que tem o organismo mais parecido com os dos humanos, por isso são usados frequentemente para pesquisas em laboratórios.”

      Realmente somos muito parecidos. Você, uma moça sábia que é, entendeu muito bem o informe local para servidores. Sabe que não foi esse sentido.

      Talvez quem não está presente na CAMG é porque teve que viajar para cuidar das questões interiores e exteriores do Estado.
      Só mais uma pergunta (que talvez não tenha nada haver): já estudou “Política?”

    • Cibele

      Em contra-resposta ao Sr. “Vision”:
      Primeiramente, saiba que o governo estadual, paga para a maioria AUXÍLIO transporte e alimentação, que mal paga a ida ao trabalho e um pão com manteiga por dia.
      Quanto ao meu comentário, é ÓBVIO que foi uma crítica! A analogia entre ratos e humanos foi algo tão oportuno que até o “Sr.” concordou, afinal, deseja que os servidores sejam tão adaptáveis a ambientes “degradados” quanto os ratos e concorda que sejam cobaias!! Acredito que saiba que antes da antropização e degradação do meio ambiente, os roedores viviam em ambientes naturais e saudáveis e não geravam riscos a saúde de outros organismos, certo?!!
      Na época destes comentários (há mais de um ano atrás) as condições de trabalho na CAMG eram péssimas, a estrutura foi inaugurada sem pensarem nos servidores que se instalariam no local (planejamento estratégico, onde estava??). Hoje, algumas coisas melhoraram, diante das insatisfações e reclamações dos que lá trabalham,e lógico, em resposta à imprensa, que está se libertando das amarras, divulgando os absurdos que lá acontecem.
      Desde março de 2010, época da mudança, a CAMG é um verdadeiro canteiro de obras. Tudo é construído, destruído, reconstruído. Até mesmo os canteiros dos jardins, “mudam” de posição!! Vá lá hoje e encontrará banheiros entupidos com infiltrações de esgoto que perpassam 6 andares chegando a atingir o hall externo do prédio Gerais, fora o cheiro fétido dos corredores internos. Local perfeito para ratos “adaptados” não?????

  4. Rodrigo

    A alimentação no começo era horrivel entretanto agora eles deram uma melhorada na qualidade da comida!! mas a falta de VAGAS DE ESTACIONAMENTO acho um absurdo total pagar R$ 20 REAIS POR DIA! para poder estacionar ali!!! é revoltante isso sim!

    • Vision

      Em resposta a Rodrigo:

      Vamos pensar na solução: Traga comida de casa! Oi, simples assim! Quando você pagou 20 reais por dia de estacionamento? Para quem?

  5. Sara Batista Belo Horizonte

    Além de pagar estacionamento, tem que pagar pra nascer tem que pagar pra morrer, temos que pagar principalmente o pato com a saúde, pois as maquinas estão lá, recheadas com tudo que não é saudável e num mundo poluído somos obrigados a usar copos descartáveis o tempo inteiro, e à disposição pra um lanchinho rápido temos: fritas, amendoim japonês e outros salgadinhos industrializados.
    E ainda diz que lá se faz economia, só se for economia de inteligencia de quem administra e de quem é administrado e não percebe que os decartavéis são altamente poluentes e os alimentos pouco saudáveis.

    • Vision

      Em resposta a Sara Batista – BH:

      Outro comentário para rir?
      Ok! As máquinas estão lá com seus lanches engordativos e não saudáveis, mas você é obrigada a comer e pagar aqueles lanches? Traga uma fruta de casa!
      Por que você não usa uma garrafa para tomar água em vez de usar os copos descartáveis?

      “…só se for economia de inteligencia… de quem é administrado e não percebe que os decartavéis são altamente poluentes e os alimentos pouco saudáveis.” – Espero que você não se enquadre a este grupo! Eu não estou no meio! ;)

    • edson

      O Centro Administrativo é perfeito, tem ônibus para todos os lugares, tem a melhor e mais barata comida do mundo, o estacionamento é grátis, é tudo muito seguro, não tem inundação na garagem, não tem trincas, não sai janelas voando é uma filial do paraíso, como o Governo Aécio Neves, Choque de gestão, pib da China, déficit zero, tudo isso na Minas da propaganda. A realidade é outra. O CA está se tornando o Comitê do Aécio nem presica mudar a sigla. E Minas Real? Pergunte aos professores, aos medicos, prof. de segurança. Nos jornais MG está quebrada, dívida impagável, kd o pib da China o déficit zero o choque de gestão?

  6. Maria Otávia

    Quando as pessoas tiverem mais responsabilidade ao votar, coisas como essas não vão mais acontecer.
    A politicagem e a vontade de levar vantagem em benefício próprio está estirpando as pessoas do bem.
    Anastasia super votado baseado em que?
    Dinheiro gasto em sua campanha e de Aécio, creio eu.
    Ele não se importa com a educação, nem com a coletividade, esperar o que?

    • Vision

      Em resposta a Maria Otávia:

      Sim sim! O Lula também reclamava o governo quando era da esquerda. Agora ele viu que não é tão fácil. Não se agrada a todos, por isso existe a democracia e a maioria decide!

  7. JOSÉ MAURO SANTOS DE OLIVEIRA

    Acho que muita gente segue a teoria do imediatismo!!! Nada é perfeito, principalmente no início!!! Penso que o aprendizado maior é quando reconhecemos que cometemos erros e procuramos corrigi-los!!! Além disso, a maioria de nós é avesso a mudanças e sempre procura motivação para essa postura. Será que, mesmo aqueles com capacidade técnica para comentar os erros e acertos cometidos, fariam melhor ?
    Não tenho procuração do governo para defendê-lo, mas ainda que tivesse, o faria com isenção!!! Devemos melhorar a nossa capacidade de adaptação às situações e não somente criticar!!!

    • Vision

      Em resposta a José Mauro Santos de Oliveira:

      Finalmente alguém sensato!

  8. Roberto

    Bem feito para nós que elegemos este cidadão como governador, que faz leinha verde para os ricos irem para Confins, distribui 10 ambulâncias para as algumas cidades do estado, deixa o IPSEMG sucateado, gasta o dinheiro publico reformando Mineirão. Temos o governo que merecemos ele foi eleito em primeiro turno e tem a maioria na Assembleia. Que Deus tenha piedade de nós.

  9. JOSÉ EUSTÁQUIO BABETO

    O QUE COMEÇA ERRADO NÃO PODE ACABAR CERTO…

  10. Rosimar

    Alugo apartamento próximo à CAMG. Particular – ótimo ap e preço .Alguém me procurou aí da CAMG.

    • Vision

      Em resposta a Rosimar:

      hahahahahahaha O melhor comentário!!!

  11. Prezado (a) tiete anônima do governo, que deve ser algum cargo comissionado (cabo eleitoral) ou jornalista do Estado de Minas, o que na prática consiste na mesma coisa. Apesar de você não ter tido a dignidade de se identificar, pois assim com o governo gosta das coisas obscuras e pouco transparentes, respondo a vc que basta olhar os EDITAIS dos concursos de algumas secretarias que você verá que existem cargos de nível superior com salários de R$ 1.200 sem nenhum benefício. Quando houve a mudança pessoas da SEGOV transmitiram a mensagem aos servidores que o projeto de governo visava não se onerar muito com Recursos Humanos. Apesar da imprensa corrompida não publicar, pessoas mais conscientes buscam informações em canais alternativos, sabendo que o governo passado deixou uma dívida pública de 80 bilhões, dos quais muitos deles foram usados com propagandas e mais de 1 bilhão na construção desta nova sede. Ainda bem que no Estado está tudo perfeito para este governo se dar a este luxo.

    Na verdade eu peguei leve demais no primeiro cometário, pois inicialmente disseram q a nova sede do governo seria no aeroporto Carlos Prates, uma area urbana com alta densidade demográfica que qualquer pateta sabia que nunca poderia abrigar uma estrutura de um centro administrativo. Enquanto isso mandou recadinhos as empreiteiras amigas para comprarem terrenos na região do Serra Verde, que como agrado jogaram aquela avalanche de dinheiro para contratarem os mercenários para ficar panfletando em todas as esquinas de todas as cidades de Minas Gerais. Em suma, para mim aquilo foi pura malandragem, o CAMG foi um dantesco Caixa 2 protegido por lei.

  12. Jonas

    Lucas, parabéns pelas observações! TRABALHO LÁ e sei MUITO BEM o que passamos. Esse tal de “vision” NÃO TEM VISÃO NENHUMA, ou é algum assessor daquela turma lá, com excelente salário e com certeza não precisa marcar ponto!!! Acha que somos OTÁRIOS??? TROLL!!!!!!!!!!!!
    Para esses palhaços que vivem dando pitacos, criticando nossa insatisfação, deveriam trabalhar lá UM MÊS recebendo mil e poucos reais BRUTOS, tendo de almoçar no Restaurante(?) MORTE-LENTA (porque o outro melhorzinho e pouco mais caro, o “Styllus da Terra” do Alvimar Perrela, saiu de lá de fininho) e tendo que encarar engarrafamentos monstruosos TODOS OS DIAS pra poder chegar em casa! AÍ eu iria querer ver a cara deles! Pimenta nos olhos dos outros é refresco, né, “Vision” Manezão? E o babaca AINDA fica querendo que todo mundo que esteja insatisfeito com a comida de lá leve marmita de casa… Coisinha meiga!

    Que os outros comentaristas SENSATOS daqui me perdoem as palavras, mas não suporto mais ouvir sandices desses caras que ganham bem, lambem as botas do patrão e vêm falar bobagens mil sobre nós que lá sofremos. CHEGA!!!

  13. Ayr

    É lamentável, que isto tudo esteja acontecendo, demonstrando a insatisfação de parte do funcionalismo. Pois realmente causa muita estranheza que o primeiro local cogitado para ser a sede da cidade administrativa tenha sido o terreno do aeroporto Carlos Prates e depois anunciado que a construção seria no bairro Serra Verde. Segunda observação, quem conheceu a área onde foi construída a cidade administrativa ficou admirado com tamanha obra que ali foi edificado, pois o local parecia ser totalmente inviável por se tratar de um açude, uma lagoa, um pántano, nem sei ao certo o que era aquilo.
    Nós brasileiros ainda não atingimos o mesmo nível dos construtores das grandes obras existentes em outros países. E se preparem para as construções que estão sendo feitas para a copa de 2014, vc terá coragem de entrar nesses estádios feitos
    em tão pouco tempo?

  14. Fernando

    Ate meu cachorro sabe q o Aecio colocou um monte de laranja p comprar terrenos n regiao da cidade administrativa enquanto ele fingia q ia fazer no carlos prates. Aecio e os amiguinhos dele ficaram mais milionarios ainda c essa obra ridicula.

  15. ranny isbelo

    eu nao gostei

  16. Cleonice Flávio

    Gente!!! na verdade eu tinha uma outra imagem dessa obra que custou aos cofres públicos mais de um bi…
    QUE VERGONHA!!!

  17. RENATA

    ESTOU PRECISANDO FALAR COM URGÊNCIA com um motorista da MGS, não sei o nome dele só sei suas características, tem um cabelo grisalho, usa um brinco e mora em Esmeraldas, estou precisando falar com ele, pois ele esta com um documento meu que ele achou, ME AJUDEM A LOCALIZÁ-LO POR ESSE SITE. Desde já, obrigado.

    • Milton Tavares Campos

      Renata, os telefones da MGS são: 3239-8400 e 3239-8700. Esperamos que você encontre seus documentos.
      Um abraço.

  18. Natanael Rodrigues

    Por tanto tempo se louvou o arquiteto Oscar Niemeyer e e suas obras. Obras mirabolantes, caras, difíceis de serem construídas, perigosas, e que é pior, de pouca funcionalidade.
    Projetista de monumentos, por tanto tão admiradas.
    Aponte uma obra de Oscar Niemeyer que seja funcional.
    Sou engenheiro e não tenho admiração pelas obras projetadas por este senhor.
    Agora não pode mais.

  19. Sebastiao

    A construção da Cidade Administrativa deveria ser investigada pela federal, os picaretas da Petrobras trabalharam lá.

Deixe um comentário