Español
Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Carlos Castaneda – frases de Don Juan Matus – Porta para o Infinito – Relatos de Poder – parte II

Publicado por Editor em Castaneda e Don Juan
data: 28/06/2010

Se toda a nossa experiência do mundo é a recordação, então não é assim tão absurdo concluir que um feiticeiro possa estar em dois lugares ao mesmo tempo. Não é o caso do ponto de vista da percepção dele, pois, para experimentar o mundo, o feiticeiro, como qualquer outro, tem de recordar o ato que acaba de praticar, o acontecimento que acaba de presenciar, a experiência que acaba de viver. Em sua consciência, só há uma recordação. Mas para um estranho, olhando para o feiticeiro, pode parecer que o feiticeiro está representando dois episódios diferentes ao mesmo tempo. O feiticeiro, porém recorda-se de dois instantes únicos e isolados, porque a cola da descrição do tempo não o prende mais.

Existem três tipos de maus hábitos que usamos repetidamente quando nos defrontamos com situações desconhecidas na vida. Primeiro, podemos não levar em consideração o que está acontecendo ou já aconteceu, e sentir que nunca aconteceu. Isso é o método do fanático. Segundo, podemos aceitar tudo pelas aparências e sentir que sabemos o que se está passando. Esse é o método do devoto. Terceiro, podemos ficar presos a um fato porque não conseguimos desprezá-lo, nem conseguimos aceitá-lo totalmente. Esse é o método do tolo. O seu método? Existe um quarto, o correto, o método do guerreiro. Um guerreiro age como se nada tivesse acontecido, jamais, porque não acredita em nada, e, no entanto aceita tudo pelas aparências. Aceita sem aceitar e despreza sem desprezar. Nunca acha que sabe, nem sente que nada aconteceu. Age como se estivesse controlado, mesmo que esteja tremendo por dentro. Agir desse modo desfaz a obsessão.

Você deve cultivar a idéia de que um guerreiro não precisa de nada. Você tem tudo o que é preciso para a viagem extravagante que é a sua vida. A verdadeira experiência é ser um homem e o que conta é estar vivo; a vida é um desviozinho que estamos seguindo agora. A vida em si é suficiente, auto-explicativa e completa. Um guerreiro compreende isso e vive de acordo; portanto, pode-se dizer, sem presunção, que a experiência das experiências é ser um guerreiro.

Não é questão de escolha pessoal saber quem é escolhido para aprender o conhecimento do feiticeiro, que leva ao domínio da consciência. Você já se perguntou, por que você, em especial?

Eu não estou dizendo que você deva perguntar isso como coisa que exige resposta, e sim no sentido de o guerreiro meditar sobre a sua grande boa sorte, a sorte de ter encontrado um desafio.

Fazer disso uma pergunta comum é coisa de um homem presunçoso, que deseja ser ou admirado ou deplorado. Não me interessa tal tipo de pergunta, pois não há meio de responder a ela. A resolução de escolher você foi um desígnio do poder; ninguém pode distinguir os desígnios do poder. Agora que você foi escolhido, não há nada que possa fazer para deter a realização desse desígnio.

Se um guerreiro precisa de alívio, ele simplesmente escolhe uma pessoa e exprime a esta pessoa todos os detalhes do seu tumulto. Afinal de contas o guerreiro não está procurando ser compreendido ou auxiliado; quando fala está apenas aliviando a sua pressão. Isto é, desde que o guerreiro seja dado a falar; se não for, ele não conta a ninguém.

Você se entrega. Acha que entregar-se a dúvidas e aflições é indício de um homem sensível. Bom, mas a verdade é que você está bem longe de ser sensível. Então, para que fingir? Já lhe disse: um guerreiro aceita com humildade aquilo que ele é.

— Você faz parecer que eu me estou confundindo de propósito.

— Nós nos confundimos de propósito sim. Nós todos temos conhecimento de nossos atos. Nossa razãozinha amesquinha propositadamente, se transforma no monstro que se imagina. Mas ela á muito pequena para um molde tão grande.

É verdade, sempre se pode fracassar. Mas creio que você se refere a outra coisa. Você quer encontrar uma saída. Quer ter a liberdade de fracassar e desistir nos seus próprios termos. É tarde para isto! Um guerreiro está nas mãos do poder e sua única liberdade é escolher uma vida impecável. Não há meio de forjar um triunfo ou uma derrota. Sua razão pode querer que você fracasse completamente, a fim de apagar a totalidade de seu ser. Mas existe uma contramedida que não permitirá que você declare uma vitória ou uma derrota falsa, se você acha que pode fugir para o abrigo do fracasso está maluco! O seu corpo montará guarda e não o deixará seguir tais caminhos.

Você está numa situação terrível. É tarde para recuar, mas é cedo para agir. Só o que pode fazer é presenciar. Está na situação triste de uma criança que não pode voltar para o ventre da mãe, e nem pode andar e agir. O bebê só pode é presenciar e escutar as tremendas histórias de ação que lhe contam. Você está agora exatamente nesse ponto.

Não pode voltar para o ventre do seu velho mundo, mas também não pode agir com poder. Para você, só existe presenciar atos de poder e escutar histórias, relatos de poder.

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Castaneda e Don Juan

Editor - O editor coleta noticias interessantes e publica para informação dos leitores.
4 Comentários
  1. muito interesante isso quero parabenizar vcs muito obrigada

  2. yoser trejos

    espectacular los libros de carlos castañeda, nos evocan momentos muy especiales

  3. Carlos Castaneda era peruano.La version de otra nacionalidad corresponde a una practica de la sabiduria que el aprendio de don Juan.Por la cual uno debe borrar su pasado para poder acceder a los conocimientos dados por los brujos toltecas.

  4. Felipe

    Castaneda era brasileño , lo cuenta en el libro el lado activo del infinito y fue criado por su abuelo….no hables si no conoces la verdad ….idiota.

Deixe um comentário