Psicologia

XLIII – Um sentido para a vida

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 19/10/2017

Novamente eu estava encarcerado, preso, aqueles que diziam me amar acreditavam que eu representava um perigo para mim mesmo e para os outros. Meu crime, apenas ter ousado ser diferente, pensar além da caixinha, não suportar viver em um sistema hipócrita e buscar na medicina indígena da ayahuasca uma forma de conexão espiritual. Hoje sei que a espiritualidade está em coisas bem mais simples, e que nada externo pode nos tr...

XLII – Desafiando a Matrix

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 09/10/2017

O mundo que me aguardava eu esperava que fosse receptivo. Afinal de contas eu estava em um estado de consciência expandida, pleno de amor, e não havia com o que me preocupar. Era apenas dar tempo ao tempo e todos entenderiam a mágica a que aquela experiência havia me transportado, e por consequência todos entenderiam a importância da ayahuasca na minha vida. Ledo engano. As pessoas no mundo ordinário não estão prepara...

XLI – De volta ao mundo ordinário

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 25/09/2017

Finalmente eu me reencontrava com a ayahuasca, e por mais que não quisesse havia uma certa expectativa naquele encontro. Não me lembro dos detalhes, mas lembro que foi algo de transcendente aquela experiência. Tomei a ayahuasca e achei leve, achei que não causaria efeito. Depois tomei por mais sete vezes naquela noite. O ritual, que é chamado de trabalho, começou com um som xamânico e continuou com um show ao vivo. Foi ...

XL – Encarando os demônios

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 07/07/2017

Luciana foi mais um dos amores fugidios que eu tive. Quando estávamos internados ela estava namorando com um outro cara que também estava internado. Eu lembro de desejar muito ela, de alguma forma, ganhar um beijo, acalmar meus desejos. Mas isso não aconteceu, todavia viramos grandes amigos. Como sempre as amizades entre internos são um elo fundamental na passagem deles pela clínica, mas dificilmente essas amizades resist...

XXXIX – A tentação de sacanear o Sistema

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 29/06/2017

Não conseguia entender porque me internaram. Eu estava extático, totalmente conectado com tudo e com todos, voltei distribuindo aquela energia ancestral linda de que tive a glória de fazer parte em São Thomé das Letras. Eu havia conhecido um mundo fantástico, fui tocado profundamente por aquela experiência com a madre ayahuasca, por que não me entendiam? Todos os profetas, santos, gurus, místicos sofrem esse tipo de p...

XXXVIII – Sossega Leão!

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 22/06/2017

Assim que cheguei a BH toda a família já estava preocupada, se eu teria surtado, o que era aquele chá que tomei, que besteiras eu teria feito. Não me lembro muito bem do desencadear dos fatos, mas de algumas imagens fragmentadas de tudo que ocorreu naquele dia cabalístico da abertura de uma nova dimensão para nós terráqueos. O dia 21/12/2012 foi o dia em que encontrei com a Daniela e nos meios místicos era considerado...

XXXVII – A volta de quem não foi

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 09/06/2017

Depois de resgatado o carro, a aventura seguia sem a presença da Daniela, o anjo que me levou até ali. Voltei para o Céu de São Thomé, o Ramon e algumas outras pessoas ainda estavam lá. Pedi para ver se poderia dormir ali com eles aquela noite, disseram que não teria problema algum. Eu estava com fome e lá não tinha rango, então voltei pra São Thomé para comer algo. Não me lembro muito bem dos detalhes, mas foram ...

XXXVI – Vencendo o atoleiro

Publicado por Bill Braga
Data da publicação: 10/02/2015

Quando retornei ao local da cerimônia algo havia mudado. Como se um click tivesse sido dado em minha mente. Agora aqueles cantos, antes ininteligíveis pareciam fazer um sentido oculto para mim. Algo como se um xamã tivesse chegado, como se eu fosse um xamã. Fiquei inquieto, não sabia o que fazer, não foram dadas orientações. Fui sendo tomado pelo medo. Medo de enlouquecer e não mais voltar. Tempos depois eu viria a sa...