Poesia

As tardes eram azuis

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 17/10/2018

há retratos desbotados que nunca se apagarão no fragmento da memória as tardes eram azuis bem azuis, debaixo do céu e um coração palpitava no sonho daquele menino resplandecente que eu era a cidade, de tão pequena mal me cabia no bolso que a irmã costurara no algodão xadrez da loja um menino que atravessa a praça inteira e a vida terá poema recitado no alto falante da igreja seu sorriso vai abrir a lona imensa do ci...

A praça não é do povo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 15/10/2018

Na Praça dos Três Poderes o Brasil não se assiste; na Praça dos Três Poderes a Pátria será que existe? Lá, a democracia rasteira, cega, circo de vaidades, criação esdrúxula, estreita, de oligarquias arcaicas. Na Praça dos Três Poderes, o que faz a Justiça, um executivo sem freios, uma Assembleia cediça? Ao Povo, só dividendos, impostos a mãos cheias, sementes lançadas ao vento no plantio sem colheitas. Tempos...

In memoriam

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 10/10/2018

O que os meus sempre míopes E agora descoloridos olhos Me disseram um dia Há de se apagar para sempre. Corpos perdem o prumo Lenta, inexoravelmente. É quando o abismo se aproxima Tempo para as despedidas. Para ver o passado se afastar Levando consigo o chão Mas também o rio e as folhas E aquela mão na minha mão. O vasto mundo, como o concebi Irá comigo, suavemente. Corpos a se desmanchar Como fossem ondas no mar. Compa...

O noivo de Ordália

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/10/2018

Depois que terminou com Ordália Amaro ficou a se interrogar: - Por quê terminei com Ordália? Culpou o vento que lhe levantou a saia quando subia as escadas do Colégio e deixou os colegas extasiados ante a solidez de suas pernas colunas de inspirado escultor Culpou janeiro quando ela fez as malas rumando para a praia Quando voltou, era toda Gabriela urdindo feitiços e cheiros com sua nova cor de canela Mas, acima de tudo d...

Lição de anatomia

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 01/10/2018

vislumbro a minha imagem espelho partido ao meio nele se enfrentam duplicados ou abominável homem do trânsito ou gentil herdeiro da civilização que forçadamente coabitam quase um metro e oitenta de ossos duros de roer e uma fronte reluzente que já viu dia melhores que oponentes se acomodam entre tendões e músculos avessos ao menor exercício e um tórax introvertido longe de causar qualquer inveja a um aspirante a faqu...

Cortejo

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 21/09/2018

Diogenes com sua lanterna – Jacob Jordaens ofereço um minuto de silêncio à noite negra da minha memória para aplacar-lhe a desmedida fome assim como também o ofereço àquele dia em que fui feliz cuja imagem tento agarrar mas que se afasta lentamente detrás de apagadas evidências ofereço um minuto de silêncio aos companheiros devastados pela solidão, pelo álcool pelo desamor e pela saudade assim como também o...

Viagens fragmentadas

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 17/09/2018

Logo que chegou ao porto arriou âncora, dispensou-me e contratou outro marinheiro. Preciso de homens robustos - disse-me. Voltou a partir; acompanhei o barco até que sumiu no horizonte. Neste lugarejo permanecerei vivendo de ajudas fortuitas, pequenos trabalhos e pescarias. Daqui não arredarei pé. Semana após semana, como estaca no cais, esperando seu retorno. Sei que a qualquer instante o barco de novo acostará e então...

Com meu cão na noite escura

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 05/09/2018

Andando por esta estrada de terra numa noite estrelada rumo a lugar nenhum, eu e você, meu cão. Sigamos sempre juntos, vivamos esta noite que - de certa forma intuímos - poderá não se repetir. Veja contra as colinas como se desdobra o firmamento, veja como as estrelas vicejam qual se fora um imenso canteiro de brilhantes margaridas. Não sabemos, nem eu, muito menos você, o que estamos a deixar para trás. Adianta relemb...