Poesia

Farinha do mesmo saco

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 22/11/2018

nunca tirei grandes lições dessa interminável guerra aqui nos trópicos quando vem a tormenta abro a janela para que entrem os ventos do mundo e se desafio a lei da gravidade deixo cair os braços ao longo do corpo já quando perguntam da vida digo que desde pequeno meu sonho é virar farinha Compartilhar este Artigo

O que vejo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 13/11/2018

Por mais que em sua plenitude Se instale a Primavera À minha volta Pontificam os arautos do monetarismo Por mais que a Lua flutue no ar Com indescritível beleza e sedução Vejo que à minha volta Mais atrai olhares a televisão Por mais que no jardim O tenro broto da Democracia viceje Vejo à minha volta os que se uniformizam E armas exibem à cintura Por mais que a alvorada Transpasse as janelas, imprima-se nas paredes Vej...

Promessa

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 08/11/2018

Quando a luz do sol nascer de novo Escreverei sonetos em seus ombros. Árvores não crescem sem germinar. O futuro é semente em nossas mãos E para a vida fazer sentido Alguma coisa há de se perder - Como a luz do sol após a noite Voltaremos a nascer o novo mundo. Basta não resistir ao encantamento De esquecer e dormir o eterno sono Até que a alma atravesse o mar escuro. Encontrarei você, isso é seguro. Compartilhar est...

Retrato da praça ao meio dia

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 01/11/2018

vou juntando os cacos e reconstruindo a praça vejo rosalvo abrir a tenda e dielson tirar do baú uns tais picolés mini-saia quando o dia está ao meio césar fecha seu comércio e holmes cerra as estantes o que era o mercado faz-se longo suspiro na porta da casa novaes tio álvaro tira o chapéu e a enxurrada de meninos informa que no ginásio as aulas dão até logo no sinuca de seu quincas o rádio entoa canções para esp...

Doação

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 29/10/2018

Hoje ouvi a mulher dizer que quer doar um rim à irmã que tem insuficiência renal e está em hemodiálise - Ela tem uma filha… A mulher que pretende doar também tem um filho mas isto não impede seu intento Quantos irmãos tem você? – perguntei. - Quatro disse ela mas nenhum se manifesta nenhum Aquela mulher negra que por certo muito penou tanto deve ter sido menosprezada e que ainda assim capaz é de tanta gen...

As tardes eram azuis

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 17/10/2018

há retratos desbotados que nunca se apagarão no fragmento da memória as tardes eram azuis bem azuis, debaixo do céu e um coração palpitava no sonho daquele menino resplandecente que eu era a cidade, de tão pequena mal me cabia no bolso que a irmã costurara no algodão xadrez da loja um menino que atravessa a praça inteira e a vida terá poema recitado no alto falante da igreja seu sorriso vai abrir a lona imensa do ci...

A praça não é do povo

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 15/10/2018

Na Praça dos Três Poderes o Brasil não se assiste; na Praça dos Três Poderes a Pátria será que existe? Lá, a democracia rasteira, cega, circo de vaidades, criação esdrúxula, estreita, de oligarquias arcaicas. Na Praça dos Três Poderes, o que faz a Justiça, um executivo sem freios, uma Assembleia cediça? Ao Povo, só dividendos, impostos a mãos cheias, sementes lançadas ao vento no plantio sem colheitas. Tempos...

In memoriam

Publicado por Wesley Pioest
Data da publicação: 10/10/2018

O que os meus sempre míopes E agora descoloridos olhos Me disseram um dia Há de se apagar para sempre. Corpos perdem o prumo Lenta, inexoravelmente. É quando o abismo se aproxima Tempo para as despedidas. Para ver o passado se afastar Levando consigo o chão Mas também o rio e as folhas E aquela mão na minha mão. O vasto mundo, como o concebi Irá comigo, suavemente. Corpos a se desmanchar Como fossem ondas no mar. Compa...