Poesia

Desafio

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/08/2018

Num ato de impulso pede-me cortemos os pulsos. Faço-me de surdo tergiverso, desconverso tento mudar de assunto. Sei que me examina enquanto me fita expondo a lâmina. Os olhos de um castanho vívido contrastam com seus lábios lívidos. Ante minha tibieza sei que se pergunta: onde a paixão, as certezas? Segura de si mesma perfaz súbito o corte tendo o braço sobre a mesa. O sangue num fio contínuo escorre até a toalha ond...

Catador de imagens

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 30/07/2018

A moça assentada no ponto do ônibus na manhã de uma segunda-feira qualquer Arco de lua crescente no meio dos edifícios Um ponto de interrogação ao final da frase que se supunha viria com promessas certas. A mão que se antecipa Mostra-se em oferenda O jardim – a igreja tendo ao fundo o céu que foge rumo a meteoros que fogem para os confins do universo num quadro de Van Gogh. Contra o muro a cena de um gato a correr fr...

E fez-se o caos

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 19/07/2018

Diverte-se no Paraíso em sua pureza original nua, sem se notar nua a pele reverberando a luz na iridescência de um cristal os músculos se estendendo em harmonioso moto contínuo dando forma a uma escultura que um dia Rodin revelará Anda descuidada em meio aos vergéis onde outras criaturas já existiam Na estrato vegetal, flores, gramíneas, matas acima o arco-íris tracejando o céu e um amplo universo em derredor viceja ...

Um homem quase triste

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 28/06/2018

Não sabíamos de onde vinha nem para onde ia Era um senhor quase mudo era um senhor quase triste Meu pai dizia, quando chegava - Venha, senta à mesa Minha mãe ia às panelas um bom prato lhe provia Uma vez trouxe para mim uma pedra de cristal noutra um cachorrinho a que dei nome de Capucho Sempre com muita fome sentava-se sem palavras comia pausadamente a cabeça grisalha inclinada Arribava em diferentes horas vindo dos con...

A tecedeira

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 21/06/2018

O sol se põe. Na tarde sombreada A Tecedeira tece a sua teia: Entre oito patas o seu fio enleia E deixa a leve malha preparada. O tempo corre. Escorre a fina areia Da rocha que caminha para o nada. A Tecedeira espera, conformada, A hora de colher a vida alheia… Vejo a lua no céu: foice minguante Pronta a ceifar estrelas num instante, Inermes ante o gume de seu corte! Vejo na teia a paciente aranha: Vertiginoso ataque a...

Não se aflija

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 01/06/2018

Não se aflijaNão se aflija, meu nego, estou aqui.Não se humilhe. Você é um homem bom: bom pai, bom companheiro. Não se aflija.Ainda que se sinta o último dos homens, acabado, fraco, doente.Sei, não é fácil vencer esta maré, esta força que o derrota.Mas vamos levantar a cabeça. Não, não chore. Olha que as crianças – que o admiram - estão por perto e acabarão por também chorar.O dia todo andou por esta c...

Carta a Van Gogh

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 08/05/2018

Para minha irmã Dulciméia Em algum lugar, em uma de suas cartas, Van Gogh, você escreveu, certamente para seu querido irmão Theo: “o Mediterrâneo tem uma cor igual à das cavalas, ou seja, mutante; nunca se sabe se é verde ou violeta, nunca se sabe se é azul…” E ainda: “O céu de um azul profundo estava salpicado por nuvens de um azul ainda mais profundo que o azul fundamental de um cobalto intenso, e por ou...

A moça do lotação

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 26/04/2018

Todo dia espera que ela esteja no ponto e suba os degraus do coletivo Àquela hora a luz da alvorada nascente junto às fracas luzes dos postes mal consegue espantar a escuridão Vê a moça que se aproxima no rosto ainda marcas do sono precocemente interrompido Com o ônibus rodando ela procura se equilibrar com dificuldade na passarela instável Aproxima-se da catraca abre a bolsa entrega-lhe as moedas Neste momento suas mã...