Crônicas Culturais

A Igreja dos pobres

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 10/10/2017

Tenho observado que a expressão “Igreja dos pobres” produz sério incômodo – e algumas erupções de pele – nos católicos que não se sentem pobres. É pena que reajam assim, pois de fato somos todos pobres. A mãe que não tem pão para os filhos é pobre. O milionário que não consegue curar seu câncer é igualmente pobre. Ser humano é ser limitado, dependente, pobre. Entretanto, os católicos com alergia à ex...

Nações indígenas?

Publicado por Carlos Scheid
Data da publicação: 05/09/2017

Há algum tempo, em certo folheto da missa católica, muito utilizado na Região Sudeste do Brasil, encontrei uma expressão bastante repetida, mas, sem dúvida, equivocada. Trata-se da expressão “nações indígenas”, que confunde “povo” com “Estado” ou “nação”, o que não esconde uma visão ideologizada da realidade humana. Se pensamos, por exemplo, nas comunidades ciganas, a questão começa a se esclarec...

Homens, melhorem muito!

Publicado por Lara Montenegro
Data da publicação: 30/08/2017

Domingo de manhã, saio pra ver amigos tocando, programa super astral, som no clube, debaixo das árvores, um tanto de criança correndo, sol rachando, dia feliz. Logo que chego, cruzo com um conhecido, ex-namorado de uma amiga bem próxima e que depois se relacionou com outra conhecida minha, eu soube recentemente que ela estava grávida dele. Cumprimento dando os parabéns, pergunto como ele está e quando chega a nenê. Ele...

Supremacia: as sementes da guerra

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 17/08/2017

Os grupos humanos sempre foram sociedades divididas. Como pano de fundo, o medo, a desconfiança, a sede de dominação, o orgulho nacional, as feridas da última guerra. Desde tempos remotos, o rótulo de “homem” só se aplicava aos habitantes do nosso vale, quem vivia no vale vizinho não merecia este nome. Fabricar inimigos estimula a circulação sanguínea… Qualquer coisa serve para iniciar o combate: a cor da p...

Lampião, cangaceiro fashion

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 09/08/2017

O Brasil dá mais um passo à frente da Europa que a cada dia mais se curva diante da nação Tupiniquim. Salve o conde Afonso Celso (1860-1938), que, com o fim da monarquia brasileira, ao ir para a Europa acompanhando o pai, Visconde de Ouro Preto, no exílio, escreveu, entre muitos outros, o livro “Porque me ufano de meu país”. Na abertura da feira de negócios Fashion Business em maio de 2012, Mara Mac ganhou exposiç...

Mentiram para nós…

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 07/08/2017

Disseram para nós que a República iria cortar pela raiz os privilégios da nobreza imperial e o luxo da aristocracia dominante. O rei foi deposto, os barões exilados, e o povo continua passando fome, enquanto os deputados depositam dólares nos paraísos fiscais. Disseram para nós que o jugo dos Dez Mandamentos era opressor e impedia a liberdade do homem. Em lugar do Decálogo, milhares de leis invadem a área do arbítrio...

Do leite, do leiteiro, do seu filho e da cascata do ribeirão

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 25/07/2017

Esse causo é velho mas é bom, merece ser repetido sempre, pois os mais jovens podem não conhecê-lo. Em várias cidades do interior de Minas causos idênticos são contados pelos mais velhos, com personagens locais, o leite, o leiteiro, seu filho e algum córrego ou ribeirão de águas abundantes, cristalinas, caudalosas e piscosas, repletas de piabas e lambaris. Nas capitais, naqueles anos de 1950, o leite já era pasteuri...

Pensia que ela uma balata na minha atlás!

Publicado por Saulo Soares
Data da publicação: 14/06/2017

Nhinhinha. Personagem infantil, irresistível, santa e “milagreira” de Guimarães Rosa, no conto “A menina de lá”, de Pequenas Estórias. Claro, se de Guimarães, a linguagem parecerá um idioma desconhecido que, num beijo de “linguística”, apropria-se de nossas palavras, inventando desinventando, mas que, estranhamente… entendemos. Para ela era “tudo nascendo!”. As palavras não...