Cotidiano

TV, objeto de cama e mesa

Publicado por Carlos Scheid
Data da publicação: 31/07/2017

Quem acompanha o itinerário da televisão no Brasil, desde os idos de setembro de 1950, deve ter notado a maré crescente do sexo que invadiu novelas e programas de auditório, com destaque especial para a propaganda, quando era praticamente impossível anunciar um novo modelo de automóvel sem que uma jovem bonita e pouco vestida fosse mostrada junto ao veículo. Pois os tempos estão mudando. Não sei se por saturação, qu...

Conversa de compadre

Publicado por Carlos Scheid
Data da publicação: 23/03/2017

- Entre, compadre! A casa é sua! Primeiro, o Coronel Matias ouviu a porteira bater. Só depois o tropel cadenciado da mulinha marchadeira. Chegou à janela e reconheceu o visitante, que ia atravessando o raso do corguinho. - Ó de casa! – gritou o compadre Janô. Antes que o dono da casa respondesse, o velho Sultão deu dois latidos, meio rouco, só para cumprir a obrigação. Afinal, a visita era conhecida. - Se abolete, c...

Papos de Espera

Publicado por Lara Montenegro
Data da publicação: 01/03/2017

Entro no consultório com os exames debaixo do braço, sorrio pra secretária e pisco querendo dizer “hoje eu acertei, né?”. Dois dias antes, eu tinha baixado lá no dia errado, em meio a minha distração crônica e o meu problema de memória recente… Duas semanas antes, no laboratório, dia de fazer um procedimento, chego toda orgulhosa por lembrar de levar os exames anteriores pra mostrar pro médico. Sento diant...

A Tempestade

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 23/01/2017

Não sou escritor e nem quero imitar nenhuma das escritoras famosas como Clarice Lispector, nem Cecilia Meireles, nem Henriqueta Lisboa e muito menos imitaria Shakespeare para escrever lindamente sobre a tempestade. Suas tempestades eram muito diferentes entre si e, mais ainda, será diferente da “nossa” tempestade, que aqui descrevo. Tomei a decisão de escrever depois de vários dias por que ainda permanecia sob o impact...

Senhores do Café Nice

Publicado por Antonio Ângelo
Data da publicação: 23/08/2016

Os senhores do Café Nice, lá os vejo desde os anos sessenta. Homens distintos, de postura ereta, alguns de terno, outros em camisas e calças sociais, em intermináveis e amistosos convescotes. De que falarão esses senhores? Certamente da política, das leis e suas transgressões, das manchetes dos jornais, do futebol, de mulheres (não seria assunto ausente), dos benefícios da catuaba ontem, das maravilhas do Viagra hoje,...

Jogue na loteria!

Publicado por Carlos Scheid
Data da publicação: 11/01/2016

Você chegou à conclusão de que não vale a pena se matar no trabalho, à espera de uma aposentadoria que a inflação vai roer em 5 anos? Jogue na loteria! Muita gente alimenta esta esperança. Um cartão preenchido ao acaso, um golpe de sorte e… todos os seus problemas estão resolvidos! Pode parecer absurdo, mas é um absurdo trocado por outro… Você desconfia de que este clima de corrupção nacional não ir...

Chuva Abençoada!

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 08/01/2016

Há dias, busco inspiração para escrever sobre a chuva, especialmente nesses tempos em que ela ganhou a divina graça em nosso meio. Diferente de outras épocas, mesmo quem foi pego de surpresa ao sair de casa sem guarda chuvas e ser obrigado a andar na chuva, hoje louva a chuva. Ainda há pouco, eu estava assentado num banco de ponto de ônibus e a chuva caia com vontade, quando ouvi uma senhora chegando para a outra que es...

Brincar de governo

Publicado por Carlos Scheid
Data da publicação: 11/12/2015

Quando éramos crianças, nós costumávamos brincar de bandido e mocinho. Curiosamente, ninguém queria ser bandido. Éramos todos inspirados pelos “faroestes” americanos, onde o mocinho vestia roupa branca, de chapéu branco sobre um cavalo branco. O importante era ser poderoso. Crescemos um pouquinho e fomos jogar o “Banco Imobiliário”, aquele joguinho iniciático à vida do capital. Logo aprendemos a trapacear e a...