Educação

Videogames fazem bem?

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 08/09/2016

Estudos realizados na Austrália concluem que os estudantes que se dedicam aos jogos eletrônicos mostram resultados escolares acima da média. Reportagem do jornal “La Croix” de 9/08/2016, assinada por Marie Verdier, apresentou as conclusões de um estudo realizado entre estudantes australianos. Para desgosto daqueles que lamentam a troca dos livros pelos “games”, o estudo identifica resultados escolares mais baixos p...

Alemanha: escolas para refugiados

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 03/06/2016

  No ano de 2015, o número de refugiados que pediram asilo na Alemanha chegou a um milhão. Entre estes, 325 mil crianças em idade escolar. Matéria do jornal francês “La Croix” de 5/01/16, assinada por Delphine Nerbollier, fala dos esforços do governo alemão para acolher crianças curdas e iraquianas, sírias e afegãs, ajudando-as a dar os primeiros passos no idioma de Goethe. Fadi, curdo, 12 anos, e Diana, pro...

Brinquedos e brincadeiras – Parte V

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 02/02/2015

Uma brincadeira interessante era o chicotinho queimado em que se escondia um objeto e todos tinham que procurá-lo até achar. E o escondedor ia dando dicas pra cada um, “Fulano frio”, “Beltrano morno” ou “quente” à medida que a pessoa estivesse mais próxima do objeto. Para ambientes internos, uma boa brincadeira era de passar anel. Formava-se um circulo e uma pessoa com um anel ou algo que o simulasse passava de...

Brinquedos e brincadeiras – parte IV

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 16/12/2014

O Jogo de damas era bastante comum para os maiores quando eles próprios já serravam uma tábua de caixote e desenhava as casas em preto e branco. As pedras poderiam ser botões ou tampinhas de garrafas. O jogo de botões, quando não tinha um tabuleiro próprio poderia ser marcado no cimento e jogava-se com onze botões de cada lado e de cores diferentes. E uma pequena bolinha colhida da árvore chamada de saboneteira. O bar...

Brinquedos e brincadeiras – parte III

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 28/11/2014

De exercício físico, de correr, ainda havia a brincadeira “Brasil contra Alemanha”, quando formavam duas filas, uma em frente à outra a uma distância de uns dez metros e, a cada vez, um dos participantes se dirigia á fila oposta para provocar os adversários com tapinhas nas costas das mãos e quando batesse na palma da mão o menino ou menina provocado tinha de correr e pegar o provocador que era feito presa de guerr...

Brinquedos e brincadeiras – parte II

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 12/11/2014

Para brincar, valia toda criatividade. Dois, quatro, seis ou oito sabugos de milho viravam juntas de bois e puxavam carrinhos feitos mais caprichadamente pelos pais ou, toscamente, pela própria criança. Além disse os bois puxavam madeira e outros pequenos materiais. Uma “fazendinha” poderia ser feita com pequenos pedaços de madeira, onde vacas, bezerros e porcos, quando não eram também de sabugos, eram de frutas caí...

Brinquedos e brincadeiras – parte I

Publicado por Sebastião Verly
Data da publicação: 03/10/2014

Óleo sobre tela, Marina Jardim Muitas brincadeiras estão entrando em extinção. O brinquedo industrial especialmente de controle remoto está tomando conta do espaço na vida lúdica das crianças. O exercício físico e mental fica postergado e quando muito é exercido nas operações digitalizadas que exigem atenção e memória apenas. Brincar é um momento sagrado na vida das crianças. É através das brincadeiras que ...

Tinha eu que ser doutor…

Publicado por Antonio Carlos Santini
Data da publicação: 26/09/2014

A frase tem dono: é do elegante Paulinho da Viola. Está em seu samba “14 anos”, que nos faz pensar nas escolhas profissionais. “Tinha eu 14 anos de idade Quando meu pai me chamou: Perguntou-me se eu queria Estudar filosofia, Medicina ou engenharia. Tinha eu que ser doutor…” Entretanto, estas opções paternas não agradaram muito ao jovem Paulo. Ele já olhava em outra direção. “Mas a minha aspiração Era ...