Tamanho da Letra: [A-] [A+]

Ter e Perder

Publicado por Carlos Bittencourt Almeida em Poesia
data: 22/07/2011

 

Provei do fruto proibido

Agora eu me queimo de saudade

Queimo-me no gelo do desejo contrariado

do abandono, da perda

Mas tenho o bom fogo do desejo saciado em parte

Doçura imensa

Não lamento

Valeu a pena

O preço é alto, mas eu pulo novamente se for preciso

Não sei para onde o vento me levará a partir deste abismo

mas a alegria de voar compensa

As visitas ao paraíso podem ser breves

a dor da volta ao mundo árido é grande

mas fiz destas visitas o objetivo de minha vida

Apostei e perdi

Apostei e ganhei

É o jogo da vida

Com o passar dos anos o sofrimento evapora

Lentamente

Se a vida quer, quando quer

um novo amor devolve a alegria de viver e amar

Não fui mimado

Conheço a solidão

o vazio

a aridez em longos períodos de tempo

Mas a primavera volta

De novo a brisa, o perfume, a água fresca

o leito macio e ardente de um novo amor

a beleza que fascina e encanta

Fico de novo tonto de alegria

O fogo do desejo inflama o corpo e o coração

De novo o milagre, o prazer intenso, a descoberta

 

Compartilhar este Artigo

Leia mais artigos em Poesia

Carlos Bittencourt Almeida - Psicólogo Clínico e escritor, residente em Belo Horizonte - MG Consultas online? envie suas perguntas.
Deixe um comentário